THE DELAGOA BAY WORLD

24/05/2016

FACHADA DO TEATRO VARIETÁ EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 60

Filed under: LM Cinema Varietá — ABM @ 18:53

Situado na Rua Araújo na Baixa de Lourenço Marques, o Teatro Varietá foi a primeira casa de ópera no sul de África. Foi demolido em 1968 para dar lugar aos cinemas Dicca e Estúdio 222. Nos anos 60 funcionava essencialmente como um cinema.

 

Parte da fachada do Varietá em Lourenço Marques.

Parte da fachada do Varietá em Lourenço Marques.

MARCELINO DOS SANTOS, ANOS 80

Filed under: Marcelino dos Santos — ABM @ 18:41

Foto de Marion Kaplan.

 

Marcelino dos Santos.

Marcelino dos Santos, aqui nos anos 80.

 

Segundo a Wikipédia:

Marcelino dos Santos (Lumbo, 20 de Maio de 1929) é um político e um poeta moçambicano. Foi membro fundador da Frente de Libertação de Moçambique, onde chegou a vice-presidente. Depois da Independência de Moçambique, Marcelino dos Santos foi o primeiro Ministro da Planificação e Desenvolvimento, cargo que deixou em 1977 com a constituição do primeiro parlamento do país (nessa altura designado de “Assembleia Popular”), do qual foi presidente até à realização das primeiras eleições multipartidárias, em 1994.

Com os pseudónimos Kalungano e Lilinho Micaia, tem poemas seus publicados no Brado Africano e em duas antologias publicadas pela Casa dos Estudantes do Império, em Lisboa. Com o seu nome oficial, tem um único livro publicado pela Associação dos Escritores Moçambicanos, em 1987, intitulado “Canto do Amor Natural”.

Segundo a Encyclopedia of World Biography, em língua inglesa:

Marcelino dos Santos was born in 1929, son of Firmindo dos Santos and Teresa Sabina dos Santos, and was raised in Lourenco Marques. When he left Mozambique in 1947 to continue his education at the Industrial Institute in Lisbon, Portugal, he already showed himself ready to carry a torch held by his father’s generation. Firmindo dos Santos, a member of the African Association of Mozambique, had urged revitalization and unity among Mozambicans in their pursuit of justice and social equality. In a 1949 letter to the association from Lisbon, Marcelino similarly urged members to put aside individual considerations and stand united. At the House for Students of the Empire in Lisbon, where colonial youths studying in Lisbon gathered in the late 1940s, dos Santos and others increasingly articulated their Africanist and nationalist sentiments through poetry and prose. Here dos Santos discreetly shared his ideals and aspirations with Amilcar Cabral, Agostinho Neto, and Eduardo Mondlane—men destined to become nationalist leaders in Guinea Bissau, Angola, and Mozambique, respectively. By 1950, however, the political atmosphere in Lisbon was tense. Neto was arrested, Mondlane moved to study in the United States, and dos Santos and others relocated in Paris.
In Paris dos Santos lived among leftist African writers and artists affiliated with the literary journal Presence Africaine. He published poetry under several pen names— Kalungano in Portuguese language publications and Lilinho Micaia in the collection of his poetry published in the Soviet Union. In the 1950s his skill as a nationalist strategist and mediator sharpened as he urged Portuguese political exiles in Paris to broaden their opposition to the Salazar regime in Portugal and embrace the nationalist cause. The Anti-colonial Movement (MAC), formed in Paris in 1957, was in part a result of dos Santos’ work among this exile community. At the All-African Peoples Congress at Tunis in 1960 a broader alliance emerged incorporating the nationalist movements of Angola and Portuguese Guinea.

By 1961 nationalist groups proliferated, and all were galvanized by the outbreak of violence in Angola. Dos Santos had joined the Paris branch of the National Democratic Union of Mozambique (UDENAMO), the first nationalist party formed largely among Mozambicans living in exile, but he continued to actively pursue solidarity at the international level. At a meeting in Casablanca in April 1961 the Conference of Nationalist Organizations of the Portuguese Colonies (CONCOP) was formed. Dos Santos was elected permanent secretary charged with coordinating nationalist activity in an effort to force an immediate end to colonial rule. From CONCOP’s headquarters in Rabat dos Santos assumed his role of explaining the nationalist struggle to an international audience.
In 1962 Eduardo Mondlane assembled representatives of Mozambican nationalist groups in Dar es Salaam, Tanzania, to attempt to forge a united front to undertake the struggle for independence, and dos Santos lent his support. The result was the foundation of the Front for the Liberation of Mozambique (Frelimo). Frelimo, the party which undertook and waged the war for independence from Portugal, held its first congress in Tanzania in September 1962. While continuing with CONCOP dos Santos increasingly turned his organizational and expository skills to sculpting Frelimo’s political and military goals. By 1964, with the outbreak of the hostilities in northern Mozambique, dos Santos, as Frelimo’s secretary for external affairs, became one of the movement’s principal spokesmen. His powerful presentations before the Organization for African Unity, the Afro-Asian Solidarity Conference, and the United Nations helped win international recognition of the legitimacy of Frelimo’s petitions for political, military, and financial support.

With the tragic murder of Frelimo’s president, Eduardo Mondlane, dos Santos was elected to Frelimo’s temporary ruling triumvirate (dos Santos, Uria Simango, and Samora Moises Machel). In 1970 he became vice president under Samora Machel—a position he held throughout the war for independence. Working at Frelimo headquarters in Dar es Salaam and in the war zones, dos Santos focused on the key political aspects of the armed struggle. Using the bonds of friendship and the political skills he developed in the 1950s, he helped cement links of political cooperation throughout the war, during the difficult negotiations leading to the independence of Mozambique, and ultimately into the Herculean task of constituting a viable new nation.
When the Council of Ministers of the People’s Republic of Mozambique was sworn to office on July 1, 1975, dos Santos assumed the key positions of vice president of Frelimo and minister for development and economic planning. After independence he held a number of important positions within the government and remained active as a member of Frelimo’s Central Committee charged with political strategy. The challenge during the late 1970s and 1980s was to rebuild the country while defending Frelimo and the government from an armed takeover by the opposition group Renamo.

From 1981 to 1983 dos Santos left government office to concentrate on strengthening the party. He returned to office in 1983 as governor of the province of Sofala in central Mozambique, and in 1989 served as president of the People’s Assembly. During this time, he worked diligently to establish internal stability; some progress was finally achieved in October 1992 when a peace agreement was signed by Frelimo and Renamo.

Through the mid-1990s he continued as theoretician within Frelimo’s Central Committee, working to reform the country’s economic and political structures from within. The long war against Renamo had left the former Portuguese colony bankrupt, earning it the dubious distinction of the world’s poorest nation. Dos Santos often led delegations representing Mozambique at important international conferences, such as the Southern Africa-Cuba Solidarity Conference in May 1995.

His essential contributions were in the area of international relations, deftly aiding Mozambique in its determined posture of non-alignment, and in the development of Frelimo policy designed to develop socialist programs to serve Mozambique’s majority population.

Further Reading
There are no detailed biographies of Marcelino dos Santos, but some of his best speeches and poems are available in English. His “Address to the Sixth Pan-African Congress” in Africa Review (1974) and “The Voice of the Awakened Continent” in World Marxist Review (Prague, 1964) are exemplary. Lotus: Afro-Asian Writings has two articles which focus on Marcelino dos Santos as a poet and on his work in the context of nationalist poetry in Mozambique: Luis Bernardo Honwana, “The Role of Poetry in the Mozambican Revolution,” volume 8 (Cairo, 1971) and “Marcelino dos Santos,” volume 18 (Cairo, 1973). He is listed in Africa South of the Sahara (11th and 12th editions. London: Europa Publications, 1981, 1982. Biographies in ” Who’s Who in Africa South of the Sahara” section.) Periodicals and journals with additional information include: Africa Report (May-June 1989); African Communist (Third quarter 1995); and Current History (May 1993).

Three general works provide the necessary context to understand the historical contribution of Marcelino dos Santos. Allen and Barbara Isaacman’s book Mozambique: From Colonialism to Revolution, 1900-1982 considers both the role of protest poetry and Marcelino dos Santos’ contribution as poet and politician (1983). Eduardo Mondlane’s The Struggle for Mozambique, republished with an introduction by John Saul and a biographical sketch by Herbert Shore (London, 1983), is the classic work on the period. Finally, Barbara Cornwall’s The Bush Rebels: A Personal Account of Black Revolt in Africa (1972) adds a personal glimpse of dos Santos the man.

ANTÓNIO LUIZ RAFAEL, 2015

Filed under: António Luiz Rafael, Rádio Clube de Moçambique — ABM @ 18:24

António Luiz Rafael foi uma figura de destaque do Rádio Clube de Moçambique. Após a Independência, foi viver em Portugal, onde trabalhou na RTP.

 

António Luiz Rafael.

António Luiz Rafael.

O EDIFÍCIO TONELLI EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 60

Filed under: LM Prédio Tonelli, Pancho Guedes — ABM @ 18:14

Mais uma obra do Arquitecto Amâncio Pancho Guedes. Situa-se em frente à actual Embaixada do Reino da Grã-Bretanha na Cidade de Maputo.

 

O edifício Tonelli, construído entre 1954 e 1958, da autoria de Pancho Guedes

O edifício Tonelli, desenhado em 1953 e construído entre 1954 e 1958, da autoria de Amâncio Pancho Guedes. Tem 11 Andares.

 

Mais alguns dados sobre o Edifício Tonelli.

Mais alguns dados sobre o Edifício Tonelli.

ANÚNCIO DA INAUGURAÇÃO DO BALCÃO DO BCCI EM VILA PERY, 1968

Anúncio publicado no jornal “Notícias” de Lourenço Marques, 1968.

O Banco de Crédito, Comercial e Industrial (BCCI) foi inaugurado em 1965, sendo a maioria do seu capital detido pelo português Banco Borges & Irmão, que também tinha presença em Angola. Após a Independência, o BCCI foi nacionalizado, sendo a sua sede situada na Rua Consiglieri Pedroso na Baixa de Maputo, ainda hoje, utilizado pelos serviços do Banco de Moçambique.

Cerca de 1974, o BCCI estava a edificar uma nova sede, situada numa esquina na Praça Vasco da Gama, junto ao velho Bazar, uma torre com cerca de 20 andares, no preciso local onde anteriormente estava implantado o histórico Kiosk Olímpia. Mercê das alterações decorrentes da Independência, o edifício ficou por concluir durante alguns anos, tendo sido concluído com mão de obra chinesa no final dos anos 80, tendo albergado os serviços comerciais do Banco de Moçambique. Em 1997, na sequência da reestruturação do Banco de Moçambique, ali ficou albergada a sede do nascente Banco Comercial de Moçambique (BCM), adquirido pelo português António Simões, que vendeu a maioria do capital ao Banco Mello, de Portugal. Em Janeiro de 2000, o Banco Mello fundiu-se com o Banco Comercial Português, tendo como impacto a fusão em Moçambique entre o BCM e o Banco Internacional de Moçambique (BIM), que ocorreu entre 2000 e 2002, sendo a entidade sobrevivente o BIM, que ali teve a sua sede até 2015.

Vila Pery mudou de nome e é actualmente a Cidade do Chimoio, situada na Província de Manica.

 

Capturar bcci 1968 noticias

23/05/2016

DOM TEODÓSIO CLEMENTE DE GOUVEIA, ARCEBISPO DE LOURENÇO MARQUES, 1889-1962

Filed under: Arcebispo LM, Dom Teodósio Clemente de Gouveia — ABM @ 23:01
Teodósio Clemente de Gouveia, Arcebispo de Lourenço Marques entre 1941 e 1962.

Teodósio Clemente de Gouveia, Arcebispo de Lourenço Marques entre 1941 e 1962.

Citando a Wikipédia:

Teodósio Clemente de Gouveia – GCC • GCIH (São Jorge, Santana, Ilha da Madeira, 13 de Maio de 1889 — Lourenço Marques, 6 de Fevereiro de 1962) foi arcebispo de Lourenço Marques (desde 1941), tendo antes exercido as funções de bispo de Leuce e Prelado de Moçambique (1936).

Foi feito cardeal pelo Papa Pio XII no consistório de 18 de Fevereiro de 1946.

Era filho dos agicultores Francisco Clemente de Gouveia e sua mulher Ana Augusta Jardim. Foi batizado em 25 de Maio de 1889, na igreja paroquial de São Jorge, pelo Vigário José Calisto de Andrade e seus padrinhos foram Francisco Teodósio de Gouveia e Maria Rosa Jardim . Estudou no Seminário “Nossa Senhora da Encarnação”, em Funchal, a partir de 4 de outubro de 1905. O seminário foi confiscado em outubro de 1910 pela revolução e padres claretianos, diretores do seminário, levaram os alunos para a casa de estudos do congregação em Paris (1912-1913). Mais tarde, por causa da invasão alemã, foi para o Seminário lazarista, Dax, França, (1914-1915), onde estudou filosofia e teologia. Entrou para a ordem em 1911. Estudou também no Seminário de Saint Sulpice, Paris, no Institut Catholique de Paris (filosofia). Deixou a ordem em 1915 e chegou em Roma, em 7 de Janeiro de 1916. Estudou na Pontifícia Universidade Gregoriana de 1916 a 1919, fazendo o doutorado em teologia e direito canônico. Residia no Colégio Português, em Roma, na Escola de Estudos Sociais de Bergamo, 1920-1921 (licenciatura em ciências sociais), na Universidade de Louvain, Louvain, 1921-1922 (licenciatura em ciências sociais). Retornou para a Ilha da Madeira em 1922. Recebeu as duas últimas ordens menores, exorcista e acólito, em 12 de Maio de 1918; o subdiaconato em 1 de Novembro de 1918, e o diaconato em 21 de Dezembro de 1918, na igreja de Sant’Andrea della Valle, em Roma .

Foi ordenado no Sábado Santo 19 de Abril de 1919, na basílica de São João de Latrão, pelo Cardeal Basílio Pompilj, vigário de Roma e arcipreste da basílica patriarcal de Latrão. Celebrou sua primeira missa no Domingo de Páscoa 20 de Abril de 1919, na Basílica de São Pedro. Secretário da câmara eclesiástica da diocese do Funchal e membro do corpo docente de seu seminário, diretor do Boletim Diocesano da Madeira, 1922-1929. Vice-reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, de Março de 1929 a 1934 e reitor, de Março de 1934 a 1936. Reitor da Igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma, de 1931 a 1936. Camareiro Privado de Sua Santidade, em 26 de Novembro de 1931 e prelado doméstico de Sua Santidade em 23 de Abril de 1934 .

Eleito bispo-titular de Leuce e nomeado prelado nullius de Moçambique em 18 de Maio de 1936. Foi consagrado em 9 de Julho de 1936, na Igreja de Santo António dos Portugueses pelo Cardeal Raffaele Carlo Rossi, O.C.D., secretário de Sagrada Congregação Consistorial, auxiliado por Ernesto Senna de Oliveira, arcebispo-titular de Mitilene, arcebispo-auxiliar de Lisboa, presidente do Conselho Central da Ação Católica Portuguesa, e por Ildebrando Antoniutti, arcebispo titular de Sinnada de Frigia, delegado apostólico na Albânia. Foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo a 8 de Dezembro de 1939.

Promovido à arquidiocese recentemente erigida de Lourenço Marques (actual Maputo), Moçambique, em 18 de Janeiro de 1941 .

Criado cardeal-presbítero no consistório de 18 de Fevereiro de 1946 pelo Papa Pio XII, recebendo o barrete cardinalício e o título de São Pedro Acorrentado em 22 de Fevereiro. Participou no conclave de 1958, que elegeu o Papa João XXIII. Condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante Dom Henrique, a 11 de Setembro de 1961. Ele foi o primeiro cardeal oriundo da Igreja de Moçambique .

Faleceu em 6 de Fevereiro de 1962, às 15h45, vítima da leucemia, no Palácio Arquiepiscopal de São Vicente, em Lourenço Marques. Foi velado no Palácio até o dia seguinte, às 05h, quando o corpo foi transferido para a catedral metropolitana de “Nossa Senhora da Conceição”. O funeral ocorreu no dia 8 de Fevereiro às 10 horas, na catedral onde foi sepultado, atrás do altar principal, num túmulo simples marcado apenas com as armas, de acordo com sua vontade.”

Onde permanece até hoje.

O FOKKER FRIENDSHIP DA DETA VOANDO SOBRE A HOLANDA, ANOS 60

Filed under: DETA - Linhas Aéreas de Moçambique — ABM @ 22:45

A DETA (Divisão de Exploração dos Transportes Aéreos dos Caminhos de Ferro de Moçambique) foi a primeira companhia aérea portuguesa e de Moçambique, antecedendo em quase dez anos a fundação dos Transportes Aéreos Portugueses. Pouco antes da Independência, a designação da companhia foi hifenizada para DETA-Linhas Aéreas de Moçambique, passando posteriormente a ter a designação de LAM.

Quem tiver interesse neste assunto deve consultar o sítio “Voando Sobre Moçambique”, que é praticamente o repositório definitivo sobre o tópico.

O Friendship voando sobre os céus de Moçambique, anos 60.

O Fokker Friendship “Lourenço Marques” voando sobre os céus da Holanda, durante os testes de aceitação, anos 60.

 

Mais uma imagem do Fokker "Lourenço Marques" durante os testes de verificação e aceitação.

Mais uma imagem do Fokker “Lourenço Marques” durante os testes de verificação e aceitação.

 

 

ROMÃO FÉLIX COM LIMA PEREIRA NO RÁDIO CLUBE DE MOÇAMBIQUE, 1960

Foto gentilmente cedida por Romão Félix e restaurada por mim.

 

Lima Pereira ("Cangahiça") com Romão Félix, no Auditório do Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques, cerca de 1960.

Lima Pereira (“Cangahiça”) com Romão Félix, no Auditório do Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques, cerca de 1960.

OS REBELO DE SOUSA EM LOURENÇO MARQUES, 1969

Filed under: Baltazar Rebelo de Sousa, Marcelo Rebelo de Sousa — ABM @ 22:25

Baltazar Rebelo de Sousa, médico e político português, foi nomeado Governador-Geral de Moçambique em 1968, cargo que ocupou durante cerca de dois anos. Um seu filho, Marcelo, foi eleito Presidente da República de Portugal em Fevereiro de 2016.

 

Da esquerda: António, Maria das Neves, Pedro, Baltazar e Marcelo

Da esquerda: António, Maria das Neves, Pedro, Baltazar e Marcelo. Foto tirada na Residência do Governador-Geral na Ponta Vermelha em Lourenço Marques, 1969.

ROMÃO FÉLIX ACTUANDO NO RÁDIO CLUBE DE MOÇAMBIQUE, ANOS 60

Fotografia gentilmente cedida por Romão Félix e restaurada por mim.

 

Romão Félix, ao centro no lado direito, durante uma actuação no Auditório do Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques, anos 60. Falta identificar os restantes presentes.

Romão Félix, ao centro no lado direito, durante uma actuação no Auditório do Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques, anos 60. Falta identificar os restantes presentes.

ROMÃO FÉLIX E MARIA ADALGISA NO RÁDIO CLUBE DE MOÇAMBIQUE, ANOS 60

Fotografia gentilmente cedida pelo Romão Félix e restaurada por mim.

 

Romão Félix e Maria Adalgisa no Auditório do Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques, cerca de 1960.

Romão Félix e Maria Adalgisa actuando no Auditório do Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques, cerca de 1960.

ROMÃO FÉLIX, PARAFUSO, EM LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DOS ANOS 60

Filed under: Romão Félix - Parafuso — ABM @ 22:00

Fotografia gentilmente cedida pelo Romão Félix, restaurada.

 

Romão Félix em Lourenço Marques, representando o Parafuso, cerca de  1960.

Romão Félix em Lourenço Marques, representando o Parafuso, cerca de 1960.

07/05/2016

O BOEING 737 CR-BAA DA DETA, ANOS 60

Filed under: Boeing 737 CR-BAA — ABM @ 19:24

A DETA (Divisão de Exploração dos Transportes Aéreos dos Caminhos de Ferro de Moçambique) adquiriu os primeiros aviões a jacto no final dos anos 60.

 

O Boeing 737 CRBAA da DETA.

O Boeing 737 CR-BAA da DETA.

O CHALET KIOSK NA PRAÇA 7 DE MARÇO EM LOURENÇO MARQUES, 1900

Filed under: LM Chalet Kiosk, LM Praça 7 de Março — ABM @ 19:14

A Praça 7 de Março é hoje a Praça 25 de Junho em Maputo.

 

O Chalet Kiosk em Lourenço Marques, no início do Séc. XX. Na altura, havia muitos kiosks pela Cidade, especialmente na Praça 7 de Março, onde este se situava, no alinhamento com a Rua Consiglieri Pedroso.

O Chalet Kiosk em Lourenço Marques, no início do Séc. XX. Na altura, havia muitos kiosks pela Cidade, especialmente na Praça 7 de Março, onde este se situava, no alinhamento com a Rua Consiglieri Pedroso. Em primeiro plano, pode ver-se um cartaz publicitando um filme no Teatro Varietá, que ficava a um quarteirão de distância.

A MÃE DE CÉSAR LAGE EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 40

Filed under: PESSOAS — ABM @ 19:05

Foto do César Lage, meio restaurada.

A Mãe do César Lage em Lourenço Marques, com 21 anos de idade.

A Mãe do César Lage em Lourenço Marques, com 21 anos de idade.

A CÂMARA MUNICIPAL DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 50

Filed under: LM Câmara municipal — ABM @ 18:56

 

O Edifício da Câmara Municipal de Lourenço Marques, inaugurado em 1947.

O Edifício da Câmara Municipal de Lourenço Marques, inaugurado em 1947.

DIPLOMA DA 4ª CLASSE EMITIDO EM LOURENÇO MARQUES EM 1953

Imagem cortesia do Orlando Branquinho.

Diploma da 4ª Classe, emitido a 7 de Agosto de 1953 em Lourenço Marques.

fb orlando branqwuinho diploma 4ª classe

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: