THE DELAGOA BAY WORLD

16/09/2019

A BAIXA DE LOURENÇO MARQUES EM 1933

Imagem retocada.

 

A Baixa de Lourenço Marques em 1933, vista de Poente para Nascente. Em frente, o Bazar, ainda com um belo jardim ao lado. À sua direita a Avenida da República (hoje 25 de Setembro). Ao fundo, a Ponta Vermelha.

15/09/2019

A RUA ARAÚJO E O TEATRO VARIETÁ EM LOURENÇO MARQUES, 1927

Imagem retocada, a partir de uma das imagens do Volume 1 dos álbuns de José dos Santos Rufino.

O Varietá foi uma das primeiras casas de òpera em África (depois de Cairo e de, penso….Port Elizabeth), existiu entre cerca de 1910 e 1968, quando foi demolido para dar lugar aos mais modernos, comerciais e pirosos Estúdio 222 e Cinema Dicca. Após a mudança de regime, os imóveis foram confiscados pela Frelimo e actualmente parece que são a propriedade apetitosa do carismático empresário-ex-político e artista Gilberto Mendes.

Coloquei esta imagem para memorializar o facto de que, cem anos depois, segundo as notícias, ontem, 14 de Setembro de 2019, estreou em Maputo a primeira….ópera moçambicana. Sobre a qual não sei nada.

 

O Teatro Varietá na entrada da Rua Araújo, 1927, logo a seguir à Praça 7 de Março (hoje 25 de Junho) que não se vê bem aqui. Mas vê-se, topo direita, o telhado do Capitania Building, que existiu no extremo da Praça, ao lado das ruínas do Presídio,. No topo do lado esquerdo, vê-se a Ponta Vermelha e, logo abaixo, o telhado do Bank of Africa, que ficava na rua imediatamente a Norte das ruínas do Presídio.

09/07/2019

VISTA AÉREA DE LOURENÇO MARQUES, FINAL DA DÉCADA DE 1950

Imagem retocada.

O que se pode ver nesta imagem:

  1. Na Catembe ainda havia pouca construção;
  2. A FACIM ainda não existia e a zona do Aterro de Maxaquene ainda estava praticamente intocada e coberta de eucaliptal;
  3. Ainda havia poucos prédios na Maxaquene e na Polana;
  4. O Hotel Cardoso ainda tinha apenas um andar;
  5. À direita, já se vêm os campos de futebol do Sporting (1933) e do Desportivo (1949)
  6. Mais importante, as Barreiras da Ponta Vermelha e da Maxaquene ainda eram muito maiores e cobertas de mato denso. Isso seria radicalmente alterado pelos efeitos do Ciclone Claude (Janeiro de 1966) e das alterações levadas a cabo na sua sequência. O Parque Silva Pereira, em frente ao Liceu Salazar (1952), por exemplo, será significativamente reduzido e quer à sua frente, quer na Ponta Vermelha, em meados dos anos 60, serão feitos aterros para se segurar as barreiras e abrirem novas vias que ligariam a parte Alta da Cidade (Polana e Ponta Vermelha) com a Baixa. De facto em 1974 seria concluída a actual via (que incluiu a construção de um viaduto) ligava a Estrada Marginal na zona do Clube de Pesca com a Ponta Vermelha. Já a via que ligaria a Praça das Descobertas (em frente ao Museu Álvaro de Castro), responsável pela significativa redução do Parque Silva Pereira, e pela destruição do Miradouro que ali havia (ver em baixo), nunca foi construída até esta data. Mas os aterros feitos ali ainda se podem detectar.

 

Vista da Cidade, segunda metade da década de 1950.

 

O Miradouro do Parque Silva Pereira, em frente ao Liceu Salazar (actual Josina Machel) na primeira metade da década de 1960 mas antes da devastação causada pelo Ciclone Claude (início de Janeiro de 1966), em que desapareceria e o actual jardim é cerca de metado do antigo parque. Em segundo plano, o estádio coberto do Sporting de Lourenço Marques uma grande obra do clube na sequência da ida de Eusébio para…o Benfica de Lisboa.

04/06/2019

O FAROL DA PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉC. XX

Imagens retocadas.

 

O Farol da Ponta Vermelha em Lourenço Marques, primeira fase, início do Séc. XX. Imagem tirada pelo estúdio de Joseph e Maurice Lazarus.

 

O farol mais tarde, aumentado, antes de ser demolido.

À esquerda, ao fundo o farol, Agosto de 1907 (cerimónia com o Príncipe D Luis Filipe na Ponta Vermelha).

30/05/2019

LOURENÇO MARQUES E A DELAGOA BAY DEVELOPMENT CORPORATION, LTD,1905

 

O estudo de como Lourenço Marques evoluiu, especialmente da óptica de quem realmente tomou as decisões e meteu lá o dinheiro ainda está um pouco por esclarecer, uma vez que a maior parte dos académicos que li ou ainda estão a bater nas teclas da libertação e do racismo ou de como o colonialismo era isto e aquilo, ou de como os portugueses eram isto ou aquilo. Claro que não deixa de ser interessante e relevante como foi construir Roma e Joanesburgo – e se calhar é tudo verdade- mas haja santa paciência: há mais que isso para analisar.

Veja-se por exemplo, como realmente foi desenvolvida e financiada parte da infra-estrutura de Lourenço Marques: com capital britânico e sul-africano.

Em baixo, o anúncio, publicado no jornal londrino The Standard, de 10 de Março de 1905, de uma emissão pública de dívida, no valor de 180 mil libras, para financiar os investimentos que a The Delagoa Bay Development Corporation, Limited estava a fazer em Lourenço Marques, nomeadamente no sistema de fornecimento de água à Cidade, do qual a empresa era a concessionária exclusiva, no sistema de transporte público de eléctricos, na compra da companhia local de telefones, de alguns terrenos e ainda na edificação do Capitania Building. Anos mais tarde (1910) a empresa adquiriria ainda a concessionária do fornecimento de electricidade (a Compagnie Genérale d’Electricité de Lourenço Marques).

Duas curiosidades: as presenças de Baltazar Freire Cabral no Board da Delagoa Bay Development Corporation Ltd, e de William Pott no Board da Henderson’s Transvaal Estates Ltd. Eles deviam ser a “Maputo connection” para estas empresas, um pouco como se faz hoje em Moçambique com os notáveis da Frelimo.

Se o Exmo. Leitor ler a língua inglesa, os textos em baixo são uma delícia der ler.

Em segundo plano, o Capitania Building, pertencente à Delagoa Bay Development Corporation, Limited e sua sede em Lourenço Marques. Em primeiro plano, a futura Praça 7 de Março, ainda um pardieiro, a ser aterrada para ali se fazer um jardim, 1903. Esta imagem surge num estudo de Zamparoni para ilustrar (segundo ele) as condições de exploração e mau tratos infligidos aos indígenas, nomeadamente que não usavam camisa no trabalho. Ao fundo, a Ponta Vermelha.

Não menos interessante era perceber a quem pertencia a The Delagoa Bay Development Corporation: ao conglomerado anglo-sul africano Henderson’s Transvaal Estates, Limited. Para ver quem era esta entidade, ler em baixo.

A

SOBRE A HENDERSON’S TRANSVAAL ESTATES

Cito a referência contida na obra de Walter H. Hills, The Anglo-African Who’s Who and Biographical Sketch-Book, página 47:

The enormous interests and holdings of Henderson’s Transvaal Estates, Limited, in the Transvaal and other parts of South Africa, place it in the front rank of land and mining corporations in that country. Henderson’s Transvaal Estates, besides carrying  on operations on some of its own properties in various parts of the Transvaal for the  purpose of proving the existence of and developing gold or other ore bodies, controls  several companies, and, generally speaking, as far as present conditions will allow, it is doing its share to advance the material interests of the country.

The capital of the company is 2,000,000 £, and the directors include Messrs. J. C. A. Henderson (chairman),
W. Bryson Butler (general manager), Alfred Gaussen, E. J. Halsey, Geo. Lawson Johnston, and Roger C. Richards. The local committee at Johannesburg is composed of Messrs. T. W. G. Moir, Emrys Evans, C.M.G., Samuel Thomson, G. W. Cooke, and William Pott.

The companies under the control of Henderson’s Transvaal Estates are : Consolidated South Rand Mines Deep, Limited ; Daggafontein Gold Mining Co., Limited ; Tyne Valley Colliery, Limited ; and the Delagoa Bay Development Corporation, Limited.

26/09/2018

OS ROCHEDOS DA PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES

Filed under: LM Ponta Vermelha, Rochedos da Ponta Vermelha — ABM @ 10:41

 

Antes de se fazer a Estrada Marginal e se começarem a fazer as dragagens na Baía do Espírito Santo, existia uma linda praia em redor da Ponta Vermelha, na ponta da qual se podiam ver estes rochedos, também de pedra vermelha vivo.

18/09/2018

A FORTALEZA DE LOURENÇO MARQUES, FINAL DO SÉC. XIX

 

A fortaleza de Nossa Senhora da Conceição em Lourenço Marques,, final do Séc.XIX. Ao fundo, a Ponta Vermelha.

16/04/2018

A CASA DO CONSELHO DO GOVERNO NA PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES

Postal, retocado.

X

22/03/2018

A PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 60

Filed under: LM Ponta Vermelha — ABM @ 12:32

 

Parte da Ponta Vermelha. Ao fundo, parte do que eu quando era criança visitava e que chamava do Jardim do Paraíso. Agora os residentes da Cidade chamam-lhe Jardim dos Namorados e em vez de Jardim tem uma série de edificações que basicamente “povoaram” o jardim.

30/10/2017

A PRAIA DA POLANA EM LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉCULO XX

A Praia da Polana, antes da Estrada Marginal, do Clube Naval, do Salão de Chá, da Estrada do Caracol. Havia uns barracões e o Pontão do Almeida (sempre chamado em inglês, Almeida Pier). Ao fundo a Ponta Vermelha.

Penso que, nesta fotografia, se observa o início da construção da Estrada do Caracol, que durante vários anos era o único acesso a este local.

 

Praia da Polana.

18/09/2017

DOMINGO NA PRAIA DA POLANA EM LOURENÇO MARQUES, 1927

Detalhe de imagem de um dos álbuns de Santos Rufino, retocada.

 

Pessoas na Praia da Polana em Lourenço Marques, cerca de 1927. Atrás, o Pavilhão de Chá da Polana. Ao fundo, o Almeida Pier, o Clube Naval de Lourenço Marques e a Ponta Vermelha.

 

 

11/09/2017

A PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES

Não terão sido os portugueses a baptizar o promontório que agora de chama Ponta Vermelha, ou, para os anglófonos, Reuben Point. Este foi um termo que se tornou comum para todos os navegadores que rumavam a então Baía de Lourenço Marques – ou Delagoa Bay, o nome deste blogue. Porquê? aqui se explica, começando com um visão geral da morfologia do terreno e depois algumas fotografias que seleccionei.

Um fotografia de satélite de Maputo, recente.

A Baía que rodeia a Sul a actual Cidade de Maputo resulta de uma peculiar geologia e morfologia e ainda a circunstância de ali desaguarem vários rios. Se a maioria dos terrenos ali em redor são quase areia da praia, na zona em redor da actual cidade existe uma considerável plataforma de terra vermelha que se eleva suavemente a partir de Noroeste – da zona de Marracuene e que segue, do outro lado da Baía, durante mais alguns quilómetros, e que se “parte” quase súbita e abruptamente, de um lado a Ponta Vermelha, e do lado da Catembe, a Ponta Mahone. Pelo meio, nota-se o impacto dos rios que vêm do lado da Matola, e que escavaram a parte Poente da Baía e, a Norte (como se pode ver na foto) o enorme impacto da foz do Rio Incomáti, que desagua à entrada da actual Baía, descarregando os rios quantidades enormes de areia e detritos, que deverão estar na origem das Xefinas e da Inhaca.

No meio deste ecosistema essencialmente determinado pelo mar, pelos ventos, pela água dos rios e da erosão, está a Ponta Vermelha.

Essencialmente, a Ponta Vermelha resistiu de forma mais pronunciada às pressões ambientais circundantes porque, numa parte das camadas que constituem os seus solos, havia pedra vermelha.

Os Rochedos da Ponta Vermelha, final do Século XIX.

Essa pedra vermelha contrariava significativamente a erosão constante exercida pelos elementos, que lentamente iam “comendo” as areias que compunham as encostas da Ponta Vermelha (e da Ponta Mahone), que caíam para as praias em frente.

Quando a Baía começou a ser habitada, e principalmente, visitada por europeus, em navios, durante o Século XIX, o que agora é a Ponta Vermelha era basicamente uma zona pouco habitada e de densa floresta. Os europeus só começaram a habitá-la no final do Século XIX, quando se criaram acessos por estrada a partir da pequena Lourenço Marques, ali a uns 2-3 quilómetros, e mesmo assim só depois de ali se ter criado um sistema de abastecimento de água, que não havia.

Para quem conheceu Lourenço Marques e agora conhece Maputo, devido às enormes alterações feitas nos terrenos da Ponta Vermelha e em redor da Ponta Vermelha, não é evidente como aquilo era no final do Século XIX.

Naquela altura, a plataforma que constitui a Ponta Vermelha e a Maxaquene era muito mais avançada em direcção ao mar do que se pode depreender hoje, e caía abruptamente em direcção à praia em baixo, nalgumas partes em contínua erosão, com as terras brancas e vermelhas à vista (especialmente nas duas direcções a partir da Ponta Vermelha) enquanto que noutros locais essas encostas estavam cobertas por vegetação.

Desenho ilustrando a Ponta Vermelha, vista de Lourenço Marques, 1891. Este sketch sugere claramente que a Ponta Vermelha naquela altura “caía” quase abruptamente para o mar. Na zona da Ponta Vermelha propriamente dita não havia praia: haviam rochedos, como se pode ver na imagem em cima. Essas rochas ajudavam a proteger o promontório contra os elementos. Uma curiosidade deste desenho é que é a única ilustração que conheço mostrando o primeiro farol da Ponta Vermelha, que era uma espécie de tripé de metal ali edificado e que existiu entre 1877 e 1892, quando foi substituído por um pequeno farol de pedra e cal.

 

Uma fotografia de J&M Lazarus, final do Século XIX, mostrando a Ponta Vermelha a partir da Baixa da então pequena Lourenço Marques. Foto tirada de Poente para Nascente. Note-se a forma íngreme como o promontório cai para o mar.

 

Foto do início do Século XX, mostrando a encosta da Maxaquene, que termina na Ponta Vermelha. Esta enseada seria aterrada vinte anos depois e seria onde mais tarde se faria, por exemplo, a FACIM. Mas importante é observar as encostas, que são muito mais avançadas do que hoje, em rápida erosão, mostrando as areias soltas  e alguma vegetação. Se deste lado e do outro lado da Ponta Vermelha haviam praias com areia, na Ponta Vermelha em si havia rochedos.

 

Uma imagem recente da Ponta Vermelha. Note-se como as encostas foram alisadas e cobertas com vegetação, para além de se ter edificado a Estrada Marginal, por cima dos Rochedos da Ponta Vermelha e da Praia da Polana, recorrendo-se a muros de suporte e esquemas de irrigação de águas pluviais.

 

Este postal, do final do Século XIX ajuda parcialmente a explicar o nome da Ponta Vermelha. Digo parcialmente porque estes postais foram pintados à mão e o ilustrador às vezes pintava as coisas de forma digamos que criativa. O que os registos da altura indicam é que, quando se navegava para a Baía de Lourenço Marques quer vindo do Norte, quer vindo do Sul, ao longo da costa, a única coisa que se podia ver dos navios era uma longa, constante linha baixa e consistente de verde escuro, da vegetação. Mas quando se entrava na Baía, onde a pequena Cidade de Lourenço Marques se “escondia” por detrás do promontório da Ponta Vermelha, a primeira coisa que se notava era a alta encosta a Nascente (que se vê nesta imagem) com as suas areias amareladas e vermelhas, a cair acentuadamente para a praia. Daí o nome “Ponta Vermelha”.

 

A Ponta Vermelha vista do lado Nascente, onde ficava a Praia da Polana, primeiros anos do Século XX.  Mais uma vez, repare-se na forma abrupta como a encosta cai para a praia.

 

Mais uma imagem da Ponta Vermelha vista da Praia da Polana, aqui cerca de 1920. A encosta ainda a cair de forma abrupta para a praia e sem vegetação.

 

Nesta imagem, de um postal de cerca de 1920, já se nota que se fizeram alguns trabalhos de movimentos de terras (um pequeno acesso à Polana, à direita, e que ainda existe) provavelmente para se encher a plataforma onde se fez o Clube Naval e mais tarde a Estrada Marginal e o Pavilhão de Chá. Mais uma vez, o ilustrador pintou tudo de verde, o que é incorrecto.

 

Nesta imagem de um dos álbuns de Santos Rufino, tirada em meados dos anos 20 na Ponta Vermelho, nota-se que se fizeram os acessos ligando a Baixa à Polana aterrando as praias originais e sobre os rochedos na Ponta Vermelha, indo buscar as terras à encosta.

 

A Ponta Vermelha vista do Hotel Polana em meados da década de 1920. Foto de um dos álbuns de Santos Rufino. 

 

Este é o aspecto da Estrada Marginal junto à Ponta Vermelha nos anos 1960. À semelhança dos Aterros da Maxaquene, fez-se aqui uma muralha de pedra que apoia a plataforma onde se fez a estrada. Arborizaram-se entretanto as encostas menos íngremes, para se segurarem as terras. Mesmo assim, quando havia temporais, era frequente haver desprendimentos de terra, que inundavam a estrada e caíam ao mar.

 

A encosta da Polana, logo a seguir à Ponta Vermelha, nos anos 70. Devido à construção do Clube Naval, do Pavilhão de Chá e da Praia da Polana, por um lado, e do outro lado a construção da Avenida dos Duques de Connaught (hoje Fridrich Engels), este permanece um dos grandes “erros” urbanos da Cidade (o outro é o centro da Baixa que quase todos os anos inunda). Pois para além de se ter mantido um ângulo de descida demasiadamente íngreme, a constante erosão e, depois da Indepedência, a insana prática de corte das árvores para lenha por parte das pessoas, fez com que esta secção da Polana esteja em perigo de derrocada. Basta um ciclone como o Claude em 1966 e corre-se o risco de desmoronamento da encosta.

 

No caso da Ponta Vermelha propriamente dita, ainda nos anos 20, para contrariar o perigo de desmoronamento da encosta e lidar com a sua enorme inclinação, foram construídas – com pedra vermelha obtida no próprio local – grandes muralhas que se podem ver parcialmente nesta imagem recente, que se encontram escondidas por detrás de conjuntos de árvores que foram plantadas em pátios, tendo essa área sido convertida num grande jardim, que nos anos 60 eu chamava Jardim do Paraíso. Hoje os locais chamam-lhe Jardim dos Namorados. Em frente à encosta, a plataforma, construída nos anos 20, onde assenta a Estrada Marginal.

 

Esta imagem recente ilustra a Estrada Marginal logo a seguir à Ponta Vermelha e até ao Clube Naval.  E mostra algumas curiosidades. A primeira é à esquerda, inserido na muralha, ainda um dos “pedregulhos” enormes de pedra vermelha que restam dos Rochedos da Ponta Vermelha, e que ali ficou. A segunda é o mau estado da muralha, apesar de sucessivas obras de manutenção. Em cem anos, o nível médio do mar subiu cerca de 30 cms e em breve toda a plataforma terá que ser aumentada em cerca de 1-2 metros, para não ser invadida pelo mar, especialmente em dias de mau tempo. A terceira é a falta de areia, que deixou de cair das encostas da Ponta Vermelha e da Polana, deixou de vir dos rios e passou a ser dragada regularmente da Baía, para permitir aos navios acederem ao porto da Cidade. O efeito dessa alteração é que cada vez menos existe ali uma barreira de areia para atenuar as ondas das marés, que crescentemente são mais agressivas.

 

 

 

02/10/2013

O CARACOL, A ESTRADA E A PRAIA DA POLANA EM LOURENÇO MARQUES, CERCA DE 1910

Postal gentilmente enviado pelo Nuno Pires, que era da sua avó, restaurado.

 

Vista da Estrada do Caracol, da Praia da Polana e das barreiras de Lourenço Marques, vendo-se ao fundo a Ponta Vermelha, cerca de 1910.

Vista da Estrada do Caracol, da Praia da Polana e das barreiras de Lourenço Marques, vendo-se ao fundo a Ponta Vermelha, cerca de 1910. Pouco tempo depois, edificaram-se aqui o Clube Naval e o Pavilhão de Chá da Polana. Décadas mais tarde, a Estrada Marginal.

31/08/2012

A PRAIA DA POLANA JUNTO AO PAVILHÃO DE CHÁ E O CLUBE NAVAL DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1930

Foto restaurada.

Uma perspectiva da Praia da Polana junto ao Pavilhão de Chá, em Lourenço Marques, anos 1930. Ao fundo o Clube Naval e a Ponta Vermelha. No meio, a rampa para a plataforma que havia no meio, para as pessoas passearem. Para ver a foto em tamanho maior, prima na imagem com o rato do seu computador.

A MARGINAL DE LOURENÇO MARQUES JUNTO AO CLUBE NAVAL E À PRAIA DA POLANA, ANOS 1920

 

 

A antiga marginal de Lourenço Marques entre o Pavilhão de Chá da Polana e o Clube Naval. Ao fundo, a colina da Ponta Vermelha. Atrás de quem tirou a fotografia fica a antiga Praia da Polana.

06/08/2012

A BAÍA DE LOURENÇO MARQUES JUNTO À CIDADE, INÍCIO DO SÉC. XX

A Baía vista do lado poente. À esquerda da imagem pode-se ver a muralha sul do velho presídio de Lourenço Marques, onde hoje está edificada a “fortaleza”. Ao fundo, a Ponta Vermelha.

07/07/2012

A BAIA DE LOURENÇO MARQUES ANTES DOS ATERROS DOS ANOS 1910

Filed under: LM Baía, LM Baixa, LM Ponta Vermelha — ABM @ 23:49

Nesta imagem, de um álbum de MacMurdo de cerca de 1888,  pode-se ver ao fundo a então pequena cidade de Lourenço Marques. As colinas à direita desapareceram para as suas terras serem utilizadas no aterro da lagoa em primeiro plano, que é hoje a extensão de terrenos entre a Fortaleza e o Clube de Pesca (actual Escola Náutica de Maputo). A fotografia foi tirada de Nascente para Poente, das colinas da Ponta Vermelha.

 

A Baía como era há 130 anos, junto do que é hoje a baixa de Maputo. A velha cidade de Lourenço Marques vê-se ao fundo.

A BAÍA DE LOURENÇO MARQUES VISTA DA PONTA VERMELHA, 1950

Filed under: LM Baía, LM Ponta Vermelha — ABM @ 16:00

Fotografia da colecção de Fernando Morgado, que era do seu pai.

 

A Baía do Espírito Santo (agora de Maputo), vista do topo da Ponta Vermelha, 1950.

05/06/2012

A PRAIA DA POLANA E O PAVILHÃO DE CHÁ DA POLANA EM LOURENÇO MARQUES, CERCA DE 1935

Fotografia da colecção de Paulo Azevedo, gentimente cedida e ligeiramente restaurada.

Um comentário: esta fotografia, que aqui está com menos que um quarto da resolução do original, faz parte de um raro conjunto de cerca de 70 fotografias de Lourenço Marques desta época na posse do Paulo e que ele está a pensar editar. São de altíssima qualidade, basta ver esta para perceber. Espero sinceramente que o Paulo encontre forma de editar o conjunto (eu sugeri um livro de fotografias para a gente comprar no Natal) e se tal acontecer não deixarei de informar aqui.

Para ver esta fotografia em….um quarto de todo o seu esplendor, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

A Praia da Polana, o Pavilhão de Chá da Polana e à direita o Clube Naval e a colina da Ponta Vermelha, cerca de 1935. Reparem que na altura ainda não existia a Estrada Marginal. Um incrível registo da Colecção de Paulo Azevedo que tem lugar de honra neste blogue.

22/05/2012

LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉCULO XX

Filed under: LM Baixa, LM FACIM, LM Ponta Vermelha — ABM @ 10:10

A lagoa entre a então Lourenço Marques e a Ponta Vermelha, ao fundo. Uns anos depois, a lagoa foi aterrada a partir das barreiras atrás.

10/05/2012

A PRAIA DO ALBASINI EM LOURENÇO MARQUES, FIM DO SÉCULO XIX

A praia do Albasini ficava situada atrás e à direita do velho Presídio de Lourenço Marques (hoje a “fortaleza” de Maputo), mais ou menos logo a seguir onde hoje fica o Maputo Shopping Centre do Sr. Bashir. Ao fundo vê-se a colina da Ponta Vermelha.

20/03/2012

SALA DE JANTAR DOS OFICIAIS NA PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES, FIM DO SÉC. XIX

Filed under: LM Ponta Vermelha, LUGARES — ABM @ 21:55

Edifícios governamentais na Ponta Vermelha, fim do Século XIX.

02/07/2011

A ESTRADA DAS ESTÂNCIAS E OS ATERROS DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1900

Infelizmente, pouca gente hoje que habita Maputo tem a noção de como era a zona até ao início do Século XX. Estes dois postais mostram o que foi a zona antes dos enormes aterros que foram feitos no início do século passado. As duas fotos mostram o que era a zona onde até recentemente ficava a FACIM, onde ainda está o “novo” edifício da Fazenda (que actualmente é o Gabinete do 1º Ministro de Moçambique), desde a zona do porto da cidade até ao antigo Clube de Pesca. Toda essa zona foi aterrada com terras retiradas das barreiras da Polana e da Maxaquene, que por isso “recuaram” quase duzentos metros para onde se podem ver hoje. Nessa enorme área aterrada, plantou-se um eucaliptal que serviu de parque para a cidade durante décadas, e se fez o “prolongamento” da antiga Av da República até à Estrada Marginal (que só por isso foi de seguida construída sobre a praia então existente). Anteriormente, só se podia aceder à Praia da Polana indo pela parte alta da cidade (que ali basicamente era mato). Aproveitou-se o ângulo de entrada da Baía e a morfologia do terreno para se construir a doca do Clube de Pesca.

A estrada das Estâncias, e todos os edifícios que podem ser vistos aqui, foram demolidos.

Vista da Estrada das Estâncias para Nascente. Ao fundo, a Ponta Vermelha. O antigo Clube de Pesca fica mais ou menos onde se pode ver a casinha à direita, junto ao mar. O tipo que fez este postal esticou-se um bocado nos embelezamentos. Na verdade, isto era mais um pântano mal-cheiroso, que a beleza azulada que aqui se retrata.

A Estrada das Estâncias para Poente. Ao fundo, o núcleo inicial de Lourenço Marques. Para se ter a noção de como era, a velha fortaleza vê-se à esquerda daquele primeiro pontão que de vê a entrar por água, debaixo do navio maior ancorado à esquerda.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: