THE DELAGOA BAY WORLD

15/05/2018

ANTÓNIO AUGUSTO PEREIRA CABRAL

Filed under: António Augusto Pereira Cabral — ABM @ 00:43

Imagem de Vera Cabral Esquível, neta de António Augusto Pereira Cabral, retocada.

 

A ligação da Família Cabral a Moçambique é forte mas tem sido pouco estudada. António Augusto Pereira Cabral (foto em cima, tirada na segunda década do Séc.XX) foi Secretário Civil do Governo de Inhambane (nomeado antes de José Cabral, seu irmão,  ter sido nomeado Governador de Inhambane). Em 1910 António Augusto publicou uma codificação dos usos e costumes das populações de Inhambane. Em 1915 foi nomeado Director de Serviços dos Negócios Indígenas, lugar que viria a ocupar durante os cerca de vinte anos seguintes e que ainda ocupava quando José Cabral (Lamego, 10 de julho de 1879 — 1 de julho de 1956) foi nomeado Governador-Geral por João Belo, então o último Ministro das Colónias da primeira república, cargo que ocuparia entre 1926 e 1938, após o que foi nomeado Governador-Geral do Estado da Índia (até 1945).  António Augusto Pereira Cabral foi Pai de Augusto Pereira Cabral e de Fernando Pereira Cabral. O primeiro foi director e um dos responsáveis pelo espólio do Museu de História Natural, dantes Álvaro de Castro e que dirigiu entre 1979 e a sua morte em 2006. Fernando Cabral era taxidermista, com cursos de taxidermia tirado no Instituto Smithsonian, nos Estados Unidos, bem como de museologia e de moldes. 

 

Para mais informação sobre os Cabral, ver aqui.

Para um entendimento mais crítico (e algo surreal) dos (ainda mais surreais) “negócios indígenas”, ler aqui. Entre outras preciosidades que hoje arrebitam o olho, há o caso da codificação da regulamentação dos usos e costumes dos indígenas de Inhambane que em 1911 …..foi mandado aplicar em toda a colónia de Angola! (ver nota 45 no fim da página 135). 

Anúncios

23/04/2018

O GOLPE DE 25 DE ABRIL DE 1974 EM LOURENÇO MARQUES, VISTO PELO CONSULADO AMERICANO

Segundo a base de dados Wikileaks, estas são as quatro primeiras mensagens enviadas do Consulado Norte-Americano em Lourenço Marques no dia 25 de Abril de 1974, quando ocorreu o golpe militar em Lisboa que abriu o caminho para a independência do território, e nos dias que se seguiram.

Todas as mensagens são assinadas por Hendrik Van Oss, Cônsul-Geral dos EUA em Lourenço Marques entre 1971-1974, e que foi o seu último posto antes de se reformar. Van Oss, que se pode inferir que era da “velha escola”, deu uma interessantíssima entrevista em 1991 sobre a sua experiência em Moçambique que pode ser lida AQUI e da qual retirei esta pérola (mas há mais):

One point I want to make now is that the coup in Portugal took everybody in
Mozambique by surprise. Perhaps it shouldn’t have, but it did. It even took Frelimo by
surprise. Shortly after the coup, General Costa Gomes, Army Chief of Staff in Portugal,
who landed on his feet during this coup…he was Kaulza de Arriaga’s great enemy because
Kaulza had once blown the whistle on him for attempting a coup d’etat in Portugal years
ago, and Costa Gomes never forgave him for that, anyway he came to Lourenco Marques
and offered a cease-fire.

In other words, Portugal offered Mozambique to Frelimo on a silver platter. Frelimo
propaganda right up to that time had been along the lines that everybody should be
prepared for a long struggle, which would continue if necessary for 15 years. Suddenly
Frelimo was presented with the opportunity to take charge and they weren’t prepared for
it. They couldn’t take over immediately. They had to establish an interim government. I
think it took at least a year before they actually took over formally and became the official
government, although they were certainly involved in all decisions almost from April 25
on.

Talvez a mais curiosa seja a primeira mensagem de Van Oss, relativa a uma suposta instrução escrita por nada menos que Sua Alteza o Aga Khan, a ordenar que os seus seguidores abandonassem Moçambique imediatamente e  que antecedeu mesmo a informação do golpe em Lisboa.

Mensagem 1: Quinta-Feira, 25 de Abril de 1974, 12:25 horas

Msg 01

1. WE HAVE HEARD RUMOR CIRCULATING AROUND LOURENCO MARQUES’
INDIAN COMMUNITY THAT AGA KHAN FOLLOWERS (ISMAILI) HAVE
BEEN INSTRUCTED BY AGA KHAN TO LEAVE MOZAMBIQUE AND
ESTABLISH THEMSELVES IN ANOTHER COUNTRY WITH MORE PROMISING
ECONOMIC CLIMATE –E.G. EITHER METROPOLITAN PORTUGAL OR
CANADA. AGA KHAN’S LETTER TO ISMAILIAN COMMUNITY REPORTEDLY
INDICATED HE BELIEVED THAT MOZAMBIPUE WOULD BE OVERRUN BY
TERRORISM WITHIN TWO YEARS.

2. INDIAN AND PAKISTANI SOURCES SAY THAT SOME AGA KHAN
FOLLOWERS HAVE ALREADY LEFT AND OTHERS ARE PREPARING TO
CLOSE DOWN SHOPS IN LOURENCO MARQUES. THEY ARE ALLEGEDLY
OFFERING 60 PERCENT MORE IN MOZAMBIQUE ESCUDOS FOR PORTU-
GUESE ESCUDOS THAN REQUIRED BY OFFICIAL EXCHANGE RATE.
VAN OSS

(fim)

Mensagem 2: Quinta-Feira, 25 de Abril de 1974, 15:15 horas

Msg 2 01/02

Msg 2 02/02 end

(fim)

Mensagem 3: Sexta-Feira, 26 de Abril de 1974, 09:50 horas

Msg 03 01

1. NEWS OF COUP IN PORTUGAL BEGAN TO TRICKLE IN THROUGH
INTERNATIONAL RADIO BROADCASTS EARLY IN MORNING OF APRIL 25
AND NEWS FIRST REACHED CONGEN SHORTLY AFTER BBC 10 O’CLOCK
NEWSCAST.

2. CITY REMAINED CALM THROUGHOUT THE DAY AND NIGHT, WITH
CLOSEST THING TO EXCITEMENT BEING CROWDS OF PEOPLE MOBBING
NEWS BOYS SELLING SPECIAL LATE EVENING EDITION OF TRIBUNA
WHICH CARRIED COMPLETE ANI ACCOUNT OF LISBON EVENTS FROM
0814 IN MORNING TO 1901 IN EVENING.

3. CONTRARY TO BBC BROADCAST, THERE WERE NO EXTRA MILITARY
OR GUARDS IN EVIDENCE AROUND GOVT BUILDINGS. DESPITE RUMORED

PAGE 02 LOUREN 00278 261057Z

HOUSE ARREST OF GOVERNOR GENERAL (WHICH STILL UNCONFIRMED),
THERE WERE ONLY TWO GUARDS TO BE SEEN AT EACH ENTRANCE TO
HIS RESIDENCE, AS NORMAL.

4. RUMOR THAT MILITARY POLICE HAD IMPOSED AN OBLIGATORY
CURFEW IN THE CITY STARTING AT 2100 WAS LATER OFFICIALLY
DENIED. ATTENDANCE AT CINEMAS, HOWEVER, WAS SIGNIFICANTLY
LOWER THAN USUAL.

5. MORNING PRESS OF APRIL 26 ALSO CARRIES FULL ACCOUNT OF
EVENTS IN PORTUGAL AS WELL AS SEMI-OFFICIAL (OFFICIOSO)
GOVT NOTE STATING THAT NEWS FROM LISBON INDICATED THAT
MILITARY MOVEMENT HAD ERUPTED, WHICH HAD SUPPORT OF VARIOUS
UNITS OF ARMED FORCES AND WHICH OBTAINED RESIGNATION OF
PRIME MINISTER CAETANO. WHILE THERE WAS NOT YET ANY OFFICIAL
INFORMATION, POWER HAD APPARENTLY BEEN ASSUMED BY MILITARY
JUNTA WHOSE MEMBERSHIP HAD NOT BEEN ANNOUNCED AS OF 2230
HOURS LOCAL TIME APRIL 25. NOTE CONTINUED THAT GOVERNOR
GENERAL, IN STRICT COOPERATION WITH CIVIL AND MILITARY
AUTHORITIES, WILL TRY TO ASSURE CONTINUED NORMALCY OF LIFE
IN THE STATE OF MOZAMBIQUE AND COUNTS ON POPULATION TO
MAINTAIN COMPLETE CALM AND CONFIDENCE DURING THESE MOMENTS.
WHEN MORE PRECISE INFORMATION IS AVAILABLE, IT WILL BE
MADE PUBLIC.

6. NO HARD INFORMATION YET AVAILABLE ON REACTIONS IN BEIRA
AND NAMPULA, ALTHOUGH ACCORDING ONE REPORT, COMMANDER-IN-
CHIEF BASTO MACHADO IS “STILL AT HIS DESK.” VARIOUS PRO-
VINCIAL SECRETARIES SEEN YESTERDAY BY MY BRITISH COLLEAGUE,
WHO IS HOSTING A BRITISH TRADE MISSION, SEEMED RELAXED AND
QUITE EAGER TO VENT CRITICISM OF FORMER CENTRAL GOVERNMENT
IN LISBON OVER ITS FAILURE TO PAY SUFFICIENT ATTENTION TO
MOZAMBIQUE’S NEEDS.

7. DR. JOANA SIMIAO CHECKED IN APRIL 26 TO SAY NEW DEVELOP-
MENTS HAVE CHANGED GUMO PLANS AND SHE NO LONGER EXPECTS
TAKE GUMO CASE BEFORE UN COMMITTEE WITHIN FORESEEABLE FUTURE,
AS PROBLEM HAS NOW BECOME PURELY AN INTERNAL ONE. SHE
EXPECTS TO REDOUBLE EFFORTS TO BRING GUMO OBJECTIVES BEFORE
PUBLIC AND TO WORK OPENLY TO ESTABLISH GUMO AS FULL-FLEDGED
POLITICAL ORGANIZATION READY TO PARTICIPATE IN THE COMING

PAGE 03 LOUREN 00278 261057Z

ELECTIONS PROMISED IN SPINOLA’S SPEECH.

8. COMMENT: WHILE TOO EARLY MAKE DEFINITIVE JUDGMENT,
OUR FIRST IMPRESSION IS THAT MAJORITY OF ARTICULATE POPU-
LATION OVERWHELMINGLY FAVORS NEW DEVELOPMENT, AND WHILE
SOME EXPRESS QUALMS OVER PREDOMINANTLY MILITARY ASPECTS OF
NEW CONTROLLING GROUP, SENTIMENT IS THAT THINGS COULDN’T
POSSIBLY BE WORSE THAN THEY HAVE BEEN. EVERYONE SEEMS
DELIGHTED AT FIRST UNCENSORED PRESS ACCOUNTS SEEN HERE IN
OVER FORTY YEARS. LIFE IN LOURENCO MARQUES GOES ON NORMALLY
AND GOVT OFFICIALS CONTINUE CARRY OUT THEIR FUNCTIONS.
VAN OSS

(fim)

Mensagem 4: Domingo, 28 de Abril de 1974, 08:30 horas

 

Msg 4 01/08

1. LIFE IN LOURENCO MARQUES CONTINUES IN NORMAL FASHION.
BEIRA, NAMPULA AND TETE ALL REPORTED CALM. LOCAL NEWSPAPERS
OF PAST TWO DAYS HAVE CARRIED FULL ACCOUNTS OF SPINOLA
TAKEOVER BASED ON ANI REPORTS, INCLUDING ENTIRE PROGRAM OF
NATIONAL SALVATION JUNTA WITH ITS ANNOUNCEMENT OF GOVERNOR
GENERAL’S DISMISSAL AND TEMPORARY ASSUMPTION OF GOVERNING
POWERS BY SECRETARY GENERAL. REPORTEDLY, GOVERNOR GENERAL
PIMENTEL DOS SANTOS HAS REFUSED TO ACCEPT DISMISSAL BASED
ON PRESS PROCLAMATION, AND INSISTS HE WILL STEP DOWN ONLY
ON WRITTEN INSTRUCTIONS THROUGH CHANNELS. NO DOUBT DISMISSAL

PAGE 02 LOUREN 00282 281238Z

WILL EVENTUALLY STICK, AND WILL BE REGARDED WITH CONSIDERABLE
SATISFACTION AS DOS SANTOS IS NOT POPULAR HERE. THERE IS
NO OUTWARD EVIDENCE OF JUNTA CONTROL. NO LOCAL JUNTA REPRE-
SENTATIVE HAS YET BEEN NAMED. SO FAR AS IS KNOWN, ALL
GOVERNMENT FUNCTIONS STILL BEING CARRIED OUT BY USUAL
PERSONNEL ACTING UNDER OWN MOMENTUM WITHOUT DIRECT INSTRU-
CTIONS FROM JUNTA. SOME THOUGHT GENERAL MARIO DIEGO NETO,
CHIEF OF AIR FORCE IN MOZAMBIQUE AND MEMBER OF JUNTA, MIGHT
ASSUME OVERALL COMMAND. HOWEVER, TRIBUNA OF APRIL 26 REPORTS
HE HAS FLOWN TO LISBON.

2. DESPITE FULL COVERAGE OF FACTS, THERE HAS YET BEEN NO
EDITORIAL COMMENT IN LOCAL PRESS ON TAKEOVER. WE WERE
TOLD BY ONE EDITOR AND LONG-TIME OPPONENT OF FORMER REGIME,
THAT AFTER YEARS OF WORRYING ABOUT CENSOR’S RED PENCIL AND
WRITING IN PARABLES TO CONVEY THOUGHTS WITHOUT SAYING THINGS
OPENLY, HE AND HIS COLLEAGUES FIND THEMSELVES STYMIED BY
THEIR NEW-FOUND FREEDOM AND UNABLE TO EXPRESS THEMSELVES.
THIS WILL NO DOUBT PASS.

3. REPORTEDLY, COMMANDER IN CHIEF BASTO MACHADO HAS SENT
TELEGRAM TO LISBON SUPPORTING JUNTA. IF TRUE, THIS SHOULD
REMOVE ANY LINGERING DOUBT OVER HOW PORTUGUESE ARMED FORCE
IN MOZAMBIQUE WILL REACT. MANY YOUNGER OFFICERS HAD PRE-
VIOUSLY INDICATED THEIR SUPPORT FOR SPINOLA AFTER HIS
DISMISSAL FOLLOWING PUBLICATION OF HIS BOOK. REACTION OF THE
HIGHER OFFICERS WAS THE ONLY REMAINING QUESTION MARK.

4. BBC AND SOUTH AFRICAN MEDIA HAVE BEEN SUGGESTING POSSI-
BILITY OF WHITE UDI IN MOZAMBIQUE ALONG LINES OF RHODSIAN
MODEL. NO ONE HERE CONSIDERS THIS TO BE IN THE CARDS. WHITE
MINORITY IS NOT SUFFICIENTLY DISCIPLINED, NUMEROUS, OR UNITED
TO CONTEMPLATE GOING IT ALONE. IT LACKS ANY POWER BASE, AND
WITHOUT ACTIVE SUPPORT FROM THE ARMED FORCES, A UDI MOVE-
MENT WOULD BE DOOMED FROM THE START. THERE HAS IN PAST BEEN
SOME UDI SENTIMENT, PARTICULARLY AMONG THE BUSINESS COMMUNITY
IN BEIRA. BUT AFTER RECENT DEMONSTRATIONS AIMED AT ARMY IN
THAT CITY, CHANCES OF ARMY SUPPORT ARE NIL. THIS DOES NOT
DENY THAT MOST BUSINESSMEN WOULD WELCOME LESS STRINGENT
CONTROL FROM LISBON OVER ECONOMIC MATTERSGM BUT THEY STILL
COUNT ON THE METROPOLE TO LOOK OUT FOR WELFARE OF ITS WHITE

PAGE 03 LOUREN 00282 281238Z

CITIZENS OVERSEAS, TO PROVIDE PERSONNEL AND EQUIPMENT FOR
CARRYING ON WAR AGAINST FRELIMO GUERRILLAS, AND TO GIVE
FINANCIAL ASSISTANCE WHEN REQUIRED.

5. ON MORE CAREFUL OBSERVATION, WHAT WE REPORTED AS FAVORABLE
REACTION TO TAKEOVER, (SEE REFTEL) MAY NOT BE SO FAVORABLE
AS WE HAD THOUGHT. WHILE FEW DEFEND THE FORMER GOVERNMENT,
A NUMBER ARE DISPLAYING CONCERN OVER THE MILITARY CHARACTER
OF THE NEW RULING JUNTA, POINTING OUT THAT HISTORY SHOWS FEW
MILITARY GOVERNMENTS TURN OUT TO BE AS PROGRESSIVE AS THEIR
ORIGINAL PROCLAMATIONS PROFESS, AND THAT THE FREEDOMS BEING
RESTORED MAY TURN OUT TO BE SHORT-LIVED. OTHERS WORRY ABOUT
THE IMPACT OF THE COUP ON THE AFRICAN MAJORITY, (ALTHOUGH
THUS FAR THERE HAS BEEN NO INDICATION HOW THE AFRICANS WILL
REACT), FEARING THAT A REFERENDUM WILL SPEED THE EVENTUAL
TAKEOVER OF POWER BY THE AFRICANS AND CONSEQUENT ABANDONMENT
BY THE METROPOLE. I HAVE EVEN HEARD THE VIEW THAT THE COUP
WAS ACTUALLY ENGINEERED BY CAETANO HIMSELF AS A MEANS OF
FORCING THROUGH CHANGES WHICH HE COULD NOT BRING ABOUT
BECAUSE OF RIGHTIST OPPOSITION. THERE IS THUS CONSIDERABLE
CONFUSION; PEOPLE DON’T KNOW WHAT TO EXPECT AND ARE WAITING
TO SEE WHAT WILL HAPPEN NEXT.

6. NO REACTION YET FROM FRELIMO, ALTHOUGH IT IS EXPECTED
TO BE SIMILAR TO THOSE EXPRESSED BY PAIGC AND ANGOLAN LIBE-
RATION MOVEMENTS. NO FRELIMO GUERRILLA ACTIVITY HAS BEEN
REPORTED SINCE SPINOLA TAKEOVER, BUT THIS PROBABLY COINCI-
DENCE.
VAN OSS

(fim)

20/04/2018

A ESCRAVATURA A NORTE DE MOÇAMBIQUE, DÉCADA DE 1880

Filed under: Escravatura a Norte de Moç 1880 — ABM @ 01:05

A escravatura perdurou em África até ao final do Séc. XX. A escravatura para exportação durou até ao final do Séc. XIX, principalmente para os Estados Unidos da América, Brasil, Caraíbas. Colónia do Cabo e Médio Oriente. Os escravos para este último destino eram principalmente oriundos da costa Oriental de África e da sua contracosta até ao Congo, sendo o seu epicentro o sultanato de Zanzibar. A desactivação desse tráfico, liderada pela Grã-Bretanha, levou décadas a concretizar. Esse tráfico estendia-se até ao extremo Norte do que é hoje Moçambique. Seguem algumas fotos ilustrativas que recolhi e retoquei.

 

Comerciantes de escravos no Congo, 1887, arquivos da Universidade de Yale.

 

Rumaliza & Soehne, comerciantes de escravos, anos 1880, foto de C. Vincenti, arquivos da Universidade de Yale.

 

Escravos na Ilha de Zanzibar, anos 1880, foto de A.C.Gomes. Penso que Gomes era um fotógrafo de origem goesa que trabalhou naquela ilha-estado.

 

Escravos em Madagáscar, cerca de 1900.

 

Escravos retirados (e libertados, presume-se) de uma embarcação árabe perto da Ilha de Zanzibar, 1885. Arquivos da Universidade de Yale. Os dois marinheiros europeus provavelmente pertenciam à marinha britânica, que policiava a costa oriental de África para combater a escravatura.

O JARDIM ZOOLÓGICO DE LOURENÇO MARQUES EM CONSTRUÇÃO, 1933

Filed under: Jardim Zoológico de LM 1933, LM Jardim Zoológico — ABM @ 00:38

O Ilustrado, 1 Setembro de 1933, Nº11, página 202.

 

18/04/2018

A CONSTRUÇÃO DA PONTE DONA ANA SOBRE O RIO ZAMBEZE, 1933

Filed under: Obras na Ponte Dona Ana 1933, Rio Zambeze — ABM @ 20:18

O Ilustrado, suplemento do Notícias de Lourenço Marques, 1 de Novembro de 1933, Nº15, página 305.

 

17/04/2018

MARIA SEQUEIRA MENDES ROCHA, A PRIMEIRA AVIADORA DE MOÇAMBIQUE, 1933

Recorte de O Ilustrado, suplemento do Notícias de Lourenço Marques,  1 de Abril de 1934, Nº24, página 559.

 

O KRAAL DE GUNGUNHANA EM MANGUANHANA, ESTUDADO POR FRANCISCO TOSCANO

Filed under: Gungunhana - líder tribal, Kraal de Gungunhana — ABM @ 23:46

O Ilustrado, 1 de Novembro de 1933, Nº15, página 306.

Ora eis uma excelente ideia para o turismo moçambicano: a reconstituição deste local.

(Nota oportuna do Exmo Leitor Fernando Silva Morgado, editada: “Francisco Toscano nasceu em 1873 e faleceu em 1943 (as datas de dia e meses destes eventos não consegui apurar). Combatente sob as ordens do capitão Mouzinho de Albuquerque, acabou por ser o seu biógrafo, em África, sendo um dos dois autores do livro “A Derrocada do Império Vátua” e “Mouzinho de Albuquerque”, editado pela Editora Portugal Ultramar, Ldª., salvo erro em 1930, obras de que um dos exemplares faz parte da minha pequeníssima biblioteca, e que pessoalmente considero, mesmo com bastante exagero, como a minha “Bíblia”.
Depois de terminada a campanha fixou-se em Moçambique, ocupou diversos lugares nos Serviços de Administração Civil tendo chegado a ser o Administrador da Circunscrição dos Muchopes em 1928.)

11/04/2018

ANTÓNIO LUIZ RAFAEL, ENTREVISTA COM A HISTÓRIA, MARÇO DE 2017

Ver esta entrevista, dividida em baixo em 15 curtas secções, foi um raro e enorme prazer.

Com profunda vénia ao Projecto Arquivo de Memória Oral das Profissões da Comunicação, da Escola Superior de Comunicação (Lisboa), que gravou uma interessantíssima conversa entre António Luiz Rafael e a Doutora Júlia Leitão de Barros, registada por Paulo Barbosa, na cidade portuguesa de Évora em 27 de Março de 2017.

António Luiz Rafael, 85 anos de idade, nasceu em Lisboa a 6 de Fevereiro de 1933. Iniciou a sua actividade profissional em Portugal como locutor de rádio. Em 1956 foi para Moçambique, onde trabalhou no Rádio Clube de Moçambique em Lourenço Marques até ao final de 1975. Após o golpe de Estado de 25 Abril de 1974 e a declaração formal da independência, saiu de Moçambique e foi trabalhar para a Rádio Televisão Portuguesa em Lisboa, onde fez locução, jornalismo e entrevista. Mais tarde chefiou o Centro de Produção Regional de Évora da RTP. Está reformado desde 2003 e vive em Évora. Em 2016, publicou um romance.

Segue a entrevista de Júlia Leitão de Barros, que tudo isto aborda, em secções suaves e indexadas.

Parte 1/15 – Origens * Formação * Rádios em Lisboa * Rádio peninsular

Parte 2/15 – Rádio peninsular * Rádio Clube Português * Lourenço Marques * Grémio dos radiófilos * Rádio Clube de Moçambique

Parte 3/15 – Rádio Clube Moçambique * Censura * como se emitia reportagem * meios técnicos e humanos do RCM * teatro radiofónico

Parte 4/15 –  Organização dos turnos * RCM – informação * RCM – Ambiente trabalho * “Em africa é que eramos felizes” Censura * Financiamento do canal inglês * RCM – Financiamento * Ordenados * RCM – Programa “A hora das vedetas” Locutor / Jornalista * Entrevista a Salazar em Lisboa

Parte 5/15 – A guerra em Moçambique * RCM – Emissões em dialectos * As estrelas da rádio * revista rádio moçambique * O Nível do Português usado na Rádio * o Guião radiofónico * Sonoplastia * Centros de emissão regionais em dialeto * Rivalidades * Ser o primeiro a passar um disco * Telefonemas dos ouvintes de rádio * Espectáculos radiofónicos ao vivo

Parte 6/15 – Estudos de audiência * Custo da Publicidade * Publicidade Lida e Jingles * As radio-novelas importadas de Portugal * 25 Abril 1974 * a nova direção da RCM * 7 setembro assalto ao RCM * motivos vinda para lisboa * entrada na RTP * Formação em televisão * Formação na RTP * O telejornal da meia-noite * Os saneamentos na RTP em 1975 * Locutor / Jornalista * processo de trabalho de fazer reportagem em película * a composição da equipa reportagem * reportagens de ultima hora emitidas com bobines de imagem e som magnético separadas * “era uma época heroica” * a introdução do computador

Parte 7/15 – Os operadores imagem * trabalho em equipa * o guião de reportagem * o poder de síntese

Parte 8/25 – Jornalista que nunca fez publicidade * publicidade televisão dentro da informação * a nova geração de jornalistas formados * “calinadas em telejornais”

Parte 9/15 – Rádio e televisão atuais * “interpretações miseráveis” * “irritada ao ponto de partir a televisão”

Parte 10/15 – RTP regiões * Mudança para Évora * agenda regional / nacional * caso dos hemofílicos de Évora * relação com os políticos * Guterres casos com Cavaco Silva

Parte 11/15 – Reconhecimento da profissão repórter * Informação tendenciosa

Parte 12/15 – Motivos de orgulho * A preferência pela rádio * “a televisão é uma casa onde as pessoas tentam subir pelas costas do parceiro” * ambiente trabalho na televisão * balanço da profissão * critica ao ensino actual

Parte 13/15 – Quem gostava mais de entrevistar * o ensino da comunicação social * os jornalistas e os precários * Daniel Oliveira * Henrique Cymerman * Pedro coelho * “não temos moderadores em Portugal” * géneros jornalísticos preferidos * guerras na tv para ir ao estrangeiro

Parte 14/15 – Final da carreira na Televisão * Diário do Sul * Inicio da carreira de escritor * memórias de moçambique * considerações sobre TV actual

Parte 15/15 – Consequências da passagem da película para vídeo * implicações na edição da reportagem

08/04/2018

O PAIOL DE LOURENÇO MARQUES, CERCA DE 1900, FOTOGRAFADO PELOS LAZARUS

Esta imagem faz parte do álbum Views of Lourenço Marques, publicado por Joseph e Maurice Lazarus.

O paiol, onde eram guardados os explosivos e material militar, foi construído mais ou menos no mesmo local onde hoje estão as piscinas do Desportivo, em frente à antiga Câmara Municipal de Lourenço Marques (depois tribunal da Relação). Foi demolido cerca de 1919 e o terreno foi aplanado como parte do grande Aterro da Maxaquene.

xx

07/04/2018

A VISITA DO PRÍNCIPE REAL DOM LUIZ FILIPE A LOURENÇO MARQUES, 1907

Copiado do Blog Real e da Hemeroteca de Lisboa. Imagens de Joseph e Maurice Lazarus.

D. Luiz Filipe, herdeiro da coroa de Portugal, visitou Moçambique em Julho-Setembro de 1907. Foi assassinado em 1 de Fevereiro de 1908 com o seu Pai, o Rei. D. Carlos I.

1 de 3.

 

2 de 3.

 

3 de 3.

 

postal alusivo à visita real.

29/03/2018

SUA ALTEZA O AGA KHAN EM LOURENÇO MARQUES, MAIO DE 1958

Foto copiada e retocada, do blog barakah.com, do espólio da Família Jehangir Merchant, que viveu na Cidade.

 

Sua Alteza o Aga Khan visita estudantes ismaelitas em Lourenço Marques, Maio de 1958.

21/03/2018

A LINHA FÉRREA ENTRE LOURENÇO MARQUES E O TRANSVAAL, 1899

Imagem copiada do fascinante, hilariante e inenarrável, se patético, livro “The Key to South Africa: Delagoa Bay”, da autoria de Montague George Jessett, 1899. Ainda assim, e apesar da dedicatória cantante ao magnata Cecil Rhodes logo à entrada, vale a pena ler, para entender algum do pensamento imperial britânico em relação aos portugueses e ao Sul de Moçambique. Na altura em que foi publicado, a Grã-Bretanha preparava-se para mais uma vez atacar as repúblicas Boer (Transvaal e Estado Livre de Orange) e a turma de Rhodes instigava a anexação do que é hoje o Sul de Moçambique, baseado em dois factores: 1) que o porto de Lourenço Marques era mesmo muito muito bom para fazer parte da colónia sul-africana, e 2) que os portugueses enfim, digamos que não estavam à altura do desafio e que só davam chatices e que nem sequer conseguiam nem desenvolver a sua colónia nem controlar os seus nativos. Ah ah ah. Se calhar tinham razão.

 

Desenho esquemático feito pelo Sr. Montague, indicando o percurso da linha férrea entre Lourenço Marques e o Transvaal, que 1899 ainda era um país independente.

16/03/2018

OS ATERROS DA MAXAQUENE QUE MUDARAM LOURENÇO MARQUES, 1915-2018

Das fotografias mostradas em baixo, destaco três, cruciais para se contar esta história, da fabulosa colecção do grande botanista norte-americano Homer Leroy Shantz, que, fortuitamente, passou de relâmpago por Lourenço Marques no final de Outubro de 1919.

Lourenço Marques em 1877. No início era assim,uma ilhota nojenta e insalubre, encaixada entre a Baía e a Encosta do Maé e separada por um pântano – e mosquitos cheios de malária. Nos vinte anos que se seguiram, a ilhota será primeiro extendida para Sul e Oeste para ali se construir o complexo portuário e ferroviário e depois aterrada para Norte e Leste, ligando-a às Encostas adjacentes. O aterro a Leste foi o chamado Aterro da Maxaquene.

 

Capa do plano de aterro da enseada em frente à Barreira da Maxaquene em Lourenço Marques, que se pode ver mais abaixo.

As três grandes obras de aterro que foram estruturais para o crescimento e saneamento da originalmente pequena ilhota fortificada que era Lourenço Marques foram:

primeiro, o aterro do espaço de terreno, praia e mar, situados entre a antiga Rua Araújo e o espaço onde se construiram, no fim do Século XIX, os primeiros cais marítimos, os terrenos dos armazéns do cais,da primeira estação ferroviária e do enorme estaleiro ferroviário a Oeste;

segundo, a drenagem e aterro do pântano que se estendia ao longo da antiga Avenida da República, entre a antiga Fábrica Reunidas e onde hoje está o Hotel Tivoli, ligando a anterior ilhota com os terrenos circundantes, nomeadamente a encosta do Maé e que acabaram no início do Séc. XX (mal feito, pois inunda sempre que chove);

– e finalmente, o enorme aterro da enseada pantanosa a nascente da Cidade, que se situava entre esta e a Ponta Vermelha e que foi executada a partir das terras na Encosta da Maxaquene, até a um enorme paredão de cimento construído em linha recta entre a ponta do novo cais de embarcações ligeiras (em frente à Praça 7 de Março) e os terrenos a Oeste da Ponta Vermelha. Estas obras decorreram no final da segunda década do Século XX.

Aqui vai-se tentar ilustrar este terceiro projecto, de que resultou, já depois da Independência de Moçambique e após a Guerra Civil, no metro quadrado mais caro e mais cobiçado em todo o país, trazendo fortunas enormes aos seus detentores, a partir de DUATs que à partida foram concedidos quase gratuitamente. Mais uma ironia do destino.

Prepare-se o Exmo. Leitor para a barragem de fotografias que se segue. Este é um trabalho que levou algum tempo para ser completado.

As imagens estão divididas em três grupos: antes, durante e depois de feito o aterro da Maxaquene.

  1. COMO ERA ANTES

 

01 – no início era assim: as colinas extendiam-se em crescendo até caírem sobre a praia, que formava uma enseada entre a Ponta Vermelha e a saliência onde se edificou a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, o início do núcleo urbano da futura Cidade. A enseada tinha uma cota baixa e na maré baixa via-se um extenso areal, pantanoso.

 

02 – Mais um aspecto da enseada, com a maré baixa.

 

03 – A enseada, com a maré alta.

 

04 – Já na primeira década do Séc. XX. Aqui já se fizeram alguns aterros, criando a faixa que se vê entre a praia e as colinas. Ao fundo em primeiro plano, o edifício da nova Câmara Municipal, que ainda existe e que fica situado em frente à entrada do Grupo Desportivo. Vêem-se ainda os armazéns em frente ao Cais Gorjão e a barra do futuro porto, em frente à antiga Fortaleza, a partir da quel se iniciou a linha da muralha em linha recta até à base da Ponta Vermelha.

 

05 – imagem semelhante à imagem 4.

 

06 – outra imagem semelhante a 4

 

07 – outra imagem semelhante a 4, com a maré alta.

 

08 – A enseada agora vista do lado da Cidade, na direcção da Ponta Vermelha, imagem de Joseph Lazarus dos primeiros anos do Séc. XX. A Barreira ainda está avançada mas já houve alguns aterros, onde se fez uma estrada para os pavilhões que se vêem ao fundo, nos quais se encontra ainda a captação de água para a Ponta Vermelha, que já tem um núcleo habitacional e uma estrada de acesso.

 

09 – Mais uma vista no sentido de Nascente e Sul.

 

10 – Mais uma perspectiva na direcção da Ponta Vermelha

 

11

 

2. O PLANO DO ATERRO E A OBRA

 

12 – O plano do aterro consistia da construção de um muro de cimento, que ainda existe, com docas em ambas as pontas. À esquerda pode-se ver a Fortleza, que dantes tocava directamente a água mas que agora passu a ficar a quase cem metros da Baía. À direita, foi ainda criado espaço para a futura Estrada Marginal.

 

13- Imagem do início do projecto, com a vantagem de ilustrar os principais envolvidos, nomes lendários da Lourenço Marques colonial tais como Pietro Buffa Buccellatto, Paulino dos Santos Gil, A Tonnetti, etc etc. Grato ao grande Paulo Azevedo, que pesquisou e me mandou esta imagem. Para ver melhor esta e as outras imagens, clique para ampliar.

 

14- Foto de Homer Shantz. Vista das Barreiras em frente ao então ainda futuro Liceu Salazar dia 25 de Outubro de 1919. A muralha de cimento já está concluída e o aterro arranca procede com areias arrancadas à pazada junto da Barreira da Maxaquene, que será moldada e recuará mais que cem metros em relação ao que era antes. Ao fundo, a Catembe.

 

14A – Detalhe da imagem 14, onde se pode ver a muralha de cimento em maior detalhe e, em primeiro plano os carris de bitola pequena usados por pequenos comboios e carruagens que carregavam a areia da Colina para a zona a ser aterrada. 40 anos depois, no espaço que se vê, será instalada a FACIM e o Restaurante O Zambi.

 

15 – Outro aspecto dos trabalhos de aterro, foto ainda do dia 25 de Outubro de 1919. A “nuvem” ao meio é um defeito no negativo. Foto de Homer Shantz.

 

15A- Detalhe ampliado da Imagem 15, mostrando um comboio de bitola curta com carruagens, a carregar areia. O comboio está mais ou menos no local onde hoje está implantado o edifício do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Moçambique. À medida que a areia atinge a cota da muralha, moviam-se os carris.

 

16- A foto talvez mais interessante e mais reveladora das três imagens das obras que foram tiradas, esta tirada do velho Hotel Cardoso na direcação da Velha Cidade, ao fundo, que, no sentido nascente, acabava subitamente mais ou menos onde está hoje o Teatro Avenida. Foto de Homer Shantz.

 

16A – Detalhe ampliado da foto 16. Mesmo em frente, vê-se um conjunto de homens, que são trabalhadores do projecto. Mais acima, encostados à linha da Barreira da Maxaquene, podem.se ver dois comboios de bitola curta a recolher areia para levar para o aterro. À medida que iam retirando areias da colina, mudavam-se também os carris. Igualmente interessante: onde estão as pessoas a espalhar areia, era a orla da antiga praia. E para a direita de onde está a pequena casa em cima, era a antiga linha da Barreira, indicando a quantidade de terra que já fora movida nesta fase dos aterros. Finalmente, uma curiosidade: onde está o pequeno comboio a deitar fumo, virá a ser o complexo do Sporting de Lourenço Marques. Onde está o resto da colina, em frente ao edifício da Câmara Municipal de Lourenço Marques ao fundo, já era o Grupo Desportivo, pois o Clube foi fundado a 31 de Maio de 1919 e esta foto foi tirada precisamente no dia 25 de Outubro de 1919, cinco meses mais tarde.

 

3. A CIDADE APÓS O ATERRO

01 – O aterro nos anos 60. Na maior parte do espaço aterrado foi plantado um eucaliptal. A Baixa cresceu no sentido Nascente, À direita do Estádio Paulino dos Santos Gil, do Desportivo, inaugurado em meados de 1949.

 

02 – na parte do Aterro da Maxaquene junto à Ponta Vermelha, a Avenida da República extende-se até à Avenida Marginal, criou-se uma estrada junto à muralha de cimento, aqui já existe a FACIM, criada em 1964, e à esquerda vê-se os edifícios do Clube de Pesca, criado no início dos anos 60 junto do pequeno cais criado naquele local.

 

03 – O Aterro da Maxaquene em 1991. Aqui, vê-se que a maior parte do Aterro ainda está coberto de eucaliptos. A Barreira da Mazaquene está pelada, tendo ficado assim na sequência das obras de recuperação levadas a cabo após a enorme derrocada provocada pelo Ciclone Claude na zona entre o Liceu Salazar e o Hotel Cardoso no início de Janeiro de 1966. Ao fundo do lado direito a FACIM. À esquerda o estádio coberto do Sporting de Lourenço Marques, que em 1991 mudara o nome para Maxaquene.

 

04 – A ponta da muralha de cimento junto à Ponta Vermelha, vendo-se a entrada para a doca de recreio, também criada na obra de 1918-1920. Ao fundo, o viaduto para a Ponta Vermelha, construído em 1972-74. Na década de 1920, será ainda feita a muralha em redor da Ponta Vermelha até à zona do Clube Naval (que já existia desde 1913), permitindo a construção da Estrada Marginal. Que por sua vez implicou mais aterros nas respectivas encostas da Ponta Vermelha e da Polana.

 

05 – A muralha, vista quase de frente da antiga Fazenda (actual gabinete do primeiro-ministro).

 

06- A avenida ao longo da muralha, que foi recentemente reabilitada. À esquerda a actual sede do antigo Banco Standard Totta de Moçambique (O Banco Totta de Portugal há uns anos vendeu a sua quota ao Banco Standard).

 

07 – O Aterro da Maxaquene visto mais ou menos por cima do Jardim Vasco da Gama (agora Tunduru).

 

08 – O Aterro começa mais ou menos onde hoje está a sede do Desportivo.

 

09 – O Aterro visto de Nascente. O terreno é esquerda era onde ficava a FACIM, depois de uns malabrismos alguém ficou com ele e o vendeu a seguir por milhões a alguém, que quer fazer ali prédios de luxo. À direita, o Hotel Cardoso e a seguir o antigo Liceu Salazar. Foto com vénia a ASA.

 

10 – Na base do Aterro, contra as Barreiras e logo a seguir ao antigo campo de futebol do Desportivo, fizeram-se estes prédios, que durarão até ao próximo terramoto ou ciclone (quando em Janeiro de 1966 veio o Ciclone Claude, a barreira exactamente onde está o prédio à direita, entrou em derrocada e veio tudo parar cá abaixo). Foto com vénia a Drone Sensation.

 

11- A Cidade e o Aterro da Maxaquene em primeiro plano. Foto com vénia a Hugo Costa.

15/03/2018

O CAFÉ SCALA DURANTE MAIS UMA INUNDAÇÃO EM LOURENÇO MARQUES, JAN. 1966

O Ciclone Claude caiu sobre a Cidade e o Sul de Moçambique em Janeiro de 1966, causando enormes estragos na região.

 

A Baixa inundada junto do Scala em Lourenço Marques. À esquerda pode-se ver a Casa dos Brindes.

11/03/2018

O MISTÉRIO DE THOMAS HONEY E O JARDIM VASCO DA GAMA EM LOURENÇO MARQUES NA DÉCADA DE 1920

Grato ao Alan Fitz-Patrick, que há cinco anos fez o favor de procurar.

 

Placa no topo do arco situado junto à entrada principal do antigo Jardim Botânico de Lourenço Marques e ali colocado em 24 de Dezembro de 1924 para assinalar a nova designação do espaço, no 4º Centenário da morte do navegador português Vasco da Gama. Nesta altura, o Jardim, que ainda era também (e até 1935) o jardim zoológico da Cidade, já havia sido completamente remodelado para o elevado padrão que ainda hoje o caracteriza.

Em vários artigos e documentação avulsa, relacionada com a origem e evolução do Jardim Vasco da Gama, situado no centro da actual Maputo com a designação “revolucionária” e mais “africana” de Jardim Tunduro e inicialmente designado simplesmente com Jardins Botânicos de Lourenço Marques, existia uma espécie de “falha tectónica”, que me foi apontada há já algum tempo pelo Exmo. e magnífico Leitor deste blog, o meu caro Alan Fitz-Patrick.

Na verdade, a tal falha tectónica” de informação tinha duas componentes.

A primeira componente da falha, foi quando exactamente é que aquele espaço, inicialmente um jardim relativamente tosco e rudimentar, com problemas de vária espécie, foi profundamente remodelado para a versão que se viu a partir de meados dos anos 1920, marcada pela mudança de nome e uma re-inauguração pomposa em 24 de Dezembro de 1924 (pelo então Governador-Geral, Azevedo Coutiho) com o nome do famoso navegador português que estabeleceu, em 1498, a rota marítima entre a Europa e a Índia, eliminando o monopólio e o bloqueio árabe e maometano representado pelo Médio Oriente, no Comércio com a Ásia.

(Naquela data em 1924 assinalava-se o 4º centenário da morte de Vasco da Gama em Cochim, na Índia).

A segunda componente é quem realmente foi a pessoa que orientou esse projecto. Há consenso que foi um tal Thomas Honey, frequente e erradamente chamado Thomas Honney – com dois “n” – mas a partir daí a ideia de que ele foi um famoso arquitecto paisagista, etc e tal.

Aspecto parcial do Jardim em 1928.

Vamos esclarecer os factos, primeiro com Thomas Honey, que aparece nesta cópia duma cópia de uma fotografia sua, cedida pela sua mulher nos anos 40:

Thomas Honey, 1872-1937.

A publicação Exploradores Portugueses e Naturalistas da Flora de Moçambique, 1940, diz o seguinte, nas suas páginas 112 e 113:

Página 112

Página 113.

 

O Jardim Vasco da Gama, meados da década de 1920.

Mas há mais.

Na publicação Rhodesiana, Nº29, de Dezembro de 1973, a Sra. F. G. Day, uma filha de Thomas Honey que na altura residia em Bulawayo, escreveu o seguinte esboço biográfico do Pai:

1 de 4

2 de 4

3 de 4

4 de 4

Há ainda uma referência a Thomas Honey, que um norte-americano chamado Shantz encontrou na Beira em 1919 durante uma viagem em que passou pela Beira, onde esteve com ele e que pode ser lida nos arquivos da Universidade do Arizona, aqui.

Resumindo, provavelmente, a Thomas Honey, enquanto foi Director de Arborização e Jardins de Lourenço Marques, nos treze anos que decorreram entre 1906 e 1919, se deve não só a profunda remodelação do Jardim, como também o enorme programa de arborização da Cidade de Lourenço Marques, que a distinguiam, nesse aspecto de qualquer cidade portuguesa na altura e que competia em beleza e harmonia com qualquer urbe a nível mundial.

Fica também esclarecido que a maioria das obras de remodelação decorreram muito antes de o Jardim ter sido re-baptizado com o nome de Vasco da Gama no final de 1924.

Thomas Honey, pelo seu trabalho intemporal, merece ser assinalado e recordado naquele parque. Até porque, segundo a sua filha, há algures no jardim uma placa qualquer a recordar a sua passagem, que possivelmente escapou à febre de apagamento da Frelimo.

Um leão no Jardim Vasco da Gama, meados da década de 1920. Todos os animais foram transferidos para o então novo Jardim Zoológico em 1935.

 

A entrada a Sudoeste do Jardim, meados da década de 1920. Postal da Colecção Santos Rufino.

 

Aspecto parcial do Jardim. anos 20.

 

Cópia de um de vários registos encontrados, nos arquivos dos famosos Jardins de Kew, no Reino Unido, do envio de sementes, por Thomas Honey, enquanto estava na Beira a trabalhar para a Companhia de Moçambique, em 1922.

10/03/2018

HELÈNE DE ORLÉANS, DUQUESA DE AOSTA, NA BEIRA, 1909

 

A Princesa Heléne de Orléans, uma das irmãs da Rainha Consorte de Portugal, D. Amélia, posando numa gigantesca canoa com os membros duma tribo local (na altura não havia “moçambicanos”) no Rio Búzi, perto dum sítio que os portugueses chamavam Nova Lusitânia, nos arredores da Beira, 1909 (D. Luis Filipe de Orléans e Bragança, o herdeiro da coroa de Portugal e em honra de quem a Beira foi denominada, era seu sobrinho). Na primeira década do Século XX, Heléne percorreria África a visitar lugares, caçar e a tirar fantásticas fotografias como esta.

 

Hélène com o seu primogénito, Amedeo, em 1898. Depois de uma séria paixão com um membro da família real britânica que não deu em nada, em Junho de 1895 casou com o príncipe italiano  Emanuele Filiberto di Savoia, Duque de Aosta, relação que não resultou – ou, como se dizia na altura, que não foi feliz. Tiveram dois filhos. Assim, para ocupar o tempo, Helène, então já Duquesa de Aosta, passava longas temporadas em África, às vezes durando mais do que um ano.

 

Helène de Orléans (é a do meio), de braço dado com a Princesa Alexandra, a futura rainha britânica (esquerda) e a sua filha, durante o casamento do Duque de Guise em 1899.

O ENGº DUQUE MARTINHO E O CICLONE CLAUDE EM LOURENÇO MARQUES, JANEIRO DE 1966

Fotografia de Francisco Duque Martinho.

António Duque Martinho foi, entre outros cargos, Presidente da Câmara Municipal de Lourenço Marques. Foi enquanto desempenhava este cargo que, no início de Janeiro de 1966, se abateu sobre o Sul de Moçambique o Ciclone Claude, que causou avultados estragos na infra-estrutura da Cidade e da região.

Entre outras medidas resultantes daquela intempérie, e em resultado dos graves danos causados ao sistemas de abastecimento de água da Cidade (nalgumas zonas faltou a água canalizada durante semanas) se me recordo, foi o estabelecimento da obrigatoriedade das casas e prédios passarem a ter depósitos de água para seu abastecimento.

Neste blog, há um esboço biográfico do Engº Duque Martinho e ainda um breve trabalho sobre o Ciclone Claude.

 

O Engenheiro Duque Martinho, então Presidente da Câmara de Lourenço Marques, algures no Alto-Maé, a inspeccionar os estragos causados pelo Ciclone Claude, Janeiro de 1966.

 

 

04/03/2018

A LIGAÇÃO FERROVIÁRIA ENTRE A VILA DA BEIRA E A RODÉSIA, 1891-1900

Filed under: Linha férrea Beira-Rodésia — ABM @ 16:47

Fotos dos arquivos da Companhia de Moçambique depositados na Torre do Tombo em Lisboa, Portugal.

 

O pequeno comboio de bitola curta da Beira Railway, Nº3. Os Nos 1 e 2 eram idênticos.

Dantes, não havia quase nada a não ser uns caminhos lamacentos a atravessar as florestas, que mal dava para as carroças passarem.

O desenvolvimento de um sistema de linhas ferroviárias que servissem a então (acabada de constituir) Rodésia, teve em conta várias considerações, entre as quais a necessidade de servir as novas cidades e vilas, as minas e as zonas agrícolas que estavam em rápido crescimento antes da viragem do século XX e ainda para ligar o território da então British South Africa Company (a BSAC, de Cecil Rhodes)  com os portos marítimos situados em Moçambique e na África do Sul.

No território já acordado como sendo da esfera portuguesa, a construção da linha ferroviária começou a partir da localidade de Fontesvilla, a cerca de 56km da Vila da Beira, para Umtali, em Setembro de 1892, e de Vryburg na Província do Cabo para Bulawayo, em Maio de 1893. A linha de Bulawayo foi concluída em Outubro de 1897 e a linha de Umtali em Fevereiro de 1898.  A ligação entre Salisbúria e Bulawayo foi finalmente concluída em Outubro de 1902 depois de as obras iniciais terem sido interrompidas pelo início da Guerra Anglo-Boer em Outubro de 1899, quando os materiais tiveram que ser todos trazidos através da Linha da Beira.

O passo seguinte foi a Linha Norte a partir de Bulawayo, que começou em 1903, atravessou o Rio Zambeze nas Quedas de Vitória em Setembro de 1905 e chegou à fronteira com o Katanga em Dezembro de 1909.

Do lado português (mais ou menos, uma vez que a Companhia de Moçambique, que exercia o poder majestático nos territórios de Manica e Sofala, era essencialmente britânica), decorria dos compromissos assumidos no âmbito dos acordos luso-britânicos de Janeiro-Junho de 1891, que a Companhia estudasse, até ao final desse ano, o traçado para uma linha férrea que ligasse a Beira à localidade de Macequece, junto da fronteira com o território da BSAC, numa extensão de 320 quilómetros.

A localidade de Macequece, nos primeiros anos de construção da linha férrea.

A distância entre Macequece e Umtali (a actual Mutare) eram uns adicionais 40 quilómetros, perfazendo um total de 360 quilómetros, aproximadamente.

A construção dessa linha, como era habitual assistir-se nestas alturas, foi uma verdadeira novela brasileira em termos de financiamento, de pára-arranca, de contratos celebrados e não cumpridos, etc.

Mas não só. Numa obra que escreveu sobre o assunto, Antony Baxter relata que a implantação da linha férrea através das florestas infestadas de malária a partir do litoral teve um custo enorme em termos de vidas humanas. Cerca de sessenta por cento da equipa branca morreu com malária, e um trabalhador indiano ou chinês morreu por cada secção de carril instalado. Os mortos locais não são mencionados, provavelmente por pudor colonial. Isso perfaz várias centenas de mortos, de quem hoje praticamente não resta memória.

A linha férrea a atravessar a floresta de Amatongas, no caminho entre a Beira e Macequece.

Entre 1893 e 1897, a obra foi penosamente progredindo, até estar concluída.

E depois havia a questão, que à partida parece perfeitamente inexplicável, da bitola.

A bitola de uma linha de caminho de ferro é a distância entre os dois carris. Para além da questão dos padrões seguidos na região, ou seja, da compatibilidade entre os equipamentos, quanto mais larga for a bitola, maiores os equipamentos e maior a estabilidade e equilíbrio dos mesmos. A bitola seguida pelos caminhos de ferro da África do Sul e da Rodésia era de 1.067 milímetros (a chamada Bitola do Cabo, 3 pés e 6 polegadas de distância entre os carris). E qual foi a bitola da linha férrea entre a Beira e Macequece? 610 milímetros. Ora, esta bitola suporta uns comboiozinhos e umas carruagenzinhas, tal como o comboio que se vê no topo, que esteve ao serviço da linha até ela ter que ser mudada – outra vez. Uma bitola com esta dimensão habitualmente é usada para linhas pequenas e fechadas, que servem curtas distâncias e por razões específicas (como por exemplo as linhas operadas pela Sena Sugar Estates), não para servir uma imensa região numa distância de 300 quilómetros.

E assim a linha entre a Beira e Umtali, que foi inaugurada no dia 4 de Fevereiro de 1898, cerca de um ano antes de rebentar a Guerra-Anglo-Boer, foi a maior linha férrea com esta bitola a ser construída no continente africano.

Pode o exmo. Leitor imaginar o que aconteceu logo a seguir: praticamente mal entrou ao serviço, teve que se planear e executar e pagar – outra vez – a mudança de toda a linha férrea – e equipamentos, para a bitola de 1.067 metros, que era mais larga e igual à da Bitola do Cabo. O que aconteceu entre 1898 e 1900, especialmente devido à pressão resultante de, com a Guerra na África do Sul, o tráfego de bens e pessoas a partir da Beira para a Rodésia, foi muito maior do que se esperava inicialmente. As locomotivas com a bitola mais pequena foram depois adquiridas pelos caminhos de ferro da África do Sul.

A 9 de Julho de 1900, chegava à Beira o primeiro comboio assente sobre carris com a Bitola do Cabo.

Chegada do primeiro comboio na linha com Bitola do Cabo à Vila da Beira, 9 de Julho de 1900. Foto de Louis Hily.

 

 

01/03/2018

A FEITORIA HOLANDESA EM LOURENÇO MARQUES, 1721

A Companhia das Indias Holandesa, mais conhecida por VOC (a sigla da designação original neerlandesa, Verenigde Oost-Indische Compagnie), na altura uma das entidades europeias que competiam pelo comércio dos mares com Portugal e o Reino Unido, e que desde 1652 operavam no que é hoje a Cidade do Cabo uma base de apoio às suas actividades além-mar, decidiu em 1721 instalar uma feitoria na Baía da Lagoa, no que veio a ser a Cidade de Lourenço Marques, no espaço que alguém estimou ser o terreno onde, para variar, se situa o agora defunto campo de futebol do Grupo Desportivo Lourenço Marques, que na altura ficava directamente em frente à praia (hum, o local merecia algumas escavações arqueológicas…).

A experiência foi um fracasso. A feitoria procurou transaccionar escravos e marfim, principalmente, mas rapidamente os holandeses acharam que a mortandade pela malária não compensava e abandonaram o local, aparentemente ao tiro.

E os tiros não vinham dos nativos Tsonga/Ronga. Uma nota, curiosamente relacionada com o historial da chamada Fortaleza de Lourenço Marques, refere o seguinte contexto (texto editado por mim):

19 de Fevereiro de 1721 – partida de expedição holandesa, oriunda da cidade do Cabo, composta por 113 homens, sob o comando de Klaas Nieuhof, em dois navios, o Gouda e o De Caap;

Abril de 1721 – chegada da expedição à baía de Lourenço Marques; obtida a autorização do chefe local, inicia-se a construção de um forte de madeira, de planta pentagonal, denominado Forte Lagoa; passados seis meses, cerca da metade dos homens havia morrido, sobretudo vítimas de malária; apesar da chegada de reforços da cidade do Cabo, nos navios Zeelandia e Uno, com mais 72 homens e mantimentos, a situação não se alterou;

11 de Abril de 1722 – durante a manhã, três navios piratas ingleses sob o comando do Capitão George Taylor, que operava nas águas do canal de Moçambique, entraram na baía de Lourenço Marques, perseguidos por quatro navios da Companhia Inglesa das Índias Orientais, o Lion, o Salisbury, o Exeter e o Shoreham; as embarcações piratas, o Victory, artilhado com 64 canhões, o Cassandra, com 36, e um barco francês capturado ao largo da Ilha de Santa Maria (actual Madagascar), tinham um total de 900 homens;

18 abril de 1722 – os piratas decidem capturar a feitoria holandesa, bombardeando-a, e capturar um bote e o navio De Caap; às 5 horas da tarde, o forte rende-se; tendo conhecimento de que Van de Capelle, o segundo em comando, se evadira para o interior com 18 homens, os ingleses exigiram o seu imediato regresso, sob pena de arrasarem o edifício; não tendo regressado os holandeses, o forte e feitoria foram destruídos;

dezembro de 1722 – retirada definitiva dos holandeses do local.

Apesar deste texto, outros relatos indicam que a feitoria holandesa na Baía de Lourenço Marques era um slave post, ou seja, primariamente um ponto de tráfico de escravos (uma parte significativa dos mulatos do Cabo descendem de escravos trazidos do que hoje é Moçambique) e que terá sido abandonada em 1732 em resultado de um motim.

 

A feitoria holandesa no futuro campo de futebol do Desportivo, 1721, segundo um mapa guardado nos arquivos da Holanda. No lado esquerdo, pode-se ver a saliência onde, umas décadas mais tarde, foi implantado o pequeno forte português que foi a génese da Cidade de Lourenço Marques.

 

Fase 1 da feitoria holandesa: o Forte Lagoa.

 

Fase 2 da feitoria holandesa.

 

 

 

26/02/2018

NOTA DE CEM ESCUDOS DE MOÇAMBIQUE, 1961, E AIRES DE ORNELAS

 

Nota de 100$00 de Moçambique, 1961.

 

Sobre Aires de Ornelas, retratado nesta nota (fonte: Wikipédia, texto editado por mim):

Aires de Ornelas e Vasconcelos (Funchal, Santa Cruz, São Lourenço, Camacha, 5 de Março de 1866 — Lisboa, Santos-o-Velho, Rua das Janelas Verdes, 14 de Dezembro de 1930), mais conhecido apenas por Aires de Ornelas, 1.º Senhor de Dornelas e do Caniço, 15.º Senhor do Morgado do Caniço, na Ilha da Madeira, foi um militar, escritor e político do último período da Monarquia Constitucional Portuguesa. Como militar destacou-se nas Campanhas de Conquista e Pacificação das colónias portuguesas de África. Após a implantação da República Portuguesa foi lugar-tenente do rei D. Manuel II de Portugal, então no exílio, representando-o perante as forças monárquicas no país e junto das instituições da Primeira República Portuguesa. Foi um dos mais devotados africanistas portugueses, governador-geral de Moçambique (1896 a 1898) e Ministro da Marinha e Ultramar do governo presidido por João Franco (1906 a 1907), publicou diversos trabalhos sobre as campanhas de África e a experiência de administração colonial portuguesa.

Aires de Ornelas e Vasconcelos foi filho sucessor do Deputado e Conselheiro Agostinho de Ornelas e Vasconcelos Esmeraldo Rolim de Moura e Teive e de sua mulher D. Maria Joaquina de Saldanha da Gama, pertencendo pelo lado paterno a uma das mais antigas e distintas famílias madeirenses, a dos Senhores do Morgado do Caniço. Pelo lado materno era neto dos 8.º s Condes da Ponte.

Foi muito cedo para Lisboa, fazendo os seus estudos secundários no Colégio de Campolide, um estabelecimento da Companhia de Jesus frequentado pelos filhos da elite portuguesa. Concluídos os estudos secundários, frequentou os estudos preparatórios ministrados na Escola Politécnica de Lisboa e ingressou no curso de Estado-Maior da Escola do Exército. Concluiu o curso em 1889, ano em que foi despachado Alferes da Arma do Estado-Maior do Exército Português.

Para além dos seus estudos militares, interessou-se pela escrita, tendo fundado em 1893 a Revista do Exército e da Armada, em colaboração com outros alunos da Escola do Exército, da Escola Naval e com militares no activo. Foi um dos mais assíduos colaboradores daquele periódico. Foi também colaborador e depois director do Jornal das Colónias; também colaborou no jornal O Correio: Semanário Monárquico (1912-1913) e, anos mais tarde, na revista Ideia Nacional (1915).

Foi promovido a Tenente em 1892 e em 1895, a convite do então Capitão do Estado Maior, Eduardo Costa, foi enviado para Lourenço Marques, integrado na expedição liderada por António Enes, que naquele ano foi enviada para a África Oriental. Em Moçambique, tomou parte nas operações contra o régulo vátua Gungunhana, destacando-se na preparação das colunas que tomaram Marracuene e Inhambane e tendo os seus serviços sido classificados, oficialmente, de relevantes. Revelou-se um militar exímio, alcançando grande reputação no Exército e junto da opinião pública. Destacou-se no combate de Marracuene pela sua valentia e sangue frio, qualidades que confirmou nos combates de Coolela.

Aires de Ornelas. A imagem da nota baseou-se nesta fotografia.

Essas qualidade fizeram com que Mouzinho de Albuquerque, nomeado para o cargo de governador-geral de Moçambique, demonstrasse depois grande estima e consideração por Aires de Ornelas, o que viria a resultar na sua nomeação em 1896 para Chefe do seu Estado-Maior. Mouzinho de Albuquerque refere-se a Aires de Ornelas como sendo o oficial mais completo que tinha conhecido, possuindo todas as qualidades de oficial de cavalaria de campanha e de oficial de Estado-Maior. Estes louvores valeram-lhe a promoção ao posto de Oficial Capitão do antigo Corpo de Estado Maior no ano de 1897.

Quando em 1898, Mouzinho de Albuquerque terminou a sua comissão em Moçambique, regressou a Portugal, onde reatou a sua colaboração na Revista do Exército e da Armada e no Jornal das Colónias. Entretanto, a fama que granjeara em África garantiu-lhe reconhecimento público e a sua aceitação como detentor de grandes conhecimentos sobre assuntos coloniais. Foi, posteriormente, eleito Deputado da Nação às Cortes.

A 11 de Agosto de 1900, nas vésperas do seu casamento, foi feito 1.º Senhor de Dornelas (no Concelho de Amares) e do Caniço (no Concelho do Funchal) (Diário do Governo, n.º 181, 14 de Agosto de 1900). A 15 de Agosto de 1900 casou no Lumiar, em Lisboa, com D. Maria de Jesus José Ana Joaquim de Sousa e Holstein Beck (Lisboa, Alcântara, 18 de Setembro de 1873 – depois de 1942), que em Monarquia seria Representante do Título de Marquesa de Sesimbra, filha do 1.º Marquês de Sesimbra, de quem não teve descendência.

Esse mesmo reconhecimento público levou a que em Abril de 1901 assumisse a direcção política do Jornal das Colónias. Nesse mesmo ano foi feito Par do Reino por direito hereditário, assumindo o seu lugar na Câmara dos Pares.

Os seus conhecimentos em matéria colonial fizeram com que fosse escolhido para representar Portugal no Congresso Militar que decorreu em Madrid por ocasião do Quadricentenário de Cristóvão Colombo. As mesmas razões levaram a que fosse nomeado mais tarde delegado técnico na Conferência de Haia de 1899 de onde saíram os primeiros tratados internacionais sobre leis e crimes de guerra.

Quando se levantou a questão das fronteiras orientais de Angola, no âmbito da chamada questão do Barotze, foi escolhido, com o almirante Hermenegildo Capelo e o capitão-de-fragata Ernesto de Vasconcelos, para em 1900 integrar a comissão técnica que discutiu com os britânicos os limites do Barotze. Tão bem se houve nesta comissão que recebeu a Comenda da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.

Em 1905, a convite de João de Azevedo Coutinho, ao tempo Governador-Geral de Moçambique, desempenhou o cargo de Governador do Distrito de Lourenço Marques, cargo onde se manteve por apenas oito meses. Tendo regressado a Lisboa, colaborou em diversos periódicos, assumindo a direcção do Diário Nacional, cargo que manteve durante alguns anos.

Quando em Maio de 1906 o Partido Regenerador-Liberal, liderado por João Franco, foi chamado por D. Carlos I para formar governo, coube a Aires de Ornelas o cargo de Ministro de Estado e Secretário de Estado da Marinha e Ultramar. Nestas funções, em 1907, acompanhou S. A. R. o Príncipe Real D. Luís Filipe na sua viagem às colónias da África, visitando Cabo Verde, Angola e Moçambique.

Teve, também, o título de Conselheiro de Sua Majestade Fidelíssima a 6 de Junho de 1906 (Diário do Governo, n.º 139, 25 de Junho de 1906) e foi Ajudante-de-Campo Honorário dos Reis D. Carlos I e D. Manuel II e Secretário da 1.ª Secção de Estudos do Conselho General do Exército.

Com o regicídio de 1908 e a consequente queda do governo presidido por João Franco, foi forçado a abandonar o cargo, o que contribuiu para o descontentamento entre os militares, em particular os da Armada, e para a degradação da imagem do regime monárquico perante as forças armadas e em particular os círculos africanistas.

Monárquico convicto, com a implantação da República Portuguesa pediu a demissão de Oficial Tenente-Coronel do Estado Maior, demitiu-se do Exército e abandonou Portugal, residindo em Londres durante algum tempo. Quando as condições políticas permitiram o seu regresso a Lisboa, foi um dos obreiros da reorganização da causa monárquica, sendo nomeado Lugar-Tenente do Rei D. Manuel II de Portugal, então exilado em Londres, substituindo no cargo, que ocupou durante muitos anos, por iniciativa do monarca, o seu amigo João de Azevedo Coutinho.

Envolvido na tentativa de restauração monárquica de 1919, o episódio da Monarquia do Norte, liderada pelo seu correlegionário Henrique Mitchell de Paiva Couceiro, foi preso durante alguns meses na Penitenciária e no Forte de São Julião da Barra, de onde saiu graças a uma amnistia oferecida aos revoltosos de 1919.

Reingressou na vida política, e em 1918 e 1922 foi, respectivamente, Deputado da Nação na vigência da República pela Madeira e por outro círculo eleitoral.

Erigiu em 1927, às suas custas e num terreno do seu Morgado do Caniço, sito na Ponta do Garajau, ilha da Madeira, um monumento ao Sagrado Coração de Jesus, actualmente conhecido como o Cristo Rei da Madeira.

Foi um dos militares mais condecorados do seu tempo, sendo detentor, entre outras condecorações, dos graus de Oficial e de Grande-Oficial da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, concedida pelos serviços em campanha de Moçambique no ano de 1895, dos graus de Cavaleiro, Oficial a 28 de Setembro de 1903 (Ordem do Exército, 1903, 2.ª Série, n.º 18, p. 278), Comendador a 2 de Outubro de 1905 por proposta do Ministério da Marinha e Ultramar por relevantes serviços que prestou ao Estado na questão da delimitação da fronteira ocidental do Barotze (Diário do Governo, n.º 225, 5 de Outubro de 1905) e Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis, de Comendador da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada, de Grã-Cruz da Ordem do Império Colonial a 14 de Julho de 1932, e três Medalhas de Prata de Valor Militar (para comemorar a Expedição de Moçambique, 1894-1895; a Expedição contra os Namarrais, 1896-1897; e as Operações de Gaza, 1897), bem como da Cruz de 1.ª Classe da Ordem do Mérito Militar de Espanha.

Faleceu na Rua das Janelas Verdes, na Freguesia de Santos-o-Velho, em Lisboa, a 14 de Dezembro de 1930, tendo sido sepultado no Cemitério dos Prazeres, sendo os seus restos mortais transladados para o Cemitério das Angústias no Funchal, em 1934, onde jaz. Encontra-se em sua memória, uma estátua no Largo da Achada, freguesia da Camacha. É também lembrado na toponímia de diversas localidades, entre elas a cidade de Lisboa. Foi impressa uma nota de 100$00 de Moçambique com a sua imagem.

25/02/2018

O SÍMBOLO E AS DESIGNAÇÕES DE MOÇAMBIQUE AO LONGO DA SUA HISTÓRIA

Filed under: Moçambique- Símbolo e designações — ABM @ 15:17

Dedicado ao Exmo. Leitor deste blogue, o Sr. José Campos.

 

Brasão de Moçambique, 1933, quando o território voltou a ser ter o estatuto de província. (fonte: Boletim da Sociedade Luso-Africana do Rio de Janeiro, Abril-Junho de 1933, pág. 37). Pergunta aos que sabem: porque é que o símbolo de Moçambique é, ou quase sempre tem presente, um feixe com sete setas?

 

Segundo uma recolha feita na Wikipédia, parte ou a totalidade do que hoje é Moçambique terá tido as seguintes designações oficiais:

Capitania de Sofala (1501-1569);
Capitania de Moçambique e Sofala (1570-1676);
Capitania-Geral de Moçambique e Rios de Sofala (1676-1836);
Província de Moçambique (1836-1891);
Estado da África Oriental (1891-1893, dividindo-se em duas províncias: Moçambique e Lourenço Marques);
Província de Moçambique (1893-1926);
Colónia de Moçambique (1926-1951);
Província de Moçambique (1951-1972);
Estado de Moçambique (1972-1975);

República Popular de Moçambique (1975-1990);

República de Moçambique (1990-presente).

De observar que, nos período de 1891-1893, a designação “Província de Moçambique” correspondeu apenas a uma das duas subdivisões do Estado da África Oriental (a outra designando-se “Província de Lourenço Marques”).

Também de observar que, a partir de 1911, o termo “colónia” começou a ser usado, como termo alternativo ao de “província”, para designar Moçambique. A partir da promulgação da nova Carta Orgânica da Colónia de Moçambique em 1926, a designação “Colónia de Moçambique” prevaleceu, continuando-se contudo a usar ocasionalmente a designação “Província de Moçambique” até 1951, quando esta última voltou a ser a única designação oficial.

Na literatura anglo-saxónica, as designações para Moçambique foram, durante muito tempo, mais “flutuantes”, tal como aconteceu no caso de Lourenço Marques.

LOURENÇO MARQUES NO INÍCIO DA DÉCADA DE 1960

 

A capital de Moçambique colonial no início da década de 1960. Começava a explosão imobiliária. Nesta década, a urbanização de cimento chegou ao rubro, crescendo para o céu principalmente nas grandes avenidas (Avenidas António Ennes, 24 de Julho e Pinheiro Chagas) e para Norte (Bairro do Triunfo, COOP e Bairro dos Cronistas, sempre chamado Somershield mas erradamente escrito Sommerschiedl). Na zona do chamado Caniço, expandiu para Norte ao longo da estrada para Marracuene a partir do Xipamanine e Mafalala, Machava e a Poente para a Matola. Em 1974, parou tudo durante vinte anos, apenas para retomar com redobrado vigor. Se sempre houve um negócio milionário em Moçambique, antes como agora, é o negócio dos terrenos e das casas na capital de Moçambique. Nada no país se compara. Com a ponte para a Catembe prestes a ser inaugurada, a explosão segue-se na margem Sul da Baía.

23/02/2018

A TOMADA DE POSSE DE JOSÉ TRISTÃO DE BETTENCOURT COMO GOVERNADOR-GERAL DE MOÇAMBIQUE EM LOURENÇO MARQUES, 1940

O original desta foto, que retoquei, está nos arquivos de Casa Comum.

O mandato de Bettencourt, um açoriano, é talvez dos mais interessantes e menos estudados, sendo que coincidou praticamente com toda a duração da II Guerra Mundial, em que as peripécias e croquetes que teve que resolver foram mais que muitos.

Imagem recolhida no dia da tomada de posse de José Tristão de Bettencourt para o cargo de Governador-Geral da Colónia de Moçambique, 5ª feira, 21 de Março de 1940. Na Residência do Governador-Geral na Ponta Vermelha, vivia frugalmente, com a sua Mulher e filha adolescente.

Reproduzo a nota da Wikipédia:

Angra do Heroísmo, 3 de julho de 1880 — Lisboa, 25 de novembro de 1954

Nascido em Angra do Heroísmo, cidade onde realizou os estudos básicos e liceais, tendo frequentado o Liceu Nacional de Angra do Heroísmo entre 1893 e 1899. Destinado a seguir a carreira militar, frequentou o Curso de Preparatórios na Escola Politécnica de Lisboa (1900-1901), ingressando no ano imediato na Escola do Exército (1902-1904).

Em 1901 assentou praça no Regimento de Caçadores n.º 1, sendo promovido a alferes em 1905, iniciando nesse ano a sua carreira como oficial de Infantaria do Exército Português. Foi sucessivamente promovido a tenente (1908), capitão (1915), major (1920), tenente-coronel (1933), coronel (1937), brigadeiro e general (1939). Em 1945 passou à situação de reserva, por limite de idade. Passou à situação de reforma em 1950.

Ao longo da sua carreira militar, depois de em 1915-1916 ter sido vogal da Comissão Técnica da Arma de Infantaria, dedicou-se essencialmente à administração colonial na África Oriental Portuguesa, tendo sido sub-chefe do Estado-Maior do Quartel-General de Moçambique (1916-1917), governador do Distrito de Inhambane (1921) e chefe do Estado-Maior do Quartel-General de Moçambique (1922-1928). Terminou a sua relação com Moçambique exercendo as funções de Governador-Geral de Moçambique (1940-1946).

Paralelamente exerceu diversas funções de carácter político-administrativa ligadas à administração colonial, tendo sido Chefe de Gabinete do Ministro das Colónias (1926), membro do Conselho Fiscal do Banco Nacional Ultramarino, vogal do Conselho Superior das Colónias e vogal do Conselho do Império Colonial.

Em 1928 foi nomeado Ministro das Colónias por decreto de 18 de Março, mas não chegou a a tomar posse.

Depois de ter passado à situação de reservas, foi procurador à Câmara Corporativa, designado pelo Conselho Corporativo, nas IV (1945-1949), V (1949-1953) legislaturas daquele órgão do Estado Novo. A sua carreira parlamentar centrou-se em matérias militares e de política e economia coloniais. Destacou-se nos pareceres referentes à revisão do Acto Colonial e sobre matérias referentes à organização da defesa nacional.

18/02/2018

VASCO DA GAMA NUM QUINTAL EM INHAMBANE, 2017

Filed under: Estátua de Vasco da Gama em Inhambane 2017 — ABM @ 17:03

Imagem de Angela Serras Pires.

 

A estátua do navegador português Vasco da Gama, num quintal em Inhambane, 2017. Gama ali aportou na sua primeira épica viagem entre Lisboa e a costa indiana no final do Séc. XV, chamando-lhe “terra da boa gente”. O monumento foi apeado duma praça da pequena cidade após a tomada do poder pela Frelimo e assim ficou até agora.

13/02/2018

O MAPA COR DE ROSA E ANGOLA E MOÇAMBIQUE, 1887

Filed under: Mapa Cor de Rosa 1887 — ABM @ 04:50

A propósito de Gago Coutinho e das coisas que ele andou a fazer em, entre outros, Moçambique, e que pode ser consultado aqui, surge, às tantas, à laia de contextualização, o Mapa Cor de Rosa, o tal que um funcionário qualquer do MNE achou apropriado pintar com esta cor (ele lá sabia que os bons sonhos têm essa cor) e submeter aos aliados europeus da época, que andavam todos muito entretidos com mapas de África, a ver quem ficava com a maior fatia. Para Portugal, que tinha tido a experiência do Brasil mas que ainda tinha o Alentejo meio despovoado e mal tinha dinheiro para estender a linha férrea entre Lisboa e o Porto, era a megalomania total. Mas – pronto – Dom Luiz achava a ideia de ter um império um bom contraponto à mornaça local e à irrelevância portuguesa no contexto europeu, a burguesia local já via negócios sem fim e a populaça foi atrás da conversa. Passaram os cem anos seguintes a sacudir a bandeira e a correr atrás do prejuízo e a irritar os autóctones, que ainda hoje se regozijam a falar do dia em que Portugal dali se pirou.

Interessante é ver, comparando com um mapa actual, o negócio final. A parte superior de Angola ficou com uma enorme fatia que nem sequer estava planeada. E os britânicos (bem, foi mais Rhodes que outra coisa qualquer, mais a sociedade missionária escocesa) ficaram com a parte central, impedindo a mania, que todos os europeus pareciam querer, de terem uma colónia de costa a costa. Ficaram, assim, os primos de Angola e os primos de Moçambique. Todos mais ou menos a falar a língua dos portugueses.

 

A versão final do mapa,

Older Posts »

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: