THE DELAGOA BAY WORLD

17/12/2011

A CONSTRUÇÃO DO GRANDE HOTEL DA BEIRA, ANOS 1950

Filed under: Beira - Grande Hotel — ABM @ 17:17

Fotos de José Maia, restauradas por mim.

 

Foto 1.

 

Foto 2.

 

Foto 3.

 

Foto 4.

 

Foto 5.

 

Foto 6.

 

Foto 7.

 

Foto 8.

 

Foto 9.

 

Foto 10.

 

Foto 11.

 

Foto 12.

 

Foto 13.

 

Foto 14.

 

Foto 15.

 

Foto 16.

Anúncios

5 comentários »

  1. Era realmente um colosso. Não o conheci a não ser em fotos e num filme recente passado na TV. Não deixa contudo de ser um edifício feíssimo e pesadão.

    Comentar por Xico — 18/12/2011 @ 19:02

    • Bem, Xico, não era exactamente uma arquitectura de referência, mas do pouco que vi do lado de dentro quando aquilo estava operacional (ainda ando a ver se caço fotografias desse antigo interior) aquilo era um luxo asiático, estilo espartano-monumental-exótico. Salazar devia estar maluco quando não autorizou que se fizesse jogos de casino ali. Teria sido uma verdadeira mina de ouro para a Beira e para Moçambique. Gostava de referir que, tanto quanto sei, foi entregue perfeitamente operacional à Frelimo em 1975.

      Se tiveres interesse em mais qualquer coisa no tópico, escrevi há uns tempos uma nota sobre a história do Grande Hotel e da Beira, que podes ver em http://delagoabayword.wordpress.com/2011/02/17/a-beira-e-o-grande-hotel-da-beira/

      Um abraço e obrigado pela visita. ABM

      Comentar por ABM — 18/12/2011 @ 20:33

  2. Poderia ter havido outro traço arquitectónico enquadrado com o perfil da Ponta Gêa e com o mar. Todavia, quem conheceu a cidade e o hotel nos anos 60 e 70, é de reconhecer a imponência e magnificência do projecto, arrojado para a época, e que marcou de forma irreversível a personalidade da Ponta Gêa e o positivismo da cidade. O estado de alma em ser africa e moçambique sempre foi coisa irreconhecível e não identitário na nomenclatura da metrópole. Nos anos 50, Salazar e os bispos patéticos cederam ao novo Cecil de Rhodes do casino de Victória Falls. Gostaria que o José Maia entrasse em contacto comigo.

    Comentar por Luis Esteves — 20/02/2012 @ 11:14

  3. Poderia ter havido outro traço arquitectónico enquadrado com o perfil da Ponta Gêa e com o mar. Todavia, quem conheceu a cidade e o hotel nos anos 60 e 70, é de reconhecer a imponência e magnificência do projecto, arrojado para a época, e que marcou de forma irreversível a personalidade da Ponta Gêa e o positivismo da cidade. O estado de alma em ser africa e moçambique sempre foi coisa irreconhecível e não identitário na nomenclatura da metrópole. Nos anos 50, Salazar e os bispos patéticos cederam ao novo Cecil de Rhodes do casino de Victória Falls. E à época, Salazar concedia todas as licenças a Antenor Patino, para o Estoril. Gostaria que o José Maia entrasse em contacto comigo.

    Comentar por Luis Esteves — 20/02/2012 @ 11:21

  4. Estas fotos foram por mim digitalizadas a partir de originais que comprei a um morador em 2011, quando ali passei ums dias a fazer um levantamento exaustivo para um trabalho que fui contractado que consistia em apurar preços para desocupar o Hotel, construir um bairro económico para os alojar os moradores e também os custos da sua demolição ou implosão.

    Comentar por Francisco Ivo — 17/05/2016 @ 04:09


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: