THE DELAGOA BAY WORLD

23/04/2019

A BAIXA DE LOURENÇO MARQUES, 1928

Imagem retocada.

 

A então Baixa de Lourenço Marques, 1928. Foto tirada da varanda do 1º andar do primeiro Teatro Gil Vicente, que ficava à entrada da Rua (mais tarde) Joaquim José Lapa, no mesmo local onde depois se instalou a Papelaria Académica, no Prédio Fonte Azul.  Onde está um homem a atravessar a rua para o lado esquerdo na imagem, fica a esquina entre a (então) Avenida Aguiar, mais tarde designada Av. Dom Luiz e a actual Avenida Marechal Samora Moisés Machel. À esquerda começava a Praça 7 de Março. Do lado direito vê-se o Consulado do Reino Unido da Grã-Bretanha, com a bandeira hasteada. Ao fundo vê-se a Rua Consiglieri Pedroso, que desemboca na Praça Azeredo, mais tarde designnada Praça Mac-Mahon e a actual Praça dos Trabalhadores. No topo e lado esquerdo da imagem, em primeiro plano, vê-se a ponta do primeiro Teatro Gil Vicente, que arderia no final do ano seguinte, motivando o seu dono a construir outro com o mesmo nome, em estilo Art Deco, a meio da Avenida Dom Luiz. Mais a seguir vê-se um edifício com a frase “(re)frescos” na fachada, que era o Kiosk Chalet, o verdadeiro epicentro geográfico e social da Cidade naquela altura e que ficava na ponta a Norte e a Nascente da Praça 7 de Março. Logo a seguir, lá longe no horizonte, pode-se ver a cúpula da Estação de Caminhos de Ferro de Lourenço Marques, na altura das edificações mais altas da Baixa. Com tanta gente na rua, ou era fim de semana ou dia de festa na Cidade.

23/03/2012

O PRÉDIO FONTE AZUL E A PAPELARIA ACADÉMICA EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 1950

Na esquina da Rua Consiglieri Pedroso com a Praça 7 de Março (hoje 25 de Junho), o Prédio Fonte Azul. Lembro-me de no final dos anos 1960 haver ali uma discoteca, uma loja de peças para a minha bicileta, a South African Airways e, claro, a Papelaria Académica. Do outro lado da rua, o sítio que foi a primeira residência de Gerard Pott em Lourenço Marques, onde logo a seguir a ter sido tirada esta fotografia se fez o Prédio Rubi. Grato ao Eduardo da Naia Marques por me lembrar do nome do prédio.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: