THE DELAGOA BAY WORLD

28/06/2012

TEODÓSIO GOUVEIA, ARCEBISPO DE LOURENÇO MARQUES, NO RIO DE JANEIRO, 1955

Em, cima, oito dos dezoito cardeais presentes no 36º Congresso Eucarístico Internacional, realizado em Julho de 1955 na cidade do Rio de Janeiro. Da esquerda: Cardeal Dom Teodósio de Gouveia, Arcebispo de Lourenço Marques;  Cardeal José M. Caro Rodrigues, Arcebispo de Santiago, Chile; Cardeal Francis Spellman, Arcebispo de Nova Iorque; Cardeal Carlos Carmelo Vasconcellos Motta, Arcebispo de São Paulo;  Cardeal Samuel Stritch, Arcebispo de Chicago; Cardeal Gregory Peter XV Aganianian, Patriarca da Gilicia dos Arménios; Cardeal Pierre Gerlier, Arcebispo de Lyon,; e Cardeal Adeodato Piazza, Bispo de Sabina e Poggio Herteto, que era também Secretário da Congregação Sagrada do Consistório. Tudo boa gente. Mas enquanto que na Igreja Católica basicamente chovia-se sobre o molhado (até João XXIII ter dado um breve mas memorável safanão à estrutura convocando um concílio), três meses antes, na terceira semana de Abril, realizou-se uma conferência na até obscura cidadezinha de Bandung, na Indonésia, que reuniu 29 países e na qual foi feito o primeiro aviso sério à navegação quanto ao colonialismo. O mundo em plena bipolarização, os russos e os chineses entraram no negócio da libertação, directamente e através de terceiros, enquanto que a Europa e os EUA vacilavam. Em Portugal, para além duns preparativos militares meio mixurucas, basicamente assobiou-se para o lado. Salazar estava convicto que o arranjo imperial duraria mais 300 anos. Durou mais vinte.

Anúncios

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: