THE DELAGOA BAY WORLD

28/04/2020

A LETRA DA CANÇÃO “KHANIMAMBO”, 1955

Composição de Artur Fonseca e letra de: Gustavo Matos Sequeira e Reinaldo Ferreira

Ano: 1955

Intérpetre que a celebrizou: João Maria Tudella (27 de Agosto de 1929- 22 de Abril de 2011), com a orquestra do Rádio Clube de Moçambique. Consta que a primeira vez que a tocou em público, o então gerente de vendas da Shell Oil Company de Moçambique e cantor amador, teve que a repetir oito vezes. Ver a seguir a letra e em baixo oiça a música.

 

Kanimambo!
Kanimambo!!!

INSTRUMENTAL

Kanimambo!

Kanimambo, só contigo
Eu consigo, entender o amor.
Kanimambo, preso aos laços
Dos treus braços, a vida é melhor.

É por isso, quando tu sorris
Que o feitiço, me faz tão feliz.
E me obriga, a que eu diga
Kanimambo, como o negro diz.

Obrigado, Muchas gracias,
Merci Bien, Tudo é Kanimambo.
Danka schône, Grazia Tanta,
Many Thanks, tudo é Kanimambo.

coro:

Obrigado, Muchas gracias,
Merci Bien, Tudo é Kanimambo.
Danka schône, Grazia Tanta
Many Thanks, tudo é Kanimambo.

INSTRUMENTAL

Kanimambo!!!

Kanimambo, se mais linda
Fosse ainda, a expressão landim.
Kanimambo, não diria
Como eu queria, o que és para mim.

Não sei bem, a razão porquê
Sei que vem, de ti não sei quê.
E que ao ver-te, sou credor
De dizer-te, Kanimambo amor.

Obrigado, Muchas gracias,
Merci Bien, tudo é Kanimambo.
Danka schône, Grazia Tanta
Many Thanks, tudo é Kanimambo.

(coro)

Obrigado, Muchas gracias,
Merci Bien, tudo é Kanimambo.
Danka schône, Grazia Tanta
Many Thanks, tudo é Kanimambo.

Tudo é Kanimambo.
Tudo é Kanimambo.
Kanimambo!!!

O genial Miguel Catarino escreveu o seguinte sobre esta canção e sobre o Tudella:

“Esta gravação data de 1955 e pertence à Face A do disco single de 45 R.P.M. editado pela “Gallotone”, reeditado em Portugal pela “Decca”, etiqueta “Valentim de Carvalho”, e pela “London Records”, em Inglaterra.

Neste disco, a Orquestra de Salão e os Quartetos Vocais do Rádio Clube de Moçambique, sob a regência de Artur Fonseca, acompanha o cançonetista João Maria Tudella na interpretação de duas cançonetas populares do seu reportório, naquele que foi o seu 1º disco, e consequentemente o mais bem-sucedido.

Esta é a canção “Kanimambo”, uma obra musical do maestro já citado, com poesia de Reinaldo Ferreira e Matos Sequeira, que nos explica qual é o significado total da palavra “Kanimambo”, palavra moçambicana para “Obrigado”.

Canção de estilo romântico e de evidente superficialidade ligeira, muito bem interpretada pela voz melodiosa e sugestiva de Tudella, sob o acompanhamento dos Quartetos Vocais e da Orquestra de Salão do Rádio Clube de Moçambique, dirigida pelo compositor da obra, o maestro Artur Fonseca, que atingiu um gigantesco e assombroso êxito para a época, fazendo um eco bem valente em todas as rádios do Ultramar Português, principalmente na Metrópole, onde o disco depressa passou a fazer parte dos programas de “Cançonetas”, “Música Ligeira” e outras rubricas derivadas das rádios portuguesas, merecendo destaque a Emissora Nacional, o Rádio Clube e a Renascença.

Este disco, de tão bem-sucedido que foi, passou a ser considerada por muita gente como “a canção da sua vida”, e cada vez que o disco passava nas rádios, toda a gente se punha a cantar o refrão. Resultado: nasceu instantaneamente um Clássico da Rádio, que se prolongou durante décadas e décadas.

Este tema viria a ser regravado em 1960 pela Orquestra de Osvaldo Borba e pela voz de Tristão da Silva, durante a sua passagem no Brasil, num disco de 78 R.P.M. da “Odeon” importada em Portugal pela “Parlophone” e pela “Decca”, e reeditado em CD no ano de 1991, na compilação “O Melhor de Tristão da Silva” da EMI-Valentim de Carvalho.

Em 1973, Tudella viria a regravar este tema na “Tecla”, com a Orquestra Ligeira da Emissora Nacional, dirigida por Fernando Correia Martins, num registo que foi reeditado por duas vezes em CD, mas nunca viria a atingir o êxito da gravação original, que continuou a ser a favorita das rádios portuguesas.

Reeditada em tudo quanto é compilações antológicas da Música Portuguesa, a mais recente reedição em CD aconteceu em 2010, na compilação “Vozes da Rádio”, compilação de 20 cançonetas que eram constância da telefonia em Portugal durante “a noite longa do fascismo”, e que desta feita só foi aplaudida por incluir na compilação a “Marcianita” de Daniel Bacelar.

Hoje, apesar das suas regulares difusões na Rádio Sim, infelizmente, como todas as cantigas de outros tempos que originaram cegadas monumentais, para o bem e para o mal, esta canção é motivo de controvérsia muito grave.
Para os mais velhos, não é nada mais e nada menos do que um momento de saudade, dor, angústia, amargura e tristeza, principalmente da parte daqueles que vivem a sua vida agarrados ao passado, encarando o sorriso alheio de gente nova como uma ferida fatal contra a sua alma, e vivendo sómente de lembranças de tempos e amores há muito ausentes.

Para os férreos opositores do regime político que vigorava na época, será sempre um hino do dito “Nacional-Cançonetismo”, denominação que hoje já não é vista de maneira depreciativa pelos historiadores, mas sim como a denominação correcta para a época em que a influência do Estado Novo era patente na Música Popular e Ligeira Portuguesa.

Para os mais novos, esses… haha! se já nunca ouviram falar de Vasco Santana, nem da Beatriz Costa, e muito menos sabem quem é António Silva, que será preciso dizer???? O velho preconceito contra tudo o que é considerado como velho… Nem as expressões “retro” e “vintage” valem de nada…

Resumindo e concluindo: “Kanimambo” é mais um motivo de controvérsia num país que nunca soube e nunca saberá valorizar o seu património cultural.

E daí, as seguintes perguntas retóricas (sem resposta possível, pelo facto de já se adivinhar a mesma):
De que adianta a popularidade, se a elite e a crítica destroem-na implacavelmente e dão cabo dela em três tempos?
Para quê continuar missões que já se sabem como inglórias e fracassadas por antecipação?
De que adianta divulgar a Música Portuguesa, quando a neutralidade, a isenção, a objectividade e a imparcialidade são reprimidas severamente pelos propósitos egoístas, mesquinhos e mafiosos de gente que considera que “está tudo bem assim e não podia ser de outra forma”, citando Salazar?

Do que vale a voz do Povo, se nem a voz de Deus pode fazer nada contra a Voz do Poder?”

 

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: