THE DELAGOA BAY WORLD

22/09/2018

GUNGUNHANA, GODIDE, MOLUNGO E ZIXAXA NOS AÇORES, 1904

Imagem colorida por mim.

Postal de 1904, dos exilados Nguni nos Açores. Por estas alturas já aqui estavam há oito anos. Eram, pelos vistos, celebridades locais.

16/09/2018

O PRÍNCIPE LUIS FILIPE DE PORTUGAL COM OS EMBAIXADORES, 1907

 

O Príncipe Real de Portugal, Luís Filipe de Órléans e Bragança, então o herdeiro da Coroa portuguesa, detida pelo seu pai o Rei Dom Carlos, ladeado por, à esquerda,  Sir Francis Villiers (1852-1925), embaixador do Reino Unido em Portugal, e Luís Pinto de Soveral (1851-1922), marquês do Soveral, embaixador de Portugal no Reino Unido durante muitos anos. Penso que a foto foi tirada na primeira metade de 1907. Luis Filipe visitará Moçambique na segunda metade de 1907. Será assassinado em Lisboa menos que seis meses mais tarde, em 1 de Fevereiro de 1908. Soveral foi uma força formidável na defesa dos interesses coloniais portugueses, “derrotando” Cecil Rhodes e Gungunhana e permitindo assim que a metade do que é hoje Moçambique a Sul da Beira permanecesse portuguesa. Foi ele, quase sozinho.

20/07/2018

OS EMISSÁRIOS DE GUNGUNHANA QUE VISITARAM O REINO UNIDO, JUNHO DE 1891

 

Os indunas ngunis Hulunmato, à esquerda, e Umfetintenl, à direita, enviados em Junho de 1891 por Gungunhana a Londres sob os auspícios da British South Africa Company (e acompanhados pelo infatigável Dennis Doyle) para piscar o olho ao governo britânico quanto à possibilidade de este, pela quarta vez no Séc XIX, contrariar a pretensão do governo de Portugal quanto ao seu domínio dos territórios situados na costa oriental de África a Sul do rio Save. A primeira aconteceu na década de 1820, a segunda foi a disputa que terminou com a decisão de Mac-Mahon em 1875 e a terceira foi o chamado Ultimato de Janeiro de 1890 (na sequência do escândalo do confisco da Concessão McMurdo e o incidente de Paiva de Andrada em Mashonaland). A missão em Londres, na sequência do Ultimato que teve como consequência a “perda” portuguesa do que são hoje o Zimbabué e parte da Zâmbia e assim o delírio do Mapa Cor de Rosa, fez parte de um esforço considerável de relações públicas por parte de um grupo de “coloniais” britânicos, liderado por Cecil Rhodes (de quem Boyle era um fiel empregado) mas também de apoios no terreno que incluíam entregas de armas e dinheiro aos Nguni. Só que, entre a forte influência diplomática portuguesa em Londres por via do Marquês de Soveral, o apoio dos boers das Repúblicas do Transvaal e Estado Livre de Orange e as acções da pindérica presença portuguesa no terreno, nem Gungunhana nem Rhodes sucederam em contrariar o entendimento luso-britânico, apesar de um conflito em crescendo que culminaria com as “campanhas de pacificação” iniciadas no final de 1894, no fiasco do “raid” de Jameson no Natal de 1895 (que coincidiu com o improvável aprisionamento de Gungunhana pelo até então obscuro major Mouzinho de Albuquerque) e, anos mais tarde, na Segunda Guerra Anglo-Boer. Nesta última, os interesses britânicos foram acautelados e as repúblicas boer foram eliminadas e incorporadas numa (mais tarde) União Sul-Africana britânica. Em Moçambique, inaugurou-se a fase das companhias majestáticas, que, de qualquer maneira, eram essencialmente britânicas. Mas a tal Gazaland, o Sul do que é hoje Moçambique, onde viriam a nascer Eduardo Mondlane, Samora Machel e Joaquim Chissano, e que incluia Lourenço Marques, permaneceu sob a bandeira portuguesa. Mais ou menos e até 1974. Poucos na altura entenderam que o prémio de consolação dado aos portugueses pelo fim do projecto do Mapa Cor de Rosa foi o “abandono” de Gungunhana. Quanto a Hulunmato e Umfetintenl, regressaram de Londres com umas prendinhas da Rainha Vitória na bagagem.

 

17/04/2018

O KRAAL DE GUNGUNHANA EM MANGUANHANA, ESTUDADO POR FRANCISCO TOSCANO

Filed under: Gungunhana - líder tribal, Kraal de Gungunhana — ABM @ 23:46

O Ilustrado, 1 de Novembro de 1933, Nº15, página 306.

Ora eis uma excelente ideia para o turismo moçambicano: a reconstituição deste local.

(Nota oportuna do Exmo Leitor Fernando Silva Morgado, editada: “Francisco Toscano nasceu em 1873 e faleceu em 1943 (as datas de dia e meses destes eventos não consegui apurar). Combatente sob as ordens do capitão Mouzinho de Albuquerque, acabou por ser o seu biógrafo, em África, sendo um dos dois autores do livro “A Derrocada do Império Vátua” e “Mouzinho de Albuquerque”, editado pela Editora Portugal Ultramar, Ldª., salvo erro em 1930, obras de que um dos exemplares faz parte da minha pequeníssima biblioteca, e que pessoalmente considero, mesmo com bastante exagero, como a minha “Bíblia”.
Depois de terminada a campanha fixou-se em Moçambique, ocupou diversos lugares nos Serviços de Administração Civil tendo chegado a ser o Administrador da Circunscrição dos Muchopes em 1928.)

16/09/2017

ZIXAXA E GUNGUNHANA NA ILHA TERCEIRA, AÇORES, INÍCIO DO SÉC.XX

Filed under: Godide, Gungunhana - líder tribal, Molungo, Zixaxa — ABM @ 08:46

Roberto Zixaxa foi um dos apoiantes de Gungunhana (nota: outros registos indicam-no como sobrinho ou mesmo filho, o que não é factual) o monarca que reinou sobre os Nguni e que exercia um domínio feroz sobre um conjunto de tribos no que é hoje o Sul de Moçambique entre 1884 e 1895, quando foi derrubado num conjunto de acções militares portuguesas que efectivamente deram início ao colonialismo português naquele território.

Na altura, Gungunhana e três outros líderes foram presos e exilados na Ilha açoreana da Terceira. Zixaxa era um dos três. Em Moçambique, outros familiares de Gungunhana fugiram para o que é hoje a África do Sul.

Zixaxa, cujo nome realmente era Mamatibejana, ou Nuamantibiane, liderava uma pequena tribo localizada perto da então pindérica Lourenço Marques e que era tributária de Gungunhana. Foi ele quem instigou e liderou dois ataques a Lourenço Marques, em 14 de Outubro de 1894 e 7 de Janeiro de 1895. Ambos ataques foram repelidos pelos locais com dificuldade e mortes para ambos os lados.

Lourenço Marques sob ataque, Outubro de 1894. Vista junto da Avenida da República, ao fundo uma barreira sela a (agora) parte velha da pequena cidade, os residentes armados em milícias, contra os homens de Zixaxa. Note-se o canhão à esquerda atrás do homem com um casaco branco, e à direita, os homens armados e de vigia. Os dois ataques não sucederam em penetrar o perímetro da urbe, que, nervosa, aguardava a chegada de reforços, que só chegariam em meados de Janeiro de 1895.

Foi principalmente pela ameaça constituída por Zixaxa e na sequência destes ataques que Portugal, com grande custo (o país estava literalmente falido) enviou uma expedição militar para proteger a pequena cidade e “pacificar” a região.

Zixaxa na Ilha açoreana da Terceira, anos 20.

Da Wikipédia retirei as seguintes inscrições (editado):

Roberto foi feito prisioneiro por Joaquim Augusto Mouzinho de Albuquerque no território de Chaimite, aldeia sagrada dos nguni, no dia 28 de Dezembro de 1895 juntamente com Ngungunhane, e as esposas deste. Neste acontecimento foram feitos também prisioneiros os irmãos de Roberto, António da Silva Pratas Godide e José Frederico Molungo.

Em 6 de Janeiro de 1896, foram entregues aos cuidado do então Governador Geral de Moçambique, tendo seguidamente sido mandados a bordo do navio “África”, em que embarcaram no dia 12 de Janeiro para a Metrópole, tendo chegado a Lisboa no dia 13 de Março tendo sido de imediato alojados no Forte de Monsanto.

Foram mandados para a ilha Terceira, Açores, no dia 22 de Junho a bordo da canhoeira “Zambeze”, tendo chegado à cidade de Angra do Heroísmo às 16 horas do dia 27 de Junho, tendo de imediato sido levados para o Fortaleza de São João Baptista onde viveram até á dia da sua morte.

Zixaxa casou com Maria Augusta, filha de João de Sousa, natural da Ribeirinha, e de Francisca Vila d´Amigo, natural de Espanha, de quem teve um filho, Roberto Francisco Zixaxa.

Sobre os nguni, um jornal açoreano publicou o seguinte:

O Império de Gaza foi fundado pelo povo nguni (vátuas ou aungunes, na terminologia colonial), um dos ramos dos zulu. Vêm do sul empurrados pela guerra civil que lavra desde o início do século XIX.
Os ngunis eram excelentes guerreiros conhecedores das tácticas e técnicas de combate, grandes organizadores de exércitos.
Quando penetram em Moçambique, por volta de 1820, subjugam os povos aí instalados, escravizando-os: chopes, tsongas, vandaus, bitongas. Dominam-nos provocando rivalidades entre eles, com execuções individuais, massacres e até genocídio sistemático, em particular no caso dos chopes, a etnia acantonada no litoral só definitivamente subjugada pelos portugueses em 1893.
O chefe Sochangane (avô de Ngungunhane), depois chamado Manukuse, alarga o reino — a que dá o nome de Gaza em homenagem ao seu bisavô — e estabelece a capital em Chaimite, mais tarde tornada na aldeia sagrada dos ngunis.

Gungunhana (sentado, à esquerda) e os seus familiares na Terceira, Abril de 1899. Zixaxa de pé, à direita, Godide de pé logo atrás do Pai e Molungo sentado ao lado.

Um curiosidade sobre o forte de S. João Baptista, na Ilha Terceira, onde Gungunhana e os seus familiares viveram, é o de ter sido o mesmo onde, dois séculos antes, esteve efectivamente detido, entre 1669 e 1674, o rei português D. Afonso VI, cuja vida daria um verdadeiro filme de terror em Hollywood.

Em 2005, viviam na Terceira Roberto Zixaxa (IV), Berta Zixaxa e Bianca Zixaxa, descendentes directos de Zixaxa. Que, para variar, por causa das misturas, são praticamente brancos. E açoreanos. Mas cientes do passado familiar.

 

Leitura adicional: Maria da Conceição Vilhena, Quatro Prisioneiros Africanos nos Açores

10/09/2017

CELEBRAÇÃO DA BATALHA DE MAGUL, ANOS 50

Filed under: Batalha de Magul 1895, Gungunhana - líder tribal — ABM @ 21:36

Fotografia de Cristina Pereira de Lima, retocada por mim.

 

Uma missa campal em celebração junto de um monumento erguido no local onde se combateu a batalha de Magul, anos 50.

O colonialismo português naquilo que hoje é Moçambique começou em Outubro de 1894 em reacção a um ataque, por parte de um conjunto de tribos em redor da minúscula Lourenço Marques, à então pequena mas estratégica urbe, onde se ultimava a construção de uma linha ferroviária que ligaria a Baía com Pretória e Joanesburgo, e se planeava já a construção de um cais, mesmo ao lado dessa linha ferroviária. Entre Outubro de 1894 e Janeiro de 1895, quando finalmente chegou um navio com um punhado de tropas de Portugal e Angola, a pequena cidade contava impacientemente os dias, enquanto que ao larga na Baía um conjunto de navios estrangeiros marcavam presença para proteger os seus nacionais. A História regista que a pequena cidade foi salva de um saque na Batalha de Marracuene, um canto idílico uns 25 kms a Norte, junto ao Rio Incomáti, em 2 de Fevereiro de 1895 – um sábado.

Mas se essa vitória foi importante para Lourenço Marques, em pouco resolveu a situação em relação aos Ngunis, um grupo étnico zulu que, umas décadas antes, migrara para a região, vindo do Natal, e que, através de guerras e da força, submeteram uma parte substancial das tribos no Sul do que é hoje Moçambique.

O seu líder era Gungunhana, que estava no centro de intensas movimentações que envolviam, para além dos portugueses, que achavam que já tinham assegurado diplomaticamente os seus “direitos de soberania” junto do Reino Unido, em 1891, os britânicos que mandavam na África do Sul (de entre os quais se destacava Cecil Rhodes) e ainda os Boers do Transvaal. Na verdade, todos queriam Lourenço Marques, e achavam que Gungunhana poderia ser a chave para a expulsão dos portugueses de Lourenço Marques, abrindo a possibilidade de incorporar a região no Império britânico. Londres cumpriu o acordado, desencorajando as movimentações em curso no terreno e deixando Gungunhana entregue ao seu destino.

Estando os portugueses armados com metralhadoras Maxim, que os Ngunis não possuiam, e assentando a unidade nguni num precária alinaça de terror intertribal, a luta seria desigual.

A seguir à batalha em Marracuene, o pequeno destacamento português chegado em Janeiro a Lourenço Marques conduziu um conjunto de operações militares cirúrgicas (até porque não dispunham nem de meios humanos nem meios materiais) com o objectivo de neutralizar a ameaça militar dos Ngunis no Sul do então Distrito de Lourenço Marques.

E o momento-chave dessa estratégia foi a batalha de Magul, ocorrida naquele local em Gaza, a 8 de Setembro de 1895, um domingo.

O seu desfecho teria consequências claras: se os portugueses perdessem essa batalha, perderiam o Sul de Moçambique para Gungunhana e provavelmente para a África do Sul e Cecil Rhodes. Ao vencerem, efectivamente neutralizaram a ameaça Nguni e preservaram a então nascente colónia, tal como existe hoje a nação de Moçambique.

A prisão de Gungunhana, ocorrida dois meses e meio depois, foi uma iniciativa pessoal de um então oficial português pouco conhecido, contra as ordens expressas do Comissário Régio António Ennes. Se foi intensamente badalada e inspirou gerações de portugueses e mais tarde moçambicanos, de uma forma ou outra, a verdade é que o verdadeiro momento de viragem no conflito pelo controlo do território a Sul do Rio Save foi esta batalha em Magul.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: