THE DELAGOA BAY WORLD

31/05/2019

FESTA DE ANO NOVO NA BEIRA, 1963

Fotografia gentilmente cedida por José Ascenção Gaspar, retocada.

 

Passagem de Ano na Beira, 1963. José Gaspar é o segundo na fila, a contar de trás, de óculos. Parece que estão no parque de estacionamento de um clube.

RECEPÇÃO AOS CALOIROS DO LICEU SALAZAR EM LOURENÇO MARQUES, 1962

Fotografia gentilmente cedida por José Ascenção Gaspar, retocada.

 

Recepção aos alunos caloiros no Liceu Salazar, 1962. O José está de gatas atrás do primeiro caloiro de gatas….

30/05/2019

LOURENÇO MARQUES E A DELAGOA BAY DEVELOPMENT CORPORATION, LTD,1905

 

O estudo de como Lourenço Marques evoluiu, especialmente da óptica de quem realmente tomou as decisões e meteu lá o dinheiro ainda está um pouco por esclarecer, uma vez que a maior parte dos académicos que li ou ainda estão a bater nas teclas da libertação e do racismo ou de como o colonialismo era isto e aquilo, ou de como os portugueses eram isto ou aquilo. Claro que não deixa de ser interessante e relevante como foi construir Roma e Joanesburgo – e se calhar é tudo verdade- mas haja santa paciência: há mais que isso para analisar.

Veja-se por exemplo, como realmente foi desenvolvida e financiada parte da infra-estrutura de Lourenço Marques: com capital britânico e sul-africano.

Em baixo, o anúncio, publicado no jornal londrino The Standard, de 10 de Março de 1905, de uma emissão pública de dívida, no valor de 180 mil libras, para financiar os investimentos que a The Delagoa Bay Development Corporation, Limited estava a fazer em Lourenço Marques, nomeadamente no sistema de fornecimento de água à Cidade, do qual a empresa era a concessionária exclusiva, no sistema de transporte público de eléctricos, na compra da companhia local de telefones, de alguns terrenos e ainda na edificação do Capitania Building. Anos mais tarde (1910) a empresa adquiriria ainda a concessionária do fornecimento de electricidade (a Compagnie Genérale d’Electricité de Lourenço Marques).

Duas curiosidades: as presenças de Baltazar Freire Cabral no Board da Delagoa Bay Development Corporation Ltd, e de William Pott no Board da Henderson’s Transvaal Estates Ltd. Eles deviam ser a “Maputo connection” para estas empresas, um pouco como se faz hoje em Moçambique com os notáveis da Frelimo.

Se o Exmo. Leitor ler a língua inglesa, os textos em baixo são uma delícia der ler.

Em segundo plano, o Capitania Building, pertencente à Delagoa Bay Development Corporation, Limited e sua sede em Lourenço Marques. Em primeiro plano, a futura Praça 7 de Março, ainda um pardieiro, a ser aterrada para ali se fazer um jardim, 1903. Esta imagem surge num estudo de Zamparoni para ilustrar (segundo ele) as condições de exploração e mau tratos infligidos aos indígenas, nomeadamente que não usavam camisa no trabalho. Ao fundo, a Ponta Vermelha.

Não menos interessante era perceber a quem pertencia a The Delagoa Bay Development Corporation: ao conglomerado anglo-sul africano Henderson’s Transvaal Estates, Limited. Para ver quem era esta entidade, ler em baixo.

A

SOBRE A HENDERSON’S TRANSVAAL ESTATES

Cito a referência contida na obra de Walter H. Hills, The Anglo-African Who’s Who and Biographical Sketch-Book, página 47:

The enormous interests and holdings of Henderson’s Transvaal Estates, Limited, in the Transvaal and other parts of South Africa, place it in the front rank of land and mining corporations in that country. Henderson’s Transvaal Estates, besides carrying  on operations on some of its own properties in various parts of the Transvaal for the  purpose of proving the existence of and developing gold or other ore bodies, controls  several companies, and, generally speaking, as far as present conditions will allow, it is doing its share to advance the material interests of the country.

The capital of the company is 2,000,000 £, and the directors include Messrs. J. C. A. Henderson (chairman),
W. Bryson Butler (general manager), Alfred Gaussen, E. J. Halsey, Geo. Lawson Johnston, and Roger C. Richards. The local committee at Johannesburg is composed of Messrs. T. W. G. Moir, Emrys Evans, C.M.G., Samuel Thomson, G. W. Cooke, and William Pott.

The companies under the control of Henderson’s Transvaal Estates are : Consolidated South Rand Mines Deep, Limited ; Daggafontein Gold Mining Co., Limited ; Tyne Valley Colliery, Limited ; and the Delagoa Bay Development Corporation, Limited.

29/05/2019

PIMENTEL DOS SANTOS REGRESSA A PORTUGAL, ABRIL DE 1974

Recorte do jornal lisboeta A Capital, 30 de Abril de 1974.

Manuel Pimentel dos Dantos foi o último Governador-Geral de Moçambique nomeado pelo governo de Marcelo Caetano. Na sequência do golpe militar em Lisboa no dia 25 de Abril de 1974, seria destituído pelos militares revoltosos.

 

1 de 2

2 de 2. À esquerda, Maria Fernanda Pimentel dos Santos. À direita, o ex-Governador-Geral de Moçambique. Não sei quem é o casal atrás. Saindo de um autocarro no Aeroporto de Lisboa, 29 de Abril de 1974.

28/05/2019

“O CATOLICISMO E A POLÍTICA NO CENTRO DE MOÇAMBIQUE, 1940-1986” DE ERIC MORIER GENOUD

Vai ser lançada no mercado dentro de duas semanas uma obra nova e fascinante da autoria do Professor Eric Morier-Genoud (Professor de História de África na Queen’s University em Belfast, no Reino Unido ) um dos académicos de referência da actual geração relativamente a Moçambique.

Intitulada ” O Catolicismo e a Política no Centro de Moçambique, 1940-1986″ (no original, Catholicism and the Making of Politics in Central Mozambique, 1940-1986) o trabalho analisa um tema de eminentíssimo interesse e importância para um melhor entendimento da história recente de Portugal, de Moçambique e da Igreja Católica, relacionado com os eventos na Beira e no Centro de Moçambique, no periodo decorrido entre 1940, ano da Concordata e do Acordo Missionário, e 1986, .

O livro será publicado em língua inglesa, seguindo-se posteriormente, espera-se, uma edição em língua portuguesa.

Capa da nova obra de Eric Morier-Genoud.

Com 264 páginas, o livro tem a seguinte estrutura:

Introdução
A construção da diocese da Beira
Diversidade e Dinâmica da Igreja Imperial
A formação de uma igreja africana
O Surgir da Tempestade: o Vaticano II encontra o nacionalismo africano
Descolonização? Guerra, Implosão e o Vaticano
Independência: entre a revolução e a contra-revolução
Epílogo, Notas e Bibliografia

Para além de escritinar o complexo panorama católico moçambicano nas décadas antes e depois da Independência, a obra debruça-se sobre, entre algumas figuras paradigmáticas do catolicismo português daquela era e referidos neste blog, tais como os Cardeais Manuel Cerejeira e Teodósio Clemente de Gouveia, e os Bispos Dom Custódio Alvim Pereira e Dom Sebastião Soares de Resende, o primeiro bispo da Beira.

O Professor Eric Morier-Genoud.

Uma nota do editor descreve assim a obra:

Este livro foca-se na diversidade interna e complexidade da Igreja Católica. Destina-se a explorar, decifrar e explicar como funciona a instituição católica, como as suas políticas são feitas e como estas impactaram o contexto em que operava. Usando a diocese da Beira no centro de Moçambique como estudo de caso, e seguindo os pensamentos de Max Weber, o autor, Eric Morier-Genoud, adoptou uma nova abordagem “horizontal” de olhar as congregações dentro da Igreja como uma série de entidades autónomas, em vez de se concentrar na estrutura hierárquica da Instituição.

Entre 1940 e 1980, haviam na diocese da Beira cerca de quinze congregações diferentes, desde jesuítas a franciscanos, de burgos a padres Picpus. Como aconteceu em muitas outras áreas do mundo, a década de 1960 trouxe conflito às congregações católicas no centro de Moçambique, com o nacionalismo africano e as reformas do Vaticano II desempenhando um papel de relevo. O conflito manifestou-se de muitas maneiras: a fuga de um bispo da sua diocese, uma congregação abandonando o território em protesto contra o conluio entre igreja e estado e uma declaração de luta de classes na igreja. Todos estes eventos, ocorridos no contexto da guerra pela independência de Moçambique, tornam a região um local especialmente frutífero para a análise pioneira oferecida neste importante estudo.

A publicação tem a chancela da Imprensa da Universidade de Rochester. Para mais informação sobre o lançamento, ler aqui.

27/05/2019

O CARDEAL TEODÓSIO CLEMENTE DE GOUVEIA (1889-1962): UMA EVOCAÇÃO

Interessante crónica de João Márcio de Matos, publicada no Jornal da Madeira em 22 de Maio de 2019 (e aqui reproduzida com vénia) assinalando o 130º aniversário do nascimento, na Ilha da Madeira, daquele que veio a ser o primeiro Cardeal católico em Moçambique e em África. Creio que o Cardeal está sepultado no chão da Sé Catedral da actualmente Cidade de Maputo.

Teodósio

(início)

TEODÓSIO: O CARDEAL ESQUECIDO

Não tem o seu nome em praça, ou rua, na capital da sua ilha. Tão pouco estátua, placa, nem mesmo retrato nos corredores do poder onde se enfileiram estaturas. As únicas referências públicas permanentes circunscrevem-se à sua freguesia natal, aquela terra que carinhosamente chamava de sua “Pátria pequena”. Teodósio Clemente de Gouveia, o príncipe da Igreja, o cardeal madeirense, nasce a 13 de Maio de 1889, às 8h00, no sítio de São Pedro, junto à capela com o mesmo nome em São Jorge. Frequentou a escola pública local e entrou para o Seminário Claretiano do Funchal a 4 de Outubro de 1905. Em 1910, tendo sido o seminário confiscado pelos revolucionários republicanos, D. Teodósio foi levado para Paris, onde prosseguiu os estudos até à invasão alemã de 1914 (tendo-se refugiado, então, na comuna francesa de Dax). Em 1916 dirigiu-se a Roma, onde frequentou a Universidade Pontifícia Gregoriana, doutorando-se em Teologia e Direito Canónico. Foi ordenado sacerdote a 19 de Abril de 1919. De 1920 a 1921 cursou na Escola de Estudos Sociais de Bérgamo, tendo também sido admitido na Universidade de Lovaina.

Quando regressa à Madeira em 1922, torna-se alvo da estreiteza provinciana de um meio eclesiástico minado pelo carreirismo e pela inveja. O seu brilhantismo acossa a mediocridade instituída – nunca foi homem de se reger pelo denominador comum. Profundamente magoado, volta a Roma no final da mesma década, onde o destino o impele a assumir a reitoria do Colégio Pontifício Português, vindo a ser, igualmente, reitor da Igreja de Santo António dos Portugueses. Pio XI, vislumbrando o potencial daquele homem reservado e discreto, nomeia-o Camerlengo Privado e Prelado Doméstico, com o título de monsenhor. A 18 de Maio de 1936, D. Teodósio é designado Prelado de Moçambique e Bispo titular de Leuce, recebendo a ordenação episcopal no dia 5 de Julho. Mais tarde, a 4 de Setembro de 1940, é nomeado primeiro Arcebispo de Lourenço Marques (actual Maputo), tendo tomado posse da arquidiocese a 18 de Janeiro de 1941.

Em Moçambique, fiel ao seu lema episcopal, “Omnibus Omnia Factus” – “Feito Tudo Para Todos”, abre as portas do ensino a todas as raças. Funda inúmeras escolas, aplica fundos diocesanos na construção de unidades de saúde básica e providencia respostas aos casos mais gritantes de pobreza entre a população indígena. Atreve-se mesmo, nas suas cartas pastorais, a falar de um futuro de autonomia progressiva para as colónias. O Papa Pio XII eleva-o à dignidade de cardeal-presbítero a 18 de Fevereiro de 1946, tornando-o o primeiro cardeal com sede episcopal em África. Segundo a Santa Sé, a sua elevação ao Colégio dos Cardeais serviu para enfatizar “o direito dos povos coloniais a uma representação efectiva nos assuntos mundiais”. Em 1958 participa, como cardeal-eleitor, no conclave que elege João XXIII. A pedido do Papa, integrará a comissão preparatória do Concílio Vaticano II, o sopro que revolucionará toda a Igreja. Morreu de leucemia no dia 6 de Fevereiro de 1962, pedindo em testamento que distribuíssem o que deixasse de dinheiro pelos pobres de Lourenço Marques e do Funchal. “Nasci pobre. Pobre tenho vivido. Pobre quero morrer.”

O seu cunho, nos caminhos sinuosos do dramático século XX, é indiscutível – ainda que incompreensivelmente apagado dos círculos académicos onde se canonizam os colossos da História, e bem longe de corriqueiras evocações que afagam uma identidade islenha despida de referências. Na semana em que se cumpriram 130 anos do seu nascimento, o governo da sua região achou por bem remover a única invocação de D. Teodósio num edifício público, pela supressão da escola que ostentava o seu nome, sumariamente apagado numa espécie de “damnatio memoriae”.

“Chorar… Chorar sempre… Sempre! Chorar um passado que não volta mais! Chorar um presente que me foge vazio. Chorar o futuro que me põe na cruel incerteza do amanhã. Chorar ante a impotência. Chorar amorosamente no fragor da repressão de afectos puros a que renunciei para sempre. Chorar sobre os destroços de um coração que já me não pertence, porque o dei todo.” (​Teodósio, Anotações Íntimas).

(fim)

26/05/2019

OS REBELO DE SOUSA NO PALÁCIO DA PONTA VERMELHA EM LOURENÇO MARQUES, 1969

Imagem retocada.

A fugaz passagem de Baltasar Rebelo de Sousa por Moçambique – onde esteve no topo da administração colonial de cerca de dois anos, entre meados de 1968 e o primeiro semestre de 1970 – impressionou muito menos pela substância que pelo estilo, que, retrospectivamente, era a substância e que constrastava quase completamente com o cinzentismo reiterado dos seus antecessores e sucedâneos no cargo de Governador-Geral da sedutora mas perpetuamente problemática colónia africana, para o qual eram nomeados por despacho de Lisboa.

No seu caso, nomeado, ainda, pelo Dr. Oliveira Salazar, que também, antes da queda da cadeira no pequeno forte onde veraneava em São João do Estoril (agora um visitável museu) e do AVC, decidira ainda mandar construir a faraónica Cabora-Bassa a reter as águas do Zambeze, lá nos confins de Tete e a produzir electricidade basicamente de borla para os boers.

Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar e uma espécie de compagnon de route de Baltasar dos seus tempos da Mocidade Portuguesa e dos corredores da União Nacional, o partido único da altura (sucedido efectivamente pelo actual partido único composto pelo duopólio PS e PSD), assim que pôde puxou-o para o pé de si na capital do já atribulado Império Português, do qual ostensivamente desistiria voluntariamente em Fevereiro de 1974, quando Spínola insitiu em publicar Portugal e o Futuro, dois meses antes do golpe militar organizado pelo Lourenço-marquino major Otelo de Carvalho.

Adicionalmente a uma queda, genial e até então largamente desconhecida do público cativo da ditadura, para o protocolo e as relações públicas, que se primava pela informalidade, pela proximidade, e pela simpatia por praticamente tudo e todos, e todas, com talvez a excepção dos terroristas da Frelimo (e mesmo aí, presume-se, estritamente por razões conveniência de serviço), Baltasar, que desempenhou os seus dois anos com irrepreensível competência – no resto aparentava ser um produto ideologicamente acabado do regime criado por Salazar- trazia consigo na bagagem para Lourenço Marques uma arma formidável e inédita, que se revelaria crítica para a posterior percepção da sua passagem: uma família motivada e detalhadamente preparada para o papel, previamente inexplorado ao ponto da quase inexistência, de primeira família do Moçambique colonial, com todos os seus tiques e apartheids sociais, económicos, culturais, religiosos e especialmente raciais.

Se só por um breve momento, os portugueses, e moçambicanos, de todas as cores, ficaram rendidos e distraídos.

Baltasar foi, por exemplo, o único governador na História de Moçambique que, pessoalmente, tratou os pretos e os monhés de Moçambique como gente, com respeito, descomplexadamente, quase como concidadãos.

 

Numa das salas do Palácio da Ponta Vermelha em Lourenço Marques, 1969. Os três filhos de Baltasar e de Maria das Neves entretêm os convidados. Ver a mesma imagem indexada, em baixo.

A forma como Baltasar encarou a sua missão, naquele ano de 1968, e a sua interpretação do papel de Portugal no futuro da colónia, descrita no seu discurso feito no salão de festas do Liceu Salazar em Abril de 1969 durante a visita do seu amigo Marcelo (caetano), foi, se só por isso, uma vertigem de contraste com a realidade de então, senão, afinal, uma cruel ilusão, em última instância uma ironia quase quixotesca, que a Frelimo e os seus acólitos depressa corrigiriam marcialmente e com rigor marxista, impondo, assim que os capitães portugueses rebeldes lhes entregaram apressada e solicitamente o poder e o resto no dia 20 de Setembro de 1974, um longo e miserável Gulag,  pondo um fim à bem intencionada visão da criação, em Moçambique, de uma sociedade multiracial, multicultural, religiosamente diversa, democrática e com níveis elevados de crescimento económico e social.

Pois não haveria, não poderia haver qualquer piedade para com os colonos brancos malvados, especialmente esses – e essas – que os haviam oprimido durante quinhentos anos seguidos (foram oitenta mas não interessa). Nem com os seus filhos.

E não houve. E assim, com possivelmente a excepção da família do Mia Couto, que apesar de branca e de origem portuguesa como eu (vindos da rival Beira, ainda por cima) se professou laudatória e convictamente como “moçambicana de gema” (traduzindo: mais moçambicana que eu, apenas porque na altura achou por bem submeter-se ao terror do Gulag frelimiano, assegurando assim o novo, precioso BI do novo regime) a esmagadora maioria dos brancos restantes no território, preferiu celeremente fugir ou sair para o mundo, uma decisão que, retrospectivamente, foi tão sábia para si como trágica, para o futuro do, actualmente, sétimo país mais miserável do mundo e um dos mais corruptos, em que um recente presidente demonstradamente orquestrou um roubo descarado de dois mil milhões de dólares e ainda se passeia pela capital, livremente discursando o seu patriotismo e apego ao maravilhoso povo.

A família de Baltasar incluía a sua mulher Maria das Neves e três jovens filhos (estão na fotografia), minuciosamente educados para uma irrepreensível conduta pública. E neste núcleo, distinguiria dois factores críticos de sucesso: a enorme cumplicidade entre o casal, e a discreta e inteligente genialidade de Maria das Neves, que, nalguns aspectos, apesar de algum esforço de manter aquela discrição feminina submissa ainda muito apreciada na sociedade portuguesa, era ainda assim tida como tão ofuscante que Baltasar era, por comparação, injusta e maliciosamente, desconsiderado pelas má-línguas de Lourenço Marques não como o Governador-Geral, mas o marido de Maria das Neves. Alguns chamavam-lhe o Baltazero, o que até era simpático se comparado com a alcunha que desmerecidamente se dava, por exemplo, a Pimentel dos Santos, outro competentíssimo tecnocrata, e que nao repetirei aqui. A chacota de quase todos os governamentes nomeados por Lisboa para irem mandar em Moçambique era uma tradição longa e nobre na capital moçambicana e Rebelo de Sousa não seria excepção.

Maria das Neves, bonita, elegante e informal, culta, ciente da sua missão e que era o que os sul-africanos do apartheid chamavam um class act, não se cingia aos tradicionais chás das 5 no palácio com as madames da elite branca da Cidade e a ocasional inauguração de mais uma traineira ou mais uma créche, que era mais ou menos o que todas fizeram antes e depois dela. Com o apoio de Baltasar, interessava-se pela arte e pelas outras culturas de Moçambique e puxou pelo seu reconhecimento e valorização, indo ao mato encontrar-se com as pessoas e trazendo-as ao Palácio da Ponta Vermelha, a sumptuosa residência dos Governadores-Gerais desde que António Ennes chegara a Lourenço Marques no início de 1895 para salvar a pequena cidade das investidas das tribos locais e ali ficara a residir numas casas que tinham sido da Concessão do Coronel McMurdo que ali havia (da linha férrea entre Lourenço Marques e Pretória, que seria inaugurada seis meses mais tarde).

Maria das Neves no Residência do Governador-Geral em Lourenço Marques, cerca de 1969.

O mandato de Baltasar seria dos mais curtos de todos os governadores-gerais desde 1926. Em seguida iria ser ministro de Caetano em Lisboa e seria sucedido no cargo por Arantes de Oliveira, um apagadíssimo mas inteligentíssimo tecnocrata, que se focaria em concluir a megalómana Barragem de Cabora Bassa, enquanto o General Kaúlza de Arriaga fazia a guerra à moda do Vietname, numa escalada que fora acompanhada pelos financiadores da Frelimo, que, na sequência do assassinato do Dr. Mondlane em Fevereiro de 1969,  já se haviam radicalizado e cheiravam sangue no ar, especialmente depois de o Papa, Paulo I, sem qualquer aviso, ter recebido no Vaticano os representantes das guerrilhas africanas, incluindo o perpetuamente incontornável e agora celebrado nonagenário, Marcelino dos Santos.

Naquela altura, Caetano já ia empurrando o desfecho final com a barriga, sendo a obstinação de Salazar com as colónias seguida pela rigidez negocial de Américo Tomás, impedindo, no final a sua visão da criação de uma espécie de commonwealth, certamente seguida de independências formais. Mas já era tarde demais para uma descolonização à britânica.

No final de 1973, à guiza de uma questão algo esdrúxula de estatuto, carreira e remuneração, os oficiais júniores do exército conspiraram e, quase surpresos, descobriram apoios fortes a quase todos os níveis e pelo menos a complacência de Caetano. À segunda vez, sucederam, ao som do Grândola Vila Morena e com um breve sopro, derrubar a ditadura.

Nesse dia, resignado, Baltasar, ministro, esperou pacientemente pelo desfecho da intentona no seu gabinete e à tarde  entregou as chaves do seu carro de serviço e foi para sua casa na Rua de São Bernardo, de onde mais tarde seguiu, com Maria das Neves, para um exílio inesperado no Brasil.

Baltasar Rebelo de Sousa e a sua mulher nunca foram esquecidos em Moçambique, mesmo durante o pior do ressábio anti-português da Frelimo. Ficou no ar o mito daquela espécie de primavera, a simpatia empenhada do casal e aquela vertigem do que poderia ter sido mas que nunca seria.

É em parte por causa disto tudo que, quem viveu essa era e agora analisa o desempenho do seu filho mais velho, que desde novo apostou na democratização do regime (pelo PSD, o lado direito da actual União Nacional) e sucedeu recentemente em ser eleito presidente da república portuguesa, tem a mais estranha sensação de dejá vu.

A sensação de que, salvaguardadas as abissais diferenças nos meios de comunicação e natureza dos regimes, se está perante uma espécie de Governador-Geral de Portugal, com a singular diferença de que Portugal, pese a propaganda e o engodo histórico e ideológico agora em voga, não teve nem tem o passado ou sequer a vocação multicultural multiracial e multi-religiosa que uma vez existiu na sua antiga colónia da África Oriental.

La em cima, presume-se, Baltasar e Maria das Neves estarão a sorrir.

A mesma imagem, indexada. 1- (?); 2- (?); 3- (?); 4- (?); 5- António Rebelo de Sousa; 6 – Marcelo Rebelo de Sousa; 7 – (?); 8 – (?); 8- (?); 9- Malangatana Valente; 10 – Pedro Rebelo de Sousa; 11- (?); 12- (?); 12- (?). Se o Exmo. Leitor conhecer alguma das pessoas não identificadas, por favor escreva para aqui uma nota com a informação que tiver.

 

25/05/2019

AUGUSTO VAZ SPENCER NOMEADO GOVERNADOR DO DISTRITO DE LOURENÇO MARQUES, 1963

Filed under: Augusto Vaz Spencer — ABM @ 20:23

Recorte do jornal A Noite, 2 de Setembro de 1963, publicado no Brasil.

Para ler mais sobre Augusto Vaz Spencer, ver aqui.

Uma notícia da tomada de posse de Vaz Spencer do cargo de Governador do Distrito de Lourenço Marques a 17 de Maio de 1963. Ainda hoje, há ruas com o seu nome em Inhambane, na Machava e em Ressano Garcia. Ooops.

24/05/2019

VELHOS COLONOS NA BAIXA DE LOURENÇO MARQUES, 1963

Imagens retocadas, a partir de um original, colhido por Ricardo Rangel.

 

Na esquina das Avenidas da República e Dom Luiz, na Baixa de Lourenço Marques, 1963. À esquerda, um ardina a vender uma edição do Notícias. À frente dos dois homens, do outro lado da rua, podem-se ver o stand da Rifa Anual da Associação dos Velhos Colonos, a sede do Banco Standard e parte dos edifícios da Casa Coimbra e ao fundo a futura sede do Banco Nacional Ultramarino, então em acabamentos.

 

Detalhe da mesma imagem. Ao centro, um polícia sinaleiro, comum na Cidade até aos anos 70 e que controlavam o trânsito nas horas de ponta, que naquela altura duravam cerca de cinco a dez minutos.

 

 

23/05/2019

FIGURAS DA RÁDIO E DA CANÇÃO DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 60

Imagem retocada.

 

Imagem tirada no palco do Auditório do Rádio Clube de Moçambique. Da esq. para a direita: o Maestro Artur Fonseca, a cantora Natércia Barreto, Maria (cantora  nascida em L.M., naturalizada sul-africana – ver em baixo), Berta Laurentino  e Aníbal Coelho.

 

Sobre Maria

Carmélia Maria Nato Lopes was born in Lourenço Marques (now Maputo) in Mozambique, on 4 March 1945. She was raised in Johannesburg, South Africa, and in 1964 started singing professionally at venues such as Archies nightclub and the Lourenço Marques restaurant, both in Hillbrow, as well as at the Top of the Carlton. She was discovered by Dickie Loader when she sang backing vocals on one of his singles. She subsequently had 4 South African Top 20 hits, with “Clap Your Hands, Stamp Your Feet” going to number 1 in 1973, and charting for 19 weeks. She won a SARIE award for Top 20 Artist of the Year in 1974. Maria passed away in 1980.

Below – the 1974 song Scratch my Back (LP version)

The song below – Right or Wrong- was released in South Africa on 7″ single in 1968, and was also released on the album “This Is Maria”, also in 1968. It’s a cover of a Wanda Jackson song from 1961.

22/05/2019

O NAVIO GELDERLAND QUE LEVOU PAUL KRUGER DE LOURENÇO MARQUES PARA A EUROPA, 1900

Imagens retocadas.

No fim do que se revelou ser a primeira fase da 2ª Guerra Anglo-Boer (1899-1902), Paul Krueger saiu de Pretória, a capital da República Sul-Africana (Transvaal) mesmo antes do exército britânico capturar a cidade e viajou para Lourenço Marques num comboio especial. Ficou algumas semanas na pequena capital da colónia de Moçambique, de onde um navio de guerra do Reino da Holanda, eniado pela Rainha Guilhermina, o transportou para o exílio na Europa, desembarcando o histórico líder boer em Marselha no dia 22 de Novembro de 1900.

Postal com imagem do Gelderland, alusivo à viagem em que foi buscar Kruger a Lourenço Marques em Outubro de 1900.

 

O HMS Gelderland no dia em que chegou ao porto francês de Marselha, 22 de Novembro de 1900, trazendo Paul Kruger para o exílio europeu.

 

Paul Kruger, o Presidente da República Sul-Africana (Transvaal) desembarca do Gelderland.

 

Mais uma imagem do Gelderalnd em Marselha, 22 de Novembro de 1900.

21/05/2019

ETIQUETA DE BAGAGEM DA DETA

Imagem retocada.

Para mais detalhes, ler aqui.

 

Etiqueta de bagagem da DETA. A DETA – Direcção de Exploração dos Transportes Aéreos dos Caminhos de Ferro de Moçambique – foi a primeira companhia aérea portuguesa a realizar vôos regulares, em meados da década de 1930 (26 de Agosto de 1936). No início da década de 1970 alterou a designação para DETA – Linhas Aéreas de Moçambique. Após a independência, a sua designação evoluiu para LAM -Linhas Aéreas de Moçambique. Actualmente a empresa de capitais maioritariamente públicos com cerca de 3 aviões delapidados e 700 empregados está (completamente) falida e existe a expectativa de ser extinta, a não ser que o João Jorge faça um milagre.

20/05/2019

A MANSÃO DOS VELHOS COLONOS EM LOURENÇO MARQUES, 1934

Filed under: Assoc Velhos Colonos de Moç, LM Velhos Colonos — ABM @ 19:32

Recorte da revista da Sociedade Luso-Africana do Rio de Janeiro, 1934, imagens retocadas.

 

Desenho do plano da Mansão dos Velhos Colonos em Lourenço Marques, 1934. Na verdade, apenas seria edificado o prédio na esquina.

 

Texto que acompanha a imagem em cima.

19/05/2019

“PÁGINAS INDÍGENAS” DO SUPLEMENTO DO NOTÍCIAS DE LOURENÇO MARQUES, 1933 E 1934

Imagens retocadas.

É uma curiosidade interessante: nos cerca de ano e meio em que foi publicada, entre 1933 e 1934, a revista ilustrada do Notícias de Lourenço Marques, que assinalava principalmente os eventos da sociedade lourenço-marquina, achou por bem publicar, nalgumas edições, uma “página indígena”, colocando as imagens que se podem ver em baixo.

Sendo o editor do suplemento (acredito) contra o regime que Salazar consolidava a partir de Lisboa, a revista foi descontinuada em 1934, quando foi mais uma vez estabelecida a censura em territórios portugueses.

O Ilustrado de LM, Nº4, 15 de Maio de 1933, p.67.

 

O Ilustrado de LM, Nº5, 1 de Junho de 1933, p.95.

 

O Ilustrado, Nº6, 15 de Junho de 1933, p.108.

 

O Ilustrado de LM, Nº10, 15 de Agosto de 1933, p.192.

 

O Ilustrado de LM, Nº18, 1 de Janeiro de 1934, p.441.

18/05/2019

O ANTIGO BAZAR DE LOURENÇO MARQUES, FIM DO SÉCULO XIX

Filed under: LM Bazar antigo — ABM @ 15:27

Imagem retocada.

Antes de ser construído o bazar defronte à Avenida da República (antes Avenida D. Carlos, agora Avenida 25 de Setembro), havia um bazar na pequena cidade, que depois foi encerrado.

Pessoas junto do bazar da então pequena Lourenço Marques, pouco antes da inauguração do “novo” bazar. A mistura humana é interessante.

16/05/2019

GISELE HARDY EM LOURENÇO MARQUES

Imagens gentilmente cedidas por Gisele Hardy, que nasceu e cresceu em Moçambique.

 

Gisele, em primeiro plano, com a Avò e um senhora que não está identificada.

 

Gisele com os Pais. Fred Hardy era na altura o Administrador Delegado da Caltex em Moçambique.

 

Gisele na Primeira Comunhão.

 

Gisele, já adolescente, vivendo fora de Moçambique.

 

Gisele, que cursou enfermagem, atende uma paciente. Aqui adulta e já fora de Moçambique.

O PRIMEIRO VÔO DIRECTO TAP A JACTO ENTRE LISBOA E LOURENÇO MARQUES, 1 DE JUNHO DE 1970

Recortado da Revista da InterTAP, Ano IX, Nº29 (Abril-Junho de 1970), pp. 5 e 16.

Para mais eventos da TAP e Moçambique, ver aqui, aqui e aqui.

Página 5. Note-se a gralha em baixo, erradamente dando a data do primeiro voo directo a jacto da TAP entre Lisboa e Lourenço Marques como tendo sido 1 de Julho em vez de 1 de Junho de 1970.

 

Página 16. Assinalando a efeméride com sêlos e carimbos.

15/05/2019

A HISTÓRIA DO BAZAR DE LOURENÇO MARQUES, CONTADA POR ANTÓNIO SOPA

O texto que segue é da autoria do grande António Sopa, aparece aqui e que foi editado por mim.

Sobre Carlos Augusto José Mendes, o arquitecto português (originário de Aveiro) que desenhou o edifício e que o Sopa esqueceu-se de mencionar (em baixo, ele refere que o projecto foi assinado por Fernando Maria Quintela), ler aqui.

O Bazar de Lourenço Marques.

História do Mercado Municipal Vasco da Gama em Lourenço Marques

Começou a falar-se na construção de um bazar para  Lourenço Marques ainda mal a povoação existia. A cidade era apenas uma visão grandiosa, esboçada no papel por vontade dos seus criadores. O percurso que levou à construção do mercado é um exemplo típico da pequena história local, onde sucessivas vereações camarárias, empenhadas em dotar a cidade de infraestruturas dignas, mas sem recursos próprios suficientes, tentaram encontrar soluções viáveis, confrontando o Governo central, em Lisboa, para que assegurasse os empréstimos necessários à sua concretização.

Interior.

A primeira notícia relacionada com a construção do mercado, ainda com carácter provisório, destinado a alojar os vendedores ambulantes de peixe, frutas e hortaliças, data de 1889, quando se pretendeu edificar a zinco um barracão, a sul da Avenida 25 de Agosto, onde se pensou erguer a Estação Naval. No entanto, os desenvolvimentos posteriores conduziram rapidamente à ideia de conceber um projeto definitivo, tendo sido apresentada uma proposta, em estrutura de ferro e aço, pelo Consultório de Engenharia Civil de Lisboa, no valor de 18.000$000 réis, a que deveria acrescer o seu assentamento, calculado em mais 6.000$000 réis, não havendo informação sobre qualquer decisão relativa a este processo. Decorridos cinco anos, em 1895, assiste-se a um confronto, entre João Evangelista Viana Rodrigues e Paulino António Fornazini, para a obtenção da concessão de construção e exploração do mercado, tendo o primeiro dos concorrentes chegado a propor à Câmara Municipal de Lourenço Marques uma licitação verbal com o segundo candidato que, entretanto, acabou por desistir.

Parte de trás.

Face à demora na resolução da questão, a Câmara regressou à proposta inicial de fazer levantar uma construção provisória, tendo aprovado a sua instalação na esquina das então Avenidas Dom Carlos e (?) (depois Avenidas da República e Manuel de Arriaga, actuais Avenidas 25 de Setembro e Karl Marx), mandado retirar os vendedores da Rua Revolução de Outubro que todas as manhãs era obstruída para que se realizasse ali o mercado. A nova estrutura foi inaugurada em 6 de setembro de 1896, tendo como fiscal o porteiro da Câmara, o Senhor Júlio Elizário Xavier de Oliveira. No mesmo mês, é apresentado um processo referente a um empréstimo, no valor de 100 contos, destinado às obras do mercado e do palácio municipal. Assim que o empréstimo foi aprovado, surgiram vários projetos mas sem consequências. Somente em 1899, perante o mau estado em que se encontrava o mercado provisório, se resolveu então construir um novo edifício que deveria preencher os seguintes requisitos: ser fundamentalmente em ferro e utilizar a madeira e outros materiais, não podendo exceder a quantia de 15 a 20 contos.

A fachada.

Em 4 de Julho de 1900, é feita a encomenda da estrutura pretendida à Fábrica Promitente de Lisboa e, simultaneamente, é dada autorização para se executarem as fundações bem como os trabalhos de canalização da obra. Perante as condições apresentadas por aquela empresa, a Câmara anula a encomenda e apresenta, por sua vez, as suas contrapropostas. Na verdade, em simultâneo, solicitava a elaboração de um projeto em alvenaria à repartição técnica municipal. O projecto, assinado por Fernando Maria Quintela, teve seguimento, tendo sido encomendadas na Bélgica as asnas para a cobertura. Entretanto, fez-se um aterro na zona antiga da Praça Vasco da Gama para nele se construir o mercado. Em 10 de julho, a empreitada é, finalmente, adjudicada a David de Carvalho, pela quantia de trinta contos de réis. A construção do mercado decorreu com normalidade, registando-se apenas a o facto de um movimento grevista que ocorria na Bélgica, por aquela altura, ter atrasado a entrega dos ferros do hangar, impedindo a conclusão da obra no prazo determinado. O empreiteiro fez um pedido de autorização para se construírem mais doze lojas nas empenas, tendo sido concedido. A instalação eléctrica foi realizada pela Compagnie Générale d’Electricité, que tinha uma central eléctrica mesmo atrás do futuro bazar, pelo valor de £ 147.

O Bazar visto de Poente, implantado na Praça Vasco da Gama. Inicialmente, a parte exposta nas traseiras era assim, mais tarde a sua área será duplicada. Ao fundo atrás, a chaminé e os edifícios da central eléctrica da Compagnie Génerále d’Electricité, de capitais franceses e concessionária do fornecimento de electricidade à Cidade. Em 2015, encontrei uma das placas a assinalar a Praça à entrada de um bar na Ponta Vermelha, cuja dona, de origem grega, não sabia a que dizia respeito. Enfim.

Já praticamente em cima do dia inaugural, o empresário Isaac J. Benoliel solicitou o arrendamento do mercado, pela quantia de 1:300$000 réis mensais, para o sublocar ao público. Em 19 de setembro, as 18 lojas do bazar foram arrematadas, tendo sido entregues a 6 talhos, 6 mercearias, 1 botequim, 3 frutarias e 2 padarias. A inauguração formal do novo espaço decorreu, com toda a solenidade, em 30 de setembro de 1903.

As primeiras tentativas no sentido da ampliação do mercado remontam a 1910, quando se pretendeu fechar todo o recinto, através de uma cobertura central, para abrigar os vendedores que se encontravam ao ar livre. A iniciativa foi retomada dois anos depois, a par com a ideia de construir um novo hangar. Apesar da empreitada ter sido publicamente anunciada, não foram apresentadas propostas para a nova obra, acabando por nunca se concretizarem. As obras realizadas posteriormente envolveram a construção de uma segunda fachada, virada para a Avenida Manuel de Arriaga (agora Karl Marx).

A partir da década de 1930, o então já considerado velho bazar começa a ser posto em causa. Inicialmente, as críticas prendiam-se apenas com a localização que, face ao desenvolvimento urbano, havia deixado de ser central; em 1937, era considerado pequeno e acanhado para responder às novas necessidades. Em razão disso, houve tentativa de realizar obras de melhoramento, no âmbito das Comemorações dos Centenários da Nacionalidade e da Independência, em 1940, onde se incluía a construção de dois frigoríficos. Pela primeira vez, ouvia-se falar na hipótese de construir um novo mercado no bairro da Malhangalene. Nos finais dos anos 40 e princípios da década seguinte, era opinião consensual afirmar que o mercado era uma relíquia pouco estética e pouco higiénica do passado, estando condenado ao desaparecimento.

dd

O Bazar pouco antes da Independência, foto de René Speur.

O projeto da almejada nova construção, que deveria situar-se em local acessível na parte alta da Cidade, chegou mesmo a ter verbas inscritas no orçamento. Mas permanecia uma questão central por resolver. O dilema consistia em decidir se se construiria um grande mercado central, devidamente apetrechado, acompanhado, na medidas das necessidades, por pequenos mercados de bairro ou grupos de bairros ou, se pelo contrário, se deveria apostar apenas em mercados do segundo tipo. Em 1963, no seguimento da discussão, deu-se como certa a construção de um novo edifício, num terreno localizado em plena baixa, compreendido pelas Avenidas actualmente designadas Fernão de Magalhães, Josina Machel, Karl Marx e Filipe Samuel Magaia, tendo sido deferido o empréstimo solicitado à Caixa Económica do Montepio de Moçambique.

O estudo do plano urbanístico para a zona do Mercado Municipal, assinado pelo arquiteto Alberto Soeiro, foi apresentado publicamente em 1969. A imprensa noticiava uma “verdadeira revolução”, já que a construção do novo mercado iria alterar radicalmente a configuração daquela praça. Nesse estudo foram avançadas uma série de soluções para vários problemas.

O Bazar na Baixa, anos 60.

No que diretamente dizia respeito ao mercado, foi colocada a hipótese de o substituir por um edifício, com uma estrutura moderna, erguida em altura, com uma apreciável área reservada ao comércio. Na proposta então aprovada, para além da área da zona de carga e descarga, com 1.830m2, coberta a meia cave, com capacidade para 73 automóveis, existiam ainda 963m2 livres para o comércio, ao nível da praça e da sobreloja, e 4.495 m2para mercado, nos primeiro e segundo pisos, compreendendo uma área total de 7.288 m2. Estes números ganham maior significado se soubermos que a superfície do atual mercado é de apenas 1.700 m2 de área coberta, a que acrescem 3.276 m2 de superfície descoberta, totalizando uma área de 4.976 m2.

O Bazar, desenho de Dana Michahelles, 1972.

Outro problema que ficava solucionado tinha a ver com o parqueamento automóvel, pensando-se construir um silo automóvel com sete pisos e capacidade para 950 automóveis. O aproveitamento da zona efetuar-se-ia com o encerramento da Avenida Filipe Samuel Magaia e a construção de três outros grandes imóveis. A demolição do velho quiosque Olímpia, na esquina das Avenidas 25 de Setembro e Karl Marx, e a posterior construção da sede da uma instituição bancária (o Banco de Crédito, Comercial e Industrial, ou BCCI), constituíram o início da transformação preconizada para aquela zona.

O Bazar. Em primeiro plano, o Kiosk Olympia. Na altura em que a foto foi tirada chamava-se Leão d’Ouro.

Em Outubro de 1998, já mais que vinte anos após a Independência de Moçambique, a Assembleia Municipal de Maputo cancelou o projeto da empresa Investec, um consórcio de bancos sul-africanos, que, aparentemente, pretendia retomar o plano urbanístico aprovado em 1969. Inicialmente favorecido pelo município, viria a ser preterido com base no argumento de que seria prejudicial aos interesses da edilidade. Reconsiderar-se-ia, desse modo, o programa anterior, com financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), no valor de 20 milhões de francos franceses, para custear as despesas do plano-diretor de melhoramento dos 45 mercados da capital.

Em Junho de 2008, deu-se início à construção dum parque automóvel, uma parceria entre a municipalidade e uma empresa privada, com o objectivo de resolver o problema do estacionamento na baixa da Cidade. Com a implantação desta nova estrutura, que não deixou de criar polémica, a estrutura do mercado ficou praticamente sufocada, perdendo visibilidade para quem passa pela Avenida da República (hoje 25 de Setembro).

Em 2001, iniciaram-se as obras de reabilitação do edifício, a cargo da construtora Soares da Costa, sob a fiscalização da empresa Técnica Engenheiros e Construtores, tendo decorrido em três fases distintas, abrangendo a remodelação da parte frontal, do lado da Avenida da República (hoje 25 de Setembro); a parte traseira, compreendida pela Avenida Zedequias Manganhela; e a construção de lojas para quinquilharias, artesanato e cerca de 150 novas bancas para venda de hortaliças, fruta, flores e outro tipo de produtos, cujo custo final ficou avaliado em 116 milhões de meticais.

Os novos espaços foram inaugurados pelo Presidente do Conselho Municipal, David Simango, em Novembro de 2013.

O Bazar após a recuperação concluída em 2013.

 

 

14/05/2019

FILME SOBRE O RÁDIO CLUBE DE MOÇAMBIQUE, 1964

Video do canal de João Manuel Pedrosa Alves no Youtube, feito a partir de um filme que faz parte do arquivo da RTP. O filme, a preto e branco, tem a duração de 16:26 minutos.

Logo na abertura, Vê-se Manuela Arraiano (Bellini). Também se vê um excerto do programa Teatro em Sua Casa. E a Grande Senhora da LM Radio, Evelyn Martin. E muito mais.

Em 1964, o RCM foi a primeira emissora portuguesa a emitir em FM e em Stereo (apenas em Lourenço Marques), acho que era conhecida como Estação D, hoje uma ubiquidade total mas na altura parecia ser algo do outro mundo.

 

12/05/2019

AL BOWLLY, LENDA DA MÚSICA NASCIDO EM LOURENÇO MARQUES

Filed under: Al Bowlly cantor nascido em LM — ABM @ 16:48

Imagem retocada.

 

Al Bowlly nasceu em Lourenço Marques em 7 de Janeiro de 1898 de pais de origem grega, creio. Daí seguiu para a então União Sul- Africana e para Londres e a América dos Anos 30. Morreu durante o bombardeamento nazi da capital britânica, vítima de uma bomba-páraquedas que lhe caiu em cima . Nesta imagem, canta perante um microfone da norte-americana National Broadcasting Company. Neste blog há um esboço biográfico seu mais completo, para ver basta premir no nome dele em cima na indexação. Seguem algumas das cantigas que interpretou.

 

11/05/2019

LOCOMOTIVA A DIESEL DOS CAMINHOS DE FERRO DE MOÇAMBIQUE, 1970

Imagem retocada.

 

Locomotiva dos CFM Nº50, D101, a diesel, em Lourenço Marques, 1970.

RICARDO CHIBANGA, TOUREIRO DE MOÇAMBIQUE

Filed under: Ricardo Chibanga Toureiro — ABM @ 23:16

Imagens retocadas.

Ricardo Chibanga, que nasceu e cresceu em Moçambique, onde, principalmente em Lourenço Marques e arredores, perdurou uma certa tradição taurina, faleceu a 16 de Abril de 2019 com 76 anos de idade, na Vila da Golegã, em Portugal, onde vivia com a Família e onde era venerado.

Nunca vi Chibanga actuar e é fácil explicar porquê. Nunca gostei de ver touradas. Vi uma em Lourenço Marques na Praça Monumental e jurei para nunca mais (o mesmo sucedeu depois de eu, com 8 anos, assistir, mesmo à minha frente, ao massacre ocorrido no Autódromo de LM na Costa do Sol em 1968: nunca mais quis ver uma corrida de carros). Não sendo um activista do assunto, simplesmente prefiro não assistir a este tipo de manifestação.

Mas isso não diminuiu aquela ligação que sentia com alguém que era da minha terra e que obviamente teve sucesso naquilo que fazia.

Chibanga, retratado por Mauricio Bergho.

 

Uma tourada em Lourenço Marques, década de 20. Postal da Casa Spanos.

 

Cartazes a anunciar uma actuação de Chibanga no Campo Pequeno em Lisboa.

 

Ricardo posa num a campo de tourada em Espanha, onde ainda hoje é recordado.

 

 

10/05/2019

A INAUGURAÇÃO DA NOVA TERMINAL DO AEROPORTO DE LOURENÇO MARQUES, 1963

Recorte do jornal A Noite, 2 de Setembro de 1963, página 5, publicado no Brasil, noticiando o início da operação da nova terminal do Aeroporto de Lourenço Marques, a 24 de Maio de 1963.

A inauguração formal do complexo ocorreria quase um mês depois, no dia 17 de Junho de 1963, data do 41º aniversário da chegada à Cidade brasileira do Rio de Janeiro dos navegadores aéreos Gago Coutinho e Sacadura Cabral, no término da sua badalada travessia aérea do Atlântico Sul, num dos hidroavões Lusitânia, em 1922. Assinalando a efeméride, a terminal em Lourenço Marques foi baptizada de Aeroporto Gago Coutinho, figura que, adicionalmente ao feito da travessia, fez durante anos importante (e aparentemente, bom) trabalho de agrimesura e topografia, nomeadamente estabelecendo uma boa parte das fronteiras daquilo que é, actualmente, Moçambique. Uns anos mais tarde, à entrada do que seria o enorme parque de estacionamento do novo aeroporto, seria colocada uma estátua evocativa de Gago Coutinho, que seria apeada quase logo de seguida, na sequência da mudança do regime, revertendo a designação do complexo para o nome da zona onde se implantou, Mavalane. E que era a designação original da primeira estação aérea ali edificada nos anos 40.

 

Uma notícia da inauguração da nova terminal do Aeroporto de Lourenço Marques, a 24 de Maio de 1963.

 

Vista da parte da fachada da nova terminal de passageiros do Aeroporto de Lourenço Marques, meados dos anos 60.

 

Vista do terminal e torre de controlo, a partir da pista. No topo do edifício da torre de controlo, pode-se ver o farol do aeroporto, que tinha uma forte luz intermitente, branca e azul, que se podia ver em toda a cidade à noite quando os aviões aterraam ou descolavam. (imagem retocada, com vénia a Voando em Moçambique, o melhor blog aeronáutico sobre Moçambique).

09/05/2019

O PRESÍDIO DE LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DOS SÉCS. XX E XXI

Imagens retocadas.

 

O Presídio de Lourenço Marques, também conhecido como Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, início do Século XX.

 

A mesma imagem, anotada. Notas: 1) Parte Sul da Praça Mouzinho de Albuquerque, mais tarde Praça 7 de Março e actualmente Praça 25 de Junho; 2) Igreja Paroquial de Lourenço Marques, implantada no mesmo local onde fica a antiga sede do Rádio Clube de Moçambique; 3) a entrada principal do Presídio de Lourenço Marques (ou “Fortaleza” de N.S. da Conceição”); 4) fachada principal do Bank of Africa, que ficava mesmo atrás do Presídio; 5) Parte Sul do Presídio, posteriormente os aterros aqui feitos, que avançaram o terreno para Sul uns 100 metros, enterraram esta muralha e ali fez-se uma muralha “fictícia” na década de 1940 para dar o ar de “forte” que se vê hoje (obra do arquitecto Pancho Guedes); 6) margem Norte da Baía do Espírito Santo.

 

O Presídio fica mesmo à esquerda da casinha que se vê no lado esquerdo desta imagem do início do Séc. XX. Ao fundo, vê-se a Ponta Vermelha.

 

Imagem tirada duma varanda do Capitania Building, cerca do início do Séc.XX, mostrando, à direita, a “nova” ponta Sul da Praça 7 de Março, ajardinada, e, em frente e à esquerda, os novos aterros onde se fizeram as duas ruas em frente, o porto e, ao fundo, a primeira estação ferroviária de Lourenço Marques.

 

Vista aérea da Baixa de Lourenço Marques nos anos 50. Veja-se o antigo Presídio, agora recuado das águas da Baía e já na sua versão “Hollywood”. Para uma melhor contextualização, ver o mapa em baixo.

 

Mapa que copiei (e pintei) dum estudo dum académico sul-africano, sobrepondo o núcleo original do que era a Vila de Lourenço Marques, com o traçado posterior do que veio a ser a capital de Moçambique.  A parte em castanho era a parte “continental” de terra firme. A parte em verde era o anterior pântano (e praia) em redor da “ilha”, posteriormente aterrado. A “ilha” está pintada em amarelo. A parte pintada a azul mostra onde ficava a margem da Baía, a maior parte da qual, nesta zona, foi posteriormente aterrada também. Dentro da “ilha” e a Sul, pode-se ver o quadrado pintado a preto saliente e que indica a localização do Presídio.

08/05/2019

ALMOÇO NO HOTEL POLANA EM LOURENÇO MARQUES, 1933

Filed under: Almoço no Hotel Polana 1933, Hotel Polana LM — ABM @ 11:24

O Ilustrado, suplemento do Notícias de Lourenço Marques, 15 de Julho de 1933, Nº8, página 138.

Os rapazes fazem uma almoçarada porque um deles vai passear para a Europa……e sai no jornal.

 

Older Posts »

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: