THE DELAGOA BAY WORLD

20/03/2012

A VISITA DO PRÍNCIPE REAL D. LUIZ FILIPE A LOURENÇO MARQUES, JULHO DE 1907

D. Luiz Filipe (nome completo: Luís Filipe Maria Carlos Amélio Fernando Victor Manuel António Lourenço Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis Bento de Bragança Orleães Sabóia e Saxe-Coburgo-Gota) era o filho varão do então rei de Portugal, D. Carlos I e como tal o seu sucessor ao trono. Na altura da sua visita a Moçambique tinha 20 anos de idade (feitos a 21 de Março). Mouzinho de Albuquerque foi o seu preceptor durante alguns anos. Sete meses depois desta visita o também Duque de Bragança foi assassinado com o Rei em Lisboa, tendo sido sucedido pelo seu irmão, D. Manuel.

A estrutura preparada para receber o Príncipe Real na baixa de Lourenço Marques.

Um arco a decorar uma das avenidas de Lourenço Marques, erguido em honra da visita real.

Outro dos arcos erguidos para receber D. Luiz Filipe.

Vista do percurso do desfile do Príncipe Real desde o porto de Lourenço Marques para a Ponta Vermelha. Esta fotografia foi tirada do cimo da actual Avenida Samora Machel (antes, Av. Dom Luiz). À esquerda pode-se ver o Hotel Club, ao fundo à esquerda o antigo Capitania Building, que ficava situado mesmo em frente à Fortaleza. O arco que atravessa a avenida fica mais ou menos no cruzamento da actual Samora Machel e 25 de Setembro (anteriores Avenidas Dom Luiz e da República).

Mesmo em frente à população em primeiro plano que observa, podem-se ver as cartolas dos condutores do coche que leva o Príncipe, seguida por uma guarda de honra a cavalo. Num registo diferente, repare-se na indumentária da população africana.

Na Ponta Vermelha, uma cerimónia de apresentação de cumprimentos da população e as forças vivas da pequena cidade. Na varanda da casa do Governador pode-se ver o Príncipe Real com os seus acompanhantes, enquanto cá fora, de costas para a Baía, se encontram as pessoas.

Mais uma fotografia da recepção ao Príncipe Real na Ponta Vermelha.

Imagem do espaço em frente à Residência na Ponta Vermelha durante a cerimónia com o Príncipe Real.

Mais uma imagem do espaço e da cerimónia de boas-vindas em frente à Residência na Ponta Vermelha. Aqui do lado esquerdo pode-se ver uma parte da Baía e da Catembe e uma rara fotografia contextualizada do Farol da Ponta Vermelha.

Nesta imagem um tanto comprometida, podem-se ver um grupo de guerreiros tribais certamente para participar nos festejos em honra do Príncipe, enquanto uma senhora branca observa. Por detrás deles, a central eléctrica situada na Av. 24 de Julho mesmo em frente ao África (anteriromente Cinema Manuel Rodrigues).

Do sítio Macua Blogs copiei o seguinte texto, alusivo à ocasião:

Logo que chegou a Lourenço Marques a notícia de que Sua Alteza o Príncipe Real D. Luís Filipe tinha embarcado em Lisboa com rumo a África, para uma visita de estudo a algumas das províncias portuguesas, entre as quais figurava Moçambique, a população e entidades oficiais empenharam-se com entusiasmo na tarefa de uma recepção condigna e de festejos populares. Nomearam-se comis­sões ; fizeram-se programas e prepararam-se laudatórios e patrióticos discursos alguns dos quais não chegaram a ser proferidos.

Os telegramas do Cabo Submarino para Londres, Paris e Lisboa davam uma nota flagrante da ansiedade e nervosismo das altas esferas sociais ; além dos negócios do costume relacionados com o embarque de produtos coloniais para Marselha, Hamburgo e Estocolmo, aberturas de créditos e outras transacções e ainda notícias de carácter geral, tratavam de assuntos aparentemente triviais mas que, na verdade, se revestiam de alta importância pois que afectavam directa­mente o prestígio e o bom nome dos colonos destes Territórios; tais telegramas pediam a remessa urgente de chapéus altos, vestidos, casacas e sobrecasacas.

Sua Alteza tomava a imaginação das mulheres da pequena colónia europeia como um príncipe dos maravilhosos contos de fadas — e não tiveram desilusões: as suas expectativas foram excedidas; o Príncipe deixou-lhes recordações que nunca se deveriam apagar, pela sua esbelta figura e pelo encanto das suas maneiras e trato.

Pouco antes da uma hora da tarde do primeiro dia de Julho, Sua Alteza Real tomou no cais do Arsenal a galeota que o levou ao navio África que, uma hora antes, havia largado a amarração do cais de Santa Apolónia e, subindo o rio, viera lançar ferro em frente ao Arsenal da Marinha a cerca de meia milha de distância. Acompanharam-no Suas Majestades El-Rei D. Carlos e a Rainha D. Amélia, seu tio D. Afonso e seu irmão o Infante D. Manuel, e noutras em­barcações os altos dignitários da corte e membros do Governo da Nação. Curta demora a bordo ; depois das despedidas as galeotas largaram o costado do navio levando para terra a Família Real, sua comitiva e outras pessoas.
O Africa, festivamente engalanado, levanta ferro e começa a navegar ; uma fragata dá a salva de vinte e um tiros e a seguir, à medida que o navio desce o Tejo, ouvem-se as salvas da bateria do Bom Sucesso e dos cruzadores São Rafael e Vasco da Gama, ancorados a oeste da Torre de Belém e, por último, as da bateria de São Julião. Passada a barra grande o navio entrou no mar alto para seguir um roteiro histórico cuidadosamente marcado.

O jovem príncipe, na amurada, ao ver apagar-se no horizonte o dorso alcan­tilado da serra de Sintra há-de ter sentido a funda mágoa que toca o coração de todos os portugueses que partem, e os seus braços ter-se-ão levantado repetindo o gesto comum de um adeus murmurado em íntimo recolhimento.

O comandante do navio, Guilherme A. Vidal Júnior, dá-nos no seu livro uma descrição pormenorizada da viagem, da vida a bordo, da chegada aos portos, das recepções e festejos em homenagem a Sua Alteza, que se lê com vivo interesse e emoção. Era um moço príncipe da nobre e antiga Casa de Bragança que vinha conhecer terras de África que continuavam a nação, numa viagem de estudo das suas actividades económicas e dos seus povos formados por gentes várias, algumas estranhas, ligadas fortemente pêlos elos da mesma fé cristã, da mesma língua e dos mesmos sentimentos de amor pátrio ; a viagem seria um complemento da aturada e cuidadosa preparação a que tinha sido submetido desde criança para o penoso ofício de rei, como primogénito e herdeiro presuntivo do trono.

Diz o comandante, para ilustrar a simplicidade, afabilidade de trato e comunicabilidade do príncipe, que Sua Alteza Real mandava convidar todos os dias para almoçarem à sua mesa, dois passageiros, tendo iniciado os convites pelos primeiros a desembarcar nos portos da escala.

Em Luanda, onde desembarcou no dia 17, foi recebido pelo capitão de arti­lharia Henrique de Paiva Couceiro, ilustre Governador-Geral de Angola, que três anos depois viria a ser reconhecido como o mais dedicado servidor da coroa, não como palaciano mas como soldado.
Passada a Inhaca, o navio lança ferro às 5 ½ horas da tarde ao largo da Ponta Vermelha. Na manhã seguinte às 8 horas, a bateria da Ponta Vermelha dá três tiros de peça como sinal para a entrada e o navio imediatamente suspendeu e seguiu a navegação pelo canal da Polana. Atracou no cais Gorjão às 9 ½ horas.

À Associação Comercial de Lourenço Marques coube o papel mais importante na organização dos festejos e da recepção. A situação financeira da Câmara Muni­cipal era deficitária; não tinha dinheiro; tinha dívidas e compromissos; devia ao Banco Ultramarino 540 contos e ao comércio no. E, então, como hoje, tanta coisa por fazer ! A Associação tomou a seu cargo a construção de um arco triunfal, colunas, e a organização de um baile grandioso para o qual foram convidadas trezentas pessoas. Poderíamos indicar o custo destas despesas em cifras que hoje se nos afiguram ridículas. Não consideramos isso digno de menção — não era momento próprio para se olhar a gastos.

A iluminação da Avenida D. Carlos, e outras ruas foi imponente, e o fogo de artifício importado directamente de Portugal para as festas deslumbrou pretos e brancos ; foi uma verdadeira maravilha.
Sua Alteza chegou a Lourenço Marques no dia 29 de Julho. O Ministro do Ultramar, Aires de Orneias c Vasconcelos, que o acompanhou trouxe como pre­sente o Decreto da Organização Administrativa da Província que vigorou até à publicação do Decreto n.º 23 228, de 15 de Novembro de 1933, isto é: vinte e seis anos. No dia imediato houve parada de 22 000 indígenas do Sul do Save — entre os quais figuravam os vátuas de Gaza, tribos das terras da Magaia c da Cossine — e o mais grandioso batuque de que há memória. Este é, sem dúvida, o pormenor mais importante a registar do programa dos festejos, porque dava um testemunho vivo do nosso prestígio e confiança junto dos povos nativos, da harmonia das nossas relações, e da lealdade admirável desses mesmos povos que compartilhavam com a população o seu grande regozijo pela visita de um Prín­cipe da Casa Real.

O grandioso baile de gala dado pela Associação em honra de Sua Alteza realizou-se na noite de 31 de Julho no grande salão do primeiro andar de um edifício da Rua Araújo (em frente ao Carlton Hotel, onde durante muitos anos funcionou a Associação dos Empregados do Comércio). O Principe abriu o baile dançando com a ilustre e formosa senhora D. Sofia Cagi. Falou-se durante muito tempo do baile e as senhoras de então nunca chegaram a acordo sobre este ponto de magna importância: — a quem é que devia competir a honra da primeira contradança com Sua Alteza?

Mas não houve só festas. Tratou-se também de assuntos de alta gravidade.

No dia 9 de Agosto o presidente da Associação Comercial recebeu, expedido da Beira, um telegrama do ajudante de Sua Alteza, dizendo: “- Sua Alteza agra­dece amável recepção – Costa». A sobriedade da linguagem protocolar não cor­respondia exactamente à grandiosidade e entusiasmo da festa. Mas, na verdade, tratou-se também de assuntos sérios.

Sua Alteza e comitiva regressaram a Loureço Marques, da sua breve visita à Beira, Moçambique e Quelimane, no dia 16 de Agosto. No dia imediato a Di­recção da Associação Comercial teve uma reunião extraordinária a que estiveram presentes o Conselheiro Aires de Orneias e Vasconcelos, Ministro da Marinha e Ultramar, e o Conselheiro Alfredo Augusto Freire de Andrade, Governador-Geral da Província. A reunião, realizou-se pelas 11 horas no referido edifício da Rua Araújo. Solenemente, o presidente da Associação, Sr. Leão Cohen, leu a longa exposição laboriosamente preparada sobre os problemas do momento. Submetiam–se à consideração de suas excelências e pediam-se providências, entre outros, os seguintes pontos:

a) Tratado Comercial com o Transvaal, havia sido negociado e era urgente a realização de outro que salvaguardasse a entrada dos nossos produtos naquele território, livres de direitos, medidas sobre emigração dos trabalhadores nativos e obrigação do seu repatriamento após os contratos;

b) Péssima situação financeira da Câmara. Suas dívidas. Necessidade de um empréstimo de 1125 contos para se fazer a drenagem das águas pluviais e outros melhoramentos urgentes. Criação de novas receitas municipais «… que poderão ser dez réis por litro em todo o vinho importado e uma licença de trân­sito sobre os indígenas que trabalham na cidade …”, diz o memorial.

c) Décima de juros que, no dizer do presidente da Associação se opunha à colaboração e entrada de capitais estrangeiros;

d) Construção de linhas férreas de penetração c exploração económica do vasto território da Província ;

e)Dragagem do canal da Polana ; eram constantes os encalhes de navios ;

f)Pede-se a aprovação do foral da cidade de Lourenço Marques ;

g) Repressão de bebidas; era o principal negócio; fabricavam-se bebidas alcoólicas clandestinamente e era urgente a fiscalização e disciplina deste comér­cio. Recomendava-se como medida salutar um imposto de dez réis por litro para se obterem receitas para a fiscalização;

h) Contribuições e multas ; a má situação dos negócios impossibilitava o pa­gamento das contribuições por parte de um grande número de contribuintes; pedia-se a suspensão das multas e outras medidas ;

i) Estado sanitário da cidade; merecia cuidados; nesse tempo ainda o uso interno do álcool tinha um grande papel na terapêutica da malária , as poções de quina eram desagradáveis de tomar.

Impunham-se uma acção vigorosa para a eliminação total dos pântanos ainda existentes e a construção de esgotos. Enfim, preconizava-se ainda a reali­zação de um grade empréstimo para a Província … (– «que o dinheiro venha para a Província para aqui ser gasto em obras de fomento …”).

O Governador-Geral considerou todos os pontos da exposição relacionados com o seu Governo e com o Município. Ao referir-se às relações económicas e polí­ticas com a União Sul-Africana expõe os pontos de vista largamente tratados nos seus relatórios, a segurança, larguesa e o apetrechamento do porto de Lou­renço Marques dão-lhe o primeiro lugar e a maior importância na classificação dos méritos dos portos abertos à exploração marítima no continente africano; é, sem favor, o melhor. A sua situação privilegiada torna-o, para os territórios vizinhos em objecto de desígnios e atenções que influenciam profundamente as relações. Por outro lado a forte concorrência que lhes é feita pêlos portos de Lourenço Marques, Beira e Lobito afecta o desenvolvimento dos seus portos. As convenções ou acordos tornam-se pois numa necessidade imperiosa tanto para eles como para nós ; dispúnhamos do porto do qual dependiam exclusivamente, alguns anos antes de extinta a república transvaliana, para as suas relações com o exterior ; dispúnhamos da mão-de-obra sem a qual não seria possível a explo­ração mineira desses ricos e vastos territórios com a intensidade e urgência requeridas pelas suas necessidades. Por nossa parte, necessitávamos do seu tráfico e de relações amistosas que lhe permitissem um intercâmbio comercial que dia a dia se tornava mais importante. Era a razão de ser do nosso caminho de ferro, do cais e apetrechamento do nosso porto. A convenção seria feita ; teríamos de contar porém com uma guerra de tarifas que só poderia desaparecer quando fosse excedida a capacidade de exploração dos portos envolvidos na luta da concorrência.

O Ministro abordou largamente os assuntos fundamentais sobre os emprés­timos à Província e ao Município ; o problema da revisão das pautas aduaneiras — em Angola tinha encontrado para resolver o mesmo problema –; a orientação da política do Governo nas relações da Província com os territórios vizinhos e anuncia a próxima transferência do Tribunal da Relação para Lourenço Marques.
Faz ainda em termos eloquentes o elogio do Governador-Geral dizendo que todos reconheciam a sua superior inteligência, competência e patriotismo e o interesse que põe no estudo dos problemas da administração da Província.

Entre as numerosas mensagens de boas-vindas apresentadas a Sua Alteza Real figuram as que lhe foram lidas pelos Mayors dos municípios da União Sul–Africana: de Vereeniging, Pretória, Johannesburg, Pietermaritzburg, Durban, Harrismith, Bloemfontein e Cape Town.

Vindo do norte o África atracou na ponte cais às 18 ½ horas do dia 16 de Agosto. Sua Alteza desembarcou e seguiu, de comboio, com sua comitiva para Cape Town onde tomaria de novo o navio, no dia 31, para o seu regresso a Portugal.

A recordação da sua visita mantém-se ainda viva, na memória dos velhos colonos, com um misto de simpatia, saudade e respeito pela memória desse infor­tunado príncipe.

O Príncipe figura na história como um meteoro que sulcou o espaço deixan­do-nos por alguns momentos deslumbrados com o seu fulgor. Representava as maiores esperanças que eram bem fundadas, não só pela sua educação, corno pelo seu carácter, patriotismo e inteligência. Para evocá-lo vamos recorrer às referências que o Sexto Marquês de Lavradio, seu fiel servidor, amigo dedicado e companheiro lhe faz nas suas memórias.

Diz, ele, de Sua Alteza: «… era alto, louro, tipo nortenho, cultivava os desportos, principalmente o automobilismo e a caça. — A educação de SS. AA. (D. Luís Filipe e D. Manuel) fora muito cuidadosa tanto sob o ponto de vista científico como moral e ambos tinham além de uma funda cultura uma verdadeira noção da honra, da lealdade e do dever. — … era mais inteligente que o vulgar, sendo ao mesmo tempo o homem mais leal, mais franco, mais nobre, mais valente que tenho conhecido. Falava pouco e devagar e ouvia sempre com atenção.» Págs. 52, 53 e 54.

Seu Augusto Pai tinha-o preparado para ser um seu digno sucessor. A sua vinda ao Ultramar obedecia aos desejos de El-Rei que considerava que tal pre­paração não seria completa sem que Sua Alteza conhecesse as nossas possessões ; correspondia ainda ao desejo do próprio Príncipe que também assim pensava.

Refere o marquês nas suas memórias que Sua Alteza quando na Câmara Municipal de Pretória teve de responder às mensagens que lhe foram dirigidas, o fez de forma brilhante, realçando factos históricos do passado e do presente da África do Sul, revelando conhecimento sobre a vida do país que bem paten­teavam o cuidado e a seriedade dos seus estudos.

Passadas as paixões que agitaram e profundamente dividiram a nação, em campos inimigos e implacáveis a história atenta no seu nome ; estuda a sua perso­nalidade e faz-lhe justiça.

Foi um grande Príncipe que o povo bem amou.

(fim)

Anúncios

14/03/2012

A VISITA DO PRÍNCIPE REAL D. LUIZ FILIPE A VILA PERY, 1907

Bem, na legenda diz "Manicaland", presumo que seja Vila Pery.... e não se vê o Príncipe, vê-se o comboio que o levou lá. E aquela igreja lá atrás....não é de Vila Pery (hoje a grande Chimoio).

 

 

28/10/2011

DOM CARLOS I COM O MARQUÊS DE SOVERAL, INÍCIO DO SÉC. XX

Foto de Benoliel, na Ilustração Portuguesa, restaurado por mim. Para ver esta foto em tamanho maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: