THE DELAGOA BAY WORLD

29/10/2017

ALEXANDRE QUINTANILHA E LOURENÇO MARQUES

Filed under: Alexandre Quintanilha - cientista — ABM @ 13:16

Excerto de uma entrevista do cientista Alexandre Quintanilha (física teórica, temática em que se doutorou), que nasceu e cresceu em Lourenço Marques, feita por Luis Silvestre e publicada na revista Sábado em 6 de Agosto de 2015.

Alexandre Quintanilha aborda a sua infância e adloescência Coca-Cola.

 

(….)

Eu fui um mau aluno durante o liceu. Até ao equivalente ao actual 9º ano, eu só passava com nota 10. E no 10º ano tive um professor que fez um coisa extraordinária…

Foi o professor de Biologia, certo?

Sim. Era o professor Lacerda. Começou a falar sobre a fauna e a flora em África onde nós vivíamos. Até então só falávamos de Portugal continental, de macieiras, pereiras e cerejeiras, que eu nunca tinha visto. Eram árvores que não se viam em Moçambique. Havia papaeiras, mangueiras, bananeiras. Ele fez uma visita de estudo a um mangal, onde havia seres fantásticos, como peixes com pulmões e guelras. Foi nessa altura que a minha curiosidade deu um salto. E ao lado havia as barreiras de coral, na ilha da Inhaca.

Que idade tinha?

Tinha 14 ou 15 anos. Mas também tive um professor de física, que eu não percebi nada do que ele dizia.

Se a Física era a disciplina onde tinha mais dificuldade, porque foi essa a área que decidiu estudar na Universidade?

Não sei explicar, mas suspeito que era por ser a área onde havia mais mistério. E no século XX era a área onde havia mais avanços. No final do século XX foi a Biologia que se tornou mais fascinante para mim. Basta pensar que 99% do material genético do corpo humano, não é humano. Trata-se de vírus, fungos e outros microoganismos que transportamos e vivem em simbiose connosco. Somos um ecossistema ambulante.

O seu pai, Aurélio Quintanilha, era biólogo e foi um opositor de Salazar. Esta sua nova ligação à política, como cabeça de lista pelo PS no Porto, teve raízes na sua infância?

Eu ainda não sei se sou político. Aceitei um desafio de integrar um grupo com um pensamento e para os próximos quatro anos que faz muito mais sentido do que o que está a ser feito hoje. Eu tenho tido uma intervenção na política, na questão do aborto, na toxicodependência, na liberdade de cada um poder realizar-se da forma que escolhe foi algo que eu aprendi tanto do meu pai como da minha mãe.

A sua mãe era alemã…

Sim ela passou a sua juventude em Berlim nos anos 20. Nessa época era a capital do mundo, a nível científico e cultural. A minha mãe não teve educação universitária, trabalhava num grande armazém de roupa. Chamava-se Ludovica mas todos a conheciam por Luci. Foi lá que o meu pai a conheceu. Quando se mudaram para Moçambique, a minha mãe era a única mulher que ia ao café sozinha. Quando tinha cinco anos de idade quase ia morrendo porque queria saber como funcionavam as fichas eléctricas.

Esse espírito progressista foi influência dos seus pais?

Provavelmente. O meu pai foi um anarco-sindicalista no início do século XX. Foi perseguido por Salazar, mas também foi perseguido na época da I Guerra Mundial, ele era um pacifista e estava contra a guerra, teve de fugir para a Galiza e chegou mesmo a ser preso. Depois, na II Guerra Mundial alistou-se como voluntário no exército francês, quando já tinha cerca de 50 anos. Acabou por não combater porque a França assinou o armistício. Vivia em Paris, estava a trabalhar no Jardim Botânico da cidade. Ele acreditava que era preciso combater o nazismo.

Ele era professor catedrático em Coimbra e foi e expulso por Salazar, certo?

Sim, foi posto na rua por Salazar com mais nove colegas e o governo inglês soube disso e deu-lhe um bolsa de estudos para ir para onde quisesse. O meu pai escolheu Paris porque tinha lá três irmãos, todos casados com mulheres de nacionalidades diferentes. Só conheci um dos meus tios quando fui a Paris com 16 anos. Eu nasci muito tarde.

O seu pai já tinha filhos do primeiro casamento, não é?

Eu tinha duas meias-irmãs, quando nasci uma tinha 23 anos e outra tinha 20, e até já tinham filhos.

Teve contacto com essas meias-irmãs?

Muito pouco. Elas viviam em Lisboa e eu estava em Moçambique. Quando se separou da primeira mulher, o meu pai foi para Berlim e foi ele que ficou com a custódia das filhas. Mas depois elas ficaram em Portugal e tivemos pouco contacto.

A família do seu pai era do ramo Borges Coelho, muito tradicional e influente nos Açores. Ele era um rebelde?

Era a ovelha negra da família. O Vitorino Nemésio era muito amigo do meu pai. Houve amigos do meu pai por quem tive grande admiração. Adorava o sotaque do Nemésio, ficava horas a ouvi-lo, achava o sotaque açoreano lindíssimo. Outro foi o Flávio Resende, o primeiro director do Instituto Gulbenkian de Ciência. Quando tinha quatro anos, lembro-me da primeira mulher catedrática na Universidade de Amesterdão, de microbiologia, chamava-se Westerdick, era enorme e fumava cachimbo. Quando chegou a Lourenço Marques foi convidada para uma festa e fez uma cena extraordinária, toureou o presidente da câmara porque ele estava a defender as touradas. Na época era uma ousadia. Esta figura rebelde também faz parte do meu imaginário.

Na sua infância teve várias figuras marcantes?

Sobretudo o meu pai e a minha mãe. Em Moçambique, a minha mãe foi assistente técnica do meu pai.

Que outras memórias tem de África?

Todas as minhas férias eram passadas em Joanesburgo e na Cidade do Cabo. Tinha uma fauna e uma fauna espantosa, uma geografia fantástica.

Como era a vida em Lourenço Marques?

Durante a semana ia à escola e aos fins-de-semana íamos para o Clube Naval, onde eu ia nadar. Também jogava ténis.

Mas diz que nunca gostou muito de desporto, certo?

É verdade. Foi ver o Eusébio uma vez porque estava toda a gente a falar nele nessa altura, mas foi o único jogo de futebol que a que assisti em toda a minha vida. Cheguei a casa e disse ao meu pai que nem o Eusébio me conseguiu entusiasmar pelo futebol, acho que não vale a pena insistir. Mas gosto de ver basquetebol, se calhar por causa do Richard [Zimler], ele foi jogador na Universidade de Duke e ele fazia parte da equipa. Gosto de ténis feminino.

Fui muito bom nadador, em sprint ganhava a toda a gente no Liceu, mas não tinha muita resistência. Porquê ténis feminino?

Pela trajectória que teve ao longo dos anos. Foi uma coisa que ganhou presença sobretudo com a Martina Navratilova, a grande mulher que colocou este desporto na moda. Ela era muito generosa até com as adversárias. Cheguei a ter curiosidade pelo hóquei em patins. Além disso, fui muito bom nadador, em sprint ganhava a toda a gente no Liceu, mas não tinha muita resistência. Mas não pertenço a clubes, nunca gostei de rótulos.

Disse que era mau aluno na escola. Como reagiam os seus pais?

Nunca fizeram muita pressão. Quando chegou o professor Lacerda tive nota 10 no primeiro semestre, no segundo tive 14 e no último tive 19. O meu pai foi à escola ver se era engano, pensava que tinham colocado o algarismo “1” a mais [risos]. Mas os meus pais nunca fizeram pressão para eu ser o que quer que seja.

Que profissão sonhava vir a ter?

Percebi que a Biologia era fácil para mim, adorava Matemática e Geometria Descritiva. A Física era difícil. Quando fiz o exame de Geometria Descritiva no final do Liceu fui o único que tive nota 20 em todo o então Império português. Quando estava para entrar na faculdade pensei num curso que misturasse tudo isso e escolhi engenharia civil.

Foi estudar para Joanesburgo. Porquê?

Fui eu que escolhi. Falava bem inglês, a Universidade de Wits era a única que não tinha o Apartheid, tinha prestígio, já conhecia a cidade e ficava perto dos meus pais. Ainda fiz o primeiro ano de engenharia, mas percebi que o curso só tinha homens, nem uma única mulher. Eram tipos que jogavam rugby, bebiam cerveja, enfim… era um meio onde eu me sentia um extraterrestre. Pensei que não queria estar ali e decidi mudar para Física Teórica, porque tinha muita matemática e eu gostava muito. E era um curso que tinha 16 alunos com metade de rapazes e metade raparigas, com uma grande variedade étnica, que me agradava muito. Tinha ingleses, judeus, orientais e outro português além de mim… a minha primeira paixão foi uma rapariga oriental, chamava-se Shireen.

Foi a sua primeira namorada?

Sim. Eu apaixonava-me muito por caras. A família dela opôs-se ao nosso relacionamento, eram contra a mistura com europeus. Mais tarde, mandaram-na para Hong Kong para a separarem de mim. Os chineses na África do Sul, os chineses eram considerados “não brancos”. As minhas primeiras grandes paixões foram três com mulheres e três com homens.

O preconceito da família dela, afetou-o?

Sim. Senti o preconceito na pele. Ela também estava a estudar Física. Eu tinha um grupo de amigos muito chegado, era ela mais quatro rapazes. Tive paixões por três deles. A minha família era muito aberta e não me impunha barreiras. Foi um período em que eu estava a descobrir o que estava a sentir. Tive uma intimidade física e intelectual enorme com estas três pessoas, muito profunda. Todos vieram passar férias comigo a Lourenço Marques e foram muito bem recebidos pelos meus pais.

Tinha essa abertura em casa?

A minha mãe dizia que o mais importante era sermos felizes. Era muito afectuosa. Curioso, ela era uma alemã com espírito latino. O meu pai era mais reservado, um latino com espírito germânico, muito rigoroso e organizado. Lembro-me que ele não queria que eu passasse o sabão pela água, porque o diluía. Era muito poupado. Tinha horários rígidos e fazia ginástica todas as manhãs, até aos 90 anos. Era muito cuidadoso com a comida e o trabalho.

Apesar de ter duas meias-irmãs mais velhas, foi criado quase como filho único?

Totalmente. Mas isso não me afectou nada. Em Moçambique, as pessoas viviam muito fora de casa. Uma das coisas que me recordo é que no 3ºano do Liceu vim estudar para Lisboa e odiei. Fiquei em casa da minha tia, era muito frio e senti que estava num espaço fechado. Estudei no Liceu Pedro Nunes, gostei de alguns professores, mas só me queria ir embora por causa do frio que sentia em Portugal.

Como é que um mau aluno se transforma num cientista reconhecido?

Eu também não gostava muito de química. Mas gostava muito de outras disciplinas, como matemática e biologia.

(…)

 

A totalidade da excelente entrevista pode ser lida aqui.

Anúncios

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: