THE DELAGOA BAY WORLD

28/08/2019

ANÚNCIO DA LM RADIO NA IMPRENSA SUL-AFRICANA, 28 DE JULHO DE 1963

Imagens retocadas.

Este anúncio foi publicado como inserção publicitária nas edições de Domingo, 28 de Julho de 1963, dos jornais sul-africanos Sunday Times, Sunday Tribune, Cape Argus, Evening Post, Dagbreek, Volksblad e Die Burger.

Aconteceu numa era em que o meio de comunicação mais importante em África era a rádio.

Na África do Sul naquela altura, as estações de rádio estavam proibidas de transmitir música rock e popular aos domingos, o que constituia um verdadeiro “bloqueio”, especialmente para as camadas mais jovens da população.

Penso que a ideia lá era que as pessoas aos fins de semana eram supostas ir à missa e ficar em casa a tomar conta do jardim. Regra geral, nem sequer havia eventos desportivos organizados.

Esse bloqueio era estrondosa e efectivamente furado a partir de Lourenço Marques pela LM Radio, situada fora da alçada do governo sul-africano e que dessa forma praticamente mantinha um monopólio deste tipo de música, e que transmitia em onda curta e média para aquele mercado, nas línguas inglesa e afrikaans (exceptuando o callsign em português, ao topo de cada hora, que nenhum sul-africano entendia mas que todos conheciam: “aqui Portugal Moçambique fala o Rádio Clube em Lourenço Marques, transmitindo em ondas curtas e médias”):

E havia ainda o seu hino, nos anos 60, Have a Happy Day:

A estação era enormemente popular e rentável, em ambos os lados da fronteira, especialmente a partir do cair da noite, quando o alcance das emissões feitas a partir das antenas do Rádio Clube de Moçambique na Matola aumentava e se podia escutar a emissão em ondas curta e média até na Cidade do Cabo.

Para além de uma gigantesca audiência quase cativa, que trazia receitas consideráveis da publicidade, a LM Radio era o veículo ideial para promover artistas e bandas de música e alimentar as receitas com a venda de discos na África do Sul.

A aura que a estação LM Radio tinha reflectia-se favoravelmente na Cidade e em Moçambique, que era vista pelos sul-africanos (invariavelmente, brancos) como um dos destinos de férias mais desejáveis, dentro dos seus orçamentos. Anualmente, especialmente na época de Natal, a região entre Lourenço Marques e Inhambane era verdadeiramente invadida por visitantes sul-africanos, que os habitantes da Cidade, informalmente, chamavam, a eles, “bifes” e a elas “bifas” ou “bifetecas”.

Retrospectivamente, é curioso isto tudo acontecer numa altura em que o regime português, ainda sob a alçada do incontornável Dr. Salazar, estava sob forte contestação, a oposição nacionalista moçambicana em constituição, o mesmo acontecendo na África do Sul, sob o apartheid e Hendrik Verwoerd, o Dr. Mandela tendo acabado de ser condenado por terrorismo. E enquanto tudo isso decorria, todos os jovens dançavam alegremente por cima de um vulcão, alheios a quase tudo e todos.

Ao som da grande LM Radio.

25/08/2019

VISTA AÉREA DE LOURENÇO MARQUES, CERCA DE 1960

Imagem retocada, captada por Vasco Campos.

 

Vista aérea de Lourenço Marques, cerca de 1960, mostrando o Hotel Polana, atrás a Carreira de Tiro e à esquerda a Polana. Note-se que nesta altura, a Avenida Massano de Amorim (hoje creio que Mao-Tsé-Tung), a que “sobe” do lado direito, apesar de já estar desenhada para duas vias, ainda só tinha alcatroadada uma via.

A CIDADE DO IBO, INÍCIO DO SÉCULO XX

Filed under: Ilha do Ibo — ABM @ 09:37

Imagens retocadas.

 

1 de 4

 

2 de 4

 

3 d 4

 

4 de 4

A POPULAÇÃO DE LOURENÇO MARQUES EM DEZEMBRO DE 1927

Filed under: Uncategorized — ABM @ 09:30

Imagem retocada.

Um colonialismo sem colonos.

 

Fonte: Boletim da Sociedade Luso Africana do Rio de Janeiro Nº3, 1927.

21/08/2019

A PISCINA DO HOTEL POLANA EM LOURENÇO MARQUES, 1960

Filed under: Hotel Polana LM, LM Hotel Polana — ABM @ 15:25

Imagem retocada.

 

A piscina do Hotel Polana em Lourenço Marques,, início da década de 1960.

RECENSEAMENTO POPULACIONAL EM LOURENÇO MARQUES, 1912

Filed under: Recenseamento Populacional em LM 1912 — ABM @ 15:25

Imagem retocada.

 

Recenseamento de Lourenço Marques pela Guarda Cívica de Lourenço Marques, uma unidade de polícia da Cidade de então. Fonte: Ilustração Portuguesa, 1912.

19/08/2019

BANDEIRA DO CENTRO DE INSTRUÇÃO DE INFANTARIA DE BOANE, DÉCADA DE 1960

Filed under: ABM, Bandeira do CII de Boane 1960s — ABM @ 20:07

Imagem retocada.

Boane era uma vila muito pacata situada a cerca de 30 quilómetros de Lourenço Marques, no extremo Noroeste do Vale do Umbelúzi, por onde antigamente se fazia o percurso entre Lourenço Marques e as fronteiras sul-africana e da Suazilândia. À saída da Vila na direcção das fronteiras. do lado direito, situava-se uma instalação militar portuguesa onde muitos portugueses e moçambicanos fizeram a recruta e prestaram o serviço militar obrigatório. Creio que ainda hoje a instalação é utilizada pelas forças armadas de Moçambique.

Boane tem ainda a relevância (pessoal) de ter sido o local onde segundo as minhas contas eu fui concebido, pois os meus Pais, acabados de sair de Macau, estavam lá a viver nove meses antes de eu ter nascido em Lourenço Marques, no final de Janeiro de 1960.

Bandeira do CII de Boane. Segundo o Exmo. Leitor Matos Gomes, o lema latim inscrito, Ad Augusta per Angusta  significa “Para os picos por caminhos estreitos”.

A RUA ARAÚJO EM LOURENÇO MARQUES, 1896

Filed under: LM Baixa, LM Rua Araújo — ABM @ 20:06

Imagem retocada.

 

A Rua Araújo em Lourenço Marques, 1896.

18/08/2019

J. WEXELSEN RETRATA A BEIRA, INÍCIO DO SÉCULO XX

Imagens retocadas. Postais 4, 2 e 3, editados por J. Wexelsen.

Durante uns anos, na primeira década de 1900, Wexelsen operou um estúdio de fotografia na Beira. Depois, simplesmente, desapareceu do mapa. Aguardo, sentado,  que o insigne Paulo Azevedo explique.

1 de 3

2 de 3

3 de 3

OS CAMINHOS DE FERRO EM LOURENÇO MARQUES, 1973

Imagens (com direitos de autor) de George Dutton, tiradas em Lourenço Marques em Setembro de 1973.

 

1 de 4

2 de 4

3 de 4

4 de 4

A ILHA E CIDADE DO IBO, INÍCIO DO SÉCULO XX

Filed under: Ilha do Ibo — ABM @ 18:52

Imagem retocada.

Até aparecer Lourenço Marques, o Ibo, situado acima da Ilha de Moçambique, era a segunda maior urbe do que hoje é a República de Moçambique. É um tesouro histórico e potencialmente turístico, se algum dia for aproveitado como tal.

Vista de Ibo na praia, início do Século XX.

16/08/2019

FOLHETO DO CASINO BELLO EM LOURENÇO MARQUES, DÉCADA DE 1930

Filed under: Casino Belo LM, Folheto do Casino Bello em LM — ABM @ 19:32

Imagens retocadas.

 

1- Capa e verso

 

2 – Interior. Isto parece ser uma cábula para quem joga a roleta.

O TOUREIRO RICARDO CHIBANGA TRIUNFA EM SEVILHA 1971

Filed under: Ricardo Chibanga Toureiro — ABM @ 19:25

Imagem retocada.

Capa da revista portuguesa O Século Ilustrado, 28 de Julho de 1971.

“O míudo da Mafalala torna-se Matador em Sevilha”.

13/08/2019

A IGREJA PAROQUIAL E O HOSPITAL CIVIL E MILITAR EM LOURENÇO MARQUES, 1897

Imagem retocada.

 

A Igreja Paroquial (início da construção, 1878) e o Hospital Civil e Militar (início da construção: 1877) em Lourenço Marques, imagem de 1897. A Igreja ficava situada onde está hoje a sede da Rádio Moçambique e o Hospital onde hoje está a escadaria da Sé Catedral. Ambos foram construídos pela “expedição” de Joaquim José Machado e ambos foram posteriormente demolidos no âmbito de um profunda reestruturação da geografia da Cidade. Esta é a única imagem que conheço em que ambos edifícios aparecem ao mesmo tempo.

11/08/2019

A CÂMARA MUNICIPAL DE LOURENÇO MARQUES, 1896

Filed under: Câmara Municipal de LM 1897, LM Câmara Municipal — ABM @ 19:13

Imagem retocada.

 

O edifício onde operava a primeira Câmara Municipal de Lourenço Marques 1896, antes de se mudar para o edifício em frente ao Desportivo. Penso que era alugado. Não sei bem onde ficava.

LOJA DE LOIÇAS E BIBELOTS EM MOÇAMBIQUE, INÍCIO DO SÉCULO XX

Postal do fotógrafo António João Simões, primeira década de 1900, provavelmente tirada na Ilha de Moçambique. Não sei muito (mais precisamente: nada) sobre este fotógrafo, que parece ter sido português e parece ter operado na zona da Ilha de Moçambique.

Apresento a imagem de Simões colorida por mim e a versão original.

 

Versão colorida.

 

Versão original.

10/08/2019

CAÇADA NOCTURNA EM GOBA FRONTEIRA, 1923

Filed under: Caçada Nocturna em Goba 1923 — ABM @ 15:01

Imagem retocada.

 

A “caçada” realizada na estrada para Goba Fronteira na noite de Sábado, 10 de Novembro de 1923. Fonte: Iustração Portuguesa, Março de 1924 página 302.

A RUA DA GÁVEA EM LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉCULO XX

Filed under: LM Baixa, LM Mesquita, LM Rua da Gávea — ABM @ 15:00

Imagens retocadas.

A Lourenço Marques original tinha três ruas comerciais com configurações diferentes. Na Rua Araújo concentravam-se as empresas comerciais ligadas ao porto e caminnhos de ferro. Na Consiglieri Pedroso concentravam-se os negócios dos habitantes brancos da Cidade. Na Rua da Gávea os negócios dos comerciantes de origem asiática, que serviam todos, incluindo os africanos. Perto ao extremo poente desta rua, ficava a Mesquita Velha, onde os maometanos podiam fazer as suas preces.

A Rua da Gávea é das mais históricas da Cidade e talvez a mais maltratada, em parte porque foi significativamente cortada pelas alterações entretanto feitas no desenho das ruas, em parte precisamente porque pouco mudou na parte que sobreviveu.

1

2. Ver a legenda, “Indian Quarter”, em português “Bairro Indiano”.

09/08/2019

RECIBO DE PAGAMENTO DE IMPOSTO, LOURENÇO MARQUES, 1974

Filed under: Recibo de Imposto Geral Mínimo 1974 — ABM @ 21:58

xxxx

 

Recibo de pagamento de Imposto Geral Mínimo, 1974: 470$00 (quatrocentos e setenta escudos).

O HOTEL CARDOSO EM LOURENÇO MARQUES, DÉCADA DE 1960

Imagens retocadas.

 

A fachada do Hotel Cardoso vista do lado da rua no final da década de 1950. Nos anos que se seguiram, o edifício foi ampliado, acrescentando-se mais dois andares, mantendo no entanto o estilo (mais ou menos) art deco.

 

 

 

 

A piscina e o páteo com vista para a Baía.

 

A piscina. Notem-se as barreiras completamente cobertas por vegetação. Isso seria radicalmente alterado com os efeitos do Ciclone Claude em Janeiro de 1966.

 

08/08/2019

TURMA DO COLÉGIO DOS IRMÃOS MARISTAS EM LOURENÇO MARQUES, 1968

Filed under: Alunos Colégio Maristas LM anos 60 — ABM @ 06:52

Imagem retocada, de Teresa Machado, do Grupo FB Colégio Marista Pio XII de Lourenço Marques.

 

A turma.

 

Legendas: 5- Rui Mota; 12- Professora Manuela Antunes Galvão de Almeida; 21- Edgar Frederico;

06/08/2019

LOURENÇO MARQUES EM 1969

Imagem retocada.

 

A ponta da Polana, a Maxaquene e o seu Aterro e ainda a Baixa de Lourenço Marques, final da década de 1960.

 

MUÇULMANOS EM LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉC. XX

Filed under: LM Mesquita, Muçulmanos em LM 1900's — ABM @ 13:57

Imagem retocada.

A presença de muçulmanos em Lourenço Marques deve ser dos tópicos mais mal estudados, ou omitidos, da história da Cidade. Da sua estrutura durante a segunda metade do Século XIX, depreende-se claramente a sua presença e actividades. De facto, um visitante americano que visitou a Cidade no início da década de 1920 comentou a enorme presença de muçulmanos árabes na Cidade, o que não deixa de ser curioso. Em vários textos e imagens se refere a uma “área muçulmana” da pequena urbe, com a Mesquita, a Rua da Gávea, onde muitos muçulmanos viviam e trabalhavam – e que estimo que, antes dos aterros, representavam praticamente metade da área urbana. Não é clara a sua origem (exemplo: na imagem em baixo todas as pessoas parecem ser negras, não de origem árabe), quais as suas relações com as autoridades coloniais portuguesas ou ainda com as comunidades africanas circundantes e a lógica de, supostamente, vedar o acesso à residência na cidade a negros mas não a muçulmanos e asiáticos.

A presença árabe e muçulmana no que é hoje a metade Norte de Moçambique é multisecular. Presume-se que a sua presença no Sul é muito mais recente mas não conheço dados concretos sobre o assunto. É um tópico que penso ser de interesse.

05/08/2019

O LAR DO ESTUDANTE PAPA JOÃO XXIII EM VILA CABRAL, 1966

Imagem dos arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian, retocada.

 

Vista do Lar do Estudante.

A SEDE DA ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE PORTO AMÉLIA, 1966

Filed under: Sede Assoc Desportiva de Porto Amélia 1966 — ABM @ 01:50

Imagem dos arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian, retocada.

 

A primeira fase da Associação Desportiva de Porto Amélia, 1966.

Older Posts »

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: