THE DELAGOA BAY WORLD

25/02/2018

LOURENÇO MARQUES NO INÍCIO DA DÉCADA DE 1960

 

A capital de Moçambique colonial no início da década de 1960. Começava a explosão imobiliária. Nesta década, a urbanização de cimento chegou ao rubro, crescendo para o céu principalmente nas grandes avenidas (Avenidas António Ennes, 24 de Julho e Pinheiro Chagas) e para Norte (Bairro do Triunfo, COOP e Bairro dos Cronistas, sempre chamado Somershield mas erradamente escrito Sommerschiedl). Na zona do chamado Caniço, expandiu para Norte ao longo da estrada para Marracuene a partir do Xipamanine e Mafalala, Machava e a Poente para a Matola. Em 1974, parou tudo durante vinte anos, apenas para retomar com redobrado vigor. Se sempre houve um negócio milionário em Moçambique, antes como agora, é o negócio dos terrenos e das casas na capital de Moçambique. Nada no país se compara. Com a ponte para a Catembe prestes a ser inaugurada, a explosão segue-se na margem Sul da Baía.

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: