THE DELAGOA BAY WORLD

19/03/2012

LÍDIA TEMBE E A DETA NOS ANOS 1970

A Lídia mais ou menos na altura em que se juntou à DETA. Bonita de parar o trânsito. Foi das primeiras hospedeiras de raça negra na companhia. Diz que racismo ali era mato, mas que a chefa dela estava acima disso.

O que se segue foi publicado no jornal A Verdade, de Maputo, no dia 15 de Março de 2012 e que reproduzo com vénia.

Chama-se Lídia António da Silva Tembe, e nasceu no dia 25 de Junho de 1952 no bairro da Malhangalene, na antiga cidade de Lourenço Marques, hoje Maputo. Pode-se dizer que o seu nome está ligado à história da aviação moçambicana, não fosse ela uma das primeiras assistentes de bordo negras a trabalhar na antiga Direcção de Exploração dos Transportes Aéreos (DETA), as actuais Linhas Aéreas de Moçambique (LAM).

A sua história começa em 1972 quando se candidata ao preenchimento das vagas anunciadas pela DETA, embora não soubesse que era para ser assistente de bordo. Quando teve conhecimento disso, desistiu dos exames psicotécnicos, que era a última fase do processo de selecção, por uma razão muito simples e nobre: “não estava interessada em deixar de estudar”.

Mas quis o destino que assim o fosse. A DETA contactou o Gabinete de Urbanização, onde ela fazia trabalhos extras no período da tarde (de manhã ia à escola), para “saber porque é que eu tinha desistido dos exames psicotécnicos. Convenceram-me a fazer os exames e fizeram-me acreditar que podia ter uma carreira brilhante. Falei com a minha mãe e ela apoiou-me”.

“Passei nos exames e no dia 25 de Junho de 1972, justamente no dia em que fazia 20 anos, fomos submetidas a uma formação de três meses, que decorreu em Inhambane. Éramos duas mas a outra, a Juvenália Muthemba, actual deputada da Assembleia da República, desistiu”, conta.

O primeiro voo

Após a conclusão do curso, em Setembro, era chegada a altura de começar a voar, o que aconteceu em Outubro do mesmo ano. O primeiro dia de trabalho de todo o ser humano é caracterizado por momentos de muita ansiedade e de nervosismo. Mas com ela foi diferente.

“O primeiro voo foi maravilhoso, não senti medo e muito menos nervosismo. Já tinha viajado de avião uma vez. Acho que isso ajudou-me bastante”.

A discriminação

Lídia Tembe afirma que a sua inserção na empresa não foi fácil, uma vez que o sector da aviação era, na altura, dominado por pessoas de cor branca e de elite, para além da discriminação que existia, afinal estávamos no período colonial.

“Houve fases difíceis pelas quais tive de passar. Chegou uma altura em que eu queria desistir. Havia algumas colegas que não gostavam de me ver a trabalhar, embora não me dissessem directamente. A única pessoa com quem podia contar era a minha chefe. Ela avaliava as pessoas em função do trabalho, competência, e não da cor ou extracto social. As minhas colegas eram filhas de polícias e de gente importante. Eu vinha do subúrbio”.

Esta fase só passou em 1974 quando foi constituído o governo de transição, que tinha Joaquim Chissano como Primeiro-Ministro, não porque as pessoas tinham mudado de comportamento, mas porque havia o receio de perder o emprego pois o país estava a dar passos rumo à independência.

“Com o aproximar da independência, elas (as colegas), começaram a temer pelos seus postos de trabalho e pensavam: esta a quem estamos a discriminar será a nossa chefe amanhã. Temos de tratá-la bem”.

Os episódios marcantes

“Eu sobrevivi por um milagre”, foi assim que Lídia Tembe respondeu quando questionada sobre se já tinha passado por momentos de tensão durante os trinta anos em que trabalhou como assistente de bordo.

Segundo conta, o pior episódio foi no dia 5 de Outubro de 1998 quando, durante a descolagem no Aeroporto Internacional de Mavalane, o motor do avião (Boeing747) começou a arder.

“Os passageiros não ficaram em pânico, o que nos ajudou bastante. O avião teve de voltar ao aeroporto. Os peritos da Boeing disseram que tínhamos sobrevivido por um milagre, pois naquelas circunstâncias a probabilidade de não acontecer uma tragédia é ínfima. O piloto e os passageiros foram heróis”

O outro momento não menos marcante deu-se durante uma transferência de presos para Nampula, no âmbito da Operação Produção. “Eu era a chefe das assistentes. Quando descolámos, um deles quis entrar na cabine de pilotagem. Agarrei o interfone e disse ao piloto para que não abrisse a porta”.

Do espaço para o banco da escola

Quando passou à reforma, em 2002, Lídia Tembe decidiu continuar a fazer aquilo que a natureza do seu trabalho não permitia: estudar. Concluiu o curso médio de Hotelaria e Turismo em 2005 e, em 2011, obteve o grau de licenciatura em Turismo e Gestão de Empresas Turísticas. Actualmente, é docente do Instituto Médio Politécnico, para além de ser delegada da 20LAM.

Houve alguma coisa de que não gostasse na altura em que era assistente de bordo?

Claro. Não suportava a ideia de ter de fazer a mala todos os dias. Quando a pessoa viaja, por mais que seja por umas horas, nunca sabe quando é que volta. Isso não é só com a tripulação, acontece também com os passageiros. Lembro-me de ter ficado três dias na cidade da Beira em 1974. Temos de estar preparados para pernoitar. Sempre sonhou em ser assistente de bordo?

O meu sonho foi lutar sempre pela vida. A minha mãe ensinou- nos a dar e a definir prioridades na vida, a não forçar as coisas, a lutarmos para alcançar os nossos objectivos, sem, no entanto, usar as pessoas como trampolim.

A Lídia em 2012. Já passou muita água debaixo da sua ponte.

Qual é o seu prato preferido?

Bacalhau. Gosto também de cacana, embora não saiba preparar. Mas sempre que posso peço ajuda à minha mãe.

O que gosta de fazer nos tempos livres?

Gosto de cozinhar e cuidar da minha casa.

É casada?

Não, sou divorciada.

Tem filhos?

Sim, dois. O mais velho tem 28 anos e o mais novo vai fazer 21.

Foi fácil criá-los tendo em conta a natureza do seu trabalho?

Não foi fácil nem difícil. Gosto de comunicar e exijo humildade. Mas contei e ainda conto com a ajuda do pai. Apesar de estarmos separados continuamos a unir os nossos esforços em prol da educação dos nossos filhos. Não os disputamos. Conseguimos, ambos, dizer a mesma coisa à mesma pessoa, nunca coisas diferentes.

Passatempos

Ler, dançar e ir à praia. Uma coisa que eu prezo é conviver com os meus amigos e familiares.

Qualidade

Amor ao próximo.

Defeito

Sou muito perfeccionista. Gosto de ver as coisas certinhas. Acho que se deve ao facto de eu ter sido assistente de bordo. No avião tudo deve estar no seu devido lugar.

O que é que odeia?

O racismo e a mentira.

Uma figura

Joaquim Chissano. Ele marcou uma época das nossas vidas, e a mulher moçambicana. Admiro todas as mulheres, quer sejam do campo, da cidade, pobres, ricas, …

Anúncios

5 comentários »

  1. Gostei muito de ler.

    Comentar por Paulo Pires Teixeira — 19/03/2012 @ 11:59

  2. Grande SENHORA,
    Lembro-me muito bem de ter voado com esta SENHORA,

    Comentar por A, Umbelina — 19/03/2012 @ 12:02

  3. Parabéns à Lídia. Eu também nasci no bairro da Malhangalene.

    Comentar por xico — 19/03/2012 @ 13:57

  4. Gostei de ler a entrevista de Lidia Tembe e compreendo bem as suas angústias, medos, momentos menos bons e tempos de triunfo. É uma vida contada na 1ª pessoa que nos faz lembrar a nossa em muitos momentos da vida. A história do Homem repete-se diariamente e em todas as latitudes. Racismo sempre houve, branco ou preto ou de outra cor qualquer. Racismo continuará a haver em Moçambique, na China, no Brasil ou em outro qualquer país deste planeta enquanto o Homem não conseguir perceber que somos todos iguais e somos todos diferentes. É um problema cultural que não se apaga com um clic de ilusionista… Por isso temos que continuar a saber aceitar os nossos “vizinhos” tal como eles são e não como gostaríamos que eles fossem.
    Na DETA-Linhas Aéreas de Moçambique, como agora na LAM-Linhas Aéreas de Moçambique, nada se passou ou passa de forma diferente destes contextos. Mas são sempre contextos de minorias e não de generalidades. O racismo, como diria Samora, tem diversas caras. Há muitas “quizumbas” no meio das nossas sociedades, e por isso o racismo hoje está mais virado para o poder e prestígio económico e pseudo-social.
    Na DETA onde trabalhei 18 anos (1964/1982) conheci, em todos os níveis desde o modesto servente até ao mais alto nível da Direcção, gente de todas as cores e credos que mereciam dos seus colegas respeito e admiração quer antes quer após a independência.Também no pessoal navegante e de terra havia o mesmo trato. Basta verificar hoje e passados tantos anos, os encontros, os convívios, as reuniões, as lembranças e as saudades que ficaram entre ex-colegas, sem importar a sua origem ou extrato social. É verdade, isso sim, que no seio de quase dois mil empregados que a DETA tinha na altura, houvesse personalidades medianas na sua conduta social que marcaram, isso sim, a nossa colega Lidia Tembe. Mas isso são os tais “ossos do ofício” a que todos estamos sujeitos.
    Um abraço amigo para ela. E.Vasconcelos

    Comentar por e Vasconcelos — 19/03/2012 @ 22:44

  5. Ola,

    Gostei de ler a entrevista de Lídia Tembe, julgo ser mulher exemplar, pois independentemente de ter muitos obstáculos a sua frente, lutaste até conseguir alcançar o seu objectivo, que sirva de exemplo para todos e especialmente para as mulheres que noite e dia trabalha para a sua afirmação… parabéns pela coragem e vontade de trabalhar…

    Comentar por Lídia Tembe — 30/04/2012 @ 07:38


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: