THE DELAGOA BAY WORLD

25/12/2013

A BAIXA DE LOURENÇO MARQUES, MEADOS DOS ANOS 1960

Fotografia de Artur Monteiro de Magalhães, gentilmente cedida pelo seu filho Artur Magalhães e restaurada por mim. Para ver a foto devidamente, abra com a máxima resolução.

 

Vista da zona da Baixa de Lourenço Marques que inclui a esquina do Continental e do Scala, o prolongamento da Avenida D. Luiz até à Praça 7 de Março (actual 25 de Junho)

Vista da zona da Baixa de Lourenço Marques que inclui a esquina do Continental e do Scala, o prolongamento da Avenida D. Luiz até à Praça 7 de Março (actual 25 de Junho), a fachada dos Prédios Fonte Azul e Rúbi e o jardim em frente ao Museu Militar da Fortaleza de Lourenço Marques. Do lado direito, por detrás do Prédio da Seguros Lusitânia, pode-se ver parte do Edifício Pott. Ao fundo, o porto onde está atracado um navio de guerra e a Catembe. Meados dos anos 60.

26/10/2013

A BAIXA DE LOURENÇO MARQUES NOS ANOS 1970, POR DANA MICHAHELLES

 

 

A Baixa de Lourenço Marques, desenho de Dana Michaelis, início dos anos 70.

A Baixa de Lourenço Marques, desenho de Dana Michahelles, início dos anos 70. À esquerda, o Scala e o Continental, o Avenida Building (ou Prédio Pott), ao fundo a Praça 7 de Março (hoje 25 de Junho) e a Catembe. À direita a Casa Coimbra.

06/10/2013

LOURENÇO MARQUES NO FINAL DO SÉCULO XIX

O original desta fotografia, que foi restaurada, pertence ao espólio de Paulo Azevedo, que graciosamente enviou uma cópia digitalizada.

.

Vista de Lourenço Marques, final do Séc. XIX. À esquerda, vê-se a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que é onde fica hoje a sede do antigo Rádio Clube. À

Vista de Lourenço Marques, final do Séc. XIX. À esquerda, vê-se a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que é onde fica hoje a sede do antigo Rádio Clube. Onde está a casa à direita é onde hoje está implantada a Sé Catedral. Mais à frente, pode-se ver o então Hospital Militar. Ao fundo, a Baía e a Catembe. Na altura, esta zona já era “arredores” da Cidade, que ficava em redor da Rua Araújo.

A CELEBRAÇÃO DO DIA DE PORTUGAL EM LOURENÇO MARQUES, JUNHO DE 1973

Fotografia do Nuno Pires, que estava nas catacumbas dentro de sua casa, graciosamente enviada para restauro e que aqui se apresenta.

 

Vista de longe, a então Praça Mouzinho de Albuquerque (hoje a Praça da Independência) no domingo, dia 10 de Junho de 1973

Vista de longe, a então Praça Mouzinho de Albuquerque (hoje a Praça da Independência) em Lourenço Marques, no domingo, dia 10 de Junho de 1973, data em que se crê ter falecido o poeta Luiz Vaz de Camões (autor de, entre outros, o poema “Os Lusíadas”) e que ainda hoje é o feriado nacional da nação portuguesa. Na cidade, realizou-se uma parada militar e na praça podem-se observar populares e tropas em fila, no ar quatro helicópteros Alouette voando em formação. Dez meses e duas semanas depois, sob a liderança do “moçambicano” Otelo Saraiva de Carvalho, triunfava em Lisboa um pronunciamento militar que abriria o caminho para a Independência de Moçambique, mediante um cessar-fogo e um acordo assinado em Lusaka em 7 de Setembro de 1974 e, uma semana e meia mais tarde,  a entrega do governo do então Estado a representantes da  Frente de Libertação de Moçambique, o movimento guerrilheiro que combatia no Norte há dez anos.

 

 

01/10/2012

A IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 1910

xx

 

A Igreja de Nossa Senhora da Conceição, então mesmo em frente à actual embaixada britânica em Maputo, logo acima do antigo Jardim Vasco da Gama.

07/07/2012

VISTA DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1950

Fotografia da colecção de Fernando Morgado.

 

Uma vista de Lourenço Marques, anos 1950.

 

A mesma fotografia, com alguma toponímia indicada. Devo salientar que, nos edifícios situados por detrás do Hotel Club, foi onde pela primeira vez se fizeram bebidas gaseificidas para venda (chamadas “sodas”) em Lourenço Marques, era uma fabriqueta tosca mas era aqui que se faziam.

24/06/2012

A CÂMARA MUNICIPAL DE LOURENÇO MARQUES E O PRÉDIO FUNCHAL, FINAL DOS ANOS 1960

O edifício da Câmara Municipal de Lourenço Marques visto de Oeste. Atrás podem-se ver a Sé Catedral e o Prédio Funchal, o edifício de O Diário (e a Tribuna) e ainda parte do Jardim Vasco da Gama (hoje Tunduru).

20/06/2012

EXCURSÃO À CATEMBE, ANOS 1970

Fotografia da colecção de Jorge Henriques Borges.

 

Alunos em excursão à Catembe, anos 1970

18/06/2012

A PISCINA DO DESPORTIVO E O TRIBUNAL EM LOURENÇO MARQUES, 1949

Filed under: LM Baixa, LM Catembe, LM Desportivo, LM Tribunal — ABM @ 01:31

Fotografia da colecção de José Godinho, tirada pelo seu pai, João Godinho, restaurada.

A piscina do Grupo Desportivo Lourenço Marques, no mês da sua inauguração, Julho de 1949. Em frente, o edificio da segunda Câmara Municipal de Lourenço Marques, na altura já um tribunal. Ao fundo a Catembe, que agora escreve-se Ka Tembe.

22/05/2012

LOURENÇO MARQUES NO INÍCIO DO SÉCULO XX

Filed under: LM Baía, LM Baixa, LM Catembe, LM Igreja N S Conceição — ABM @ 11:20

Vista da parte Baixa da cidade de Lourenço Marques, primeira década do Século XX, vista da Maxaquene.

31/03/2012

O HOTEL CARDOSO E A BAÍA DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1960

o Hotel Cardoso e a Baía de Lourenço Marques, anos 1960.

10/03/2012

VISTA AÉREA DE LOURENÇO MARQUES, 1939

Fotografia tirada aquando da visita do então presidente Óscar Carmona a Lourenço Marques.

 

Nesta fotografia pode-se ver em baixo o Hotel Polana. Onde se vê logo a seguir o alinhamento das árvores é a Avenida António Enes (hoje Julius Nyerere). O quadrado arborizado mais acima é o Parque José Cabral (hoje Parque dos Continuadores). A Avenida Massano de Amorim, que ficaria mais à direita, ainda não existia. Na extrema esquerda, vê-se parte do Observatório Campos Rodrigues.

 

Uma vista geral de Lourenço Marques em 1939. Note-se que o eucaliptal na baixa ainda mal tinha sido plantado, e a cidade praticamente acabava junto do Hospital Central Miguel Bombarda. Na Catembe, praticamente não vivia ninguém. Na baixa e na Polana, não havia qualquer prédio.

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: