THE DELAGOA BAY WORLD

02/02/2012

A ESTÁTUA DE SALAZAR NO LICEU – 40 ANOS DEPOIS

Grato ao Joaquim Salvador , ao José Lucas Oliveira e ao Luis Silva e Sousa pelos preciosos dados que ajudaram a dar dar uma perspectiva muito mais completa em relação a este tópico.

 

A original estátua de Salazar, maior e em pedra, nas vestes do doutoramento em Coimbra, em frente à fachada principal do liceu que teve o seu nome até meados de 1974. Faltam os nomes dos dois senhores ao lado. Segundo o Luis Silva e Sousa, cerca de 1963 "alguém que não morria de amores pelo velho ditador" decapitou a estátua de pedra com um engenho explosivo (imagino o filme que foi com a Pide e Cia Limitada naquela altura) tendo então a mesma sido substituída por uma idêntica mas ligeiramente mais pequena, em bronze.

Com a Independência em 1975, após um curto período em que funcionou sob o nome "Liceu Normal 5 de Outubro"(ver o comentário de Joaquim Salvador) e após uma reflexão que durou algum tempo, o estabelecimento foi re-baptizado com o nome de Josina Machel, uma das mulheres de Samora Machel e uma bela guerrilheira, ícone escolhido do novo regime. Na fachada do liceu, à moda soviética, as imagens de Samora à esquerda, do Dr. Eduardo Mondlane à direita, no meio a frase "a luta continua" proferida por Samora vezes sem conta, indicando que afinal a independência era apenas um mero episódio de percurso e que mais viria. E oh se veio. A estátua do velho ditador português então já eclipsada, escondida num canto da cidade.

Em 2011, o grande Paulo Pires Teixeira foi encontrar a velha estátua de cobre de Salazar (que fotografou e se pode ver aqui) encostada a uma parede num canto da Biblioteca Nacional de Moçambique, que era a antiga Biblioteca Municipal em frente ao Hotel Tivoli na baixa de Maputo. Depreendo que Salazar não teve direito a lugar cativo na histórico-turística "Fortaleza" de Maputo. Possivelmente, ainda não passou tempo suficiente.

 

Uma curta nota sobre Samora Machel: originalmente, eu havia escrito que Josina Machel fora a primeira mulher de Samora Machel, sendo que a senhora que se seguiu foi a notável D. Graça Machel. Mas José Lucas Oliveira enviou-me uma mensagem indicando que não, que a primeira mulher de Samora foi Sorita Tchaicomo, com quem teve quatro filhos.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: