THE DELAGOA BAY WORLD

11/01/2017

O INTERIOR DO TEATRO VARIETÁ EM LOURENÇO MARQUES, 1913

Fotografia cortesia de Paulo Azevedo.

Até à sua demolição cerca de 1968, o Teatro Varietá manteve este aspecto.

 

varieta-lm-1913-abm

O interior do Teatro Varietá em 1913.  Clique na imagem para ver em tamanho maior.

A segunda casa de ópera situada a Sul do Equador, a seguir à Ópera de Port Elizabeth, na África do Sul, o Teatro Varietá foi inaugurado no dia 5 de Outubro de 1912, no segundo aniversário do golpe que derrubou a Monarquia. Ficava situado em Lourenço Marques, no início da Rua Araújo, perto da Praça 7 de Março (actual Praça 25 de Junho). Previamente, aqui houve um Ringue de Patinagem e Cinematógrafo com o mesmo nome, inaugurado a 16 de Julho de 1910 e antes um campo de hockey em patins – o primeiro em todo o espaço português, em que se disputaram jogos de hóquei em patins. O Teatro foi uma iniciativa dos empresários italianos Pietro Buffa Buccellato e Angelo Brussoni. No local onde estava implantado, foram inaugurados cerca de 1970 o Cinema Dicca e o Estúdio 222.

Eu ainda frequentei o Varietá quando era muito miúdo – 5 a 8 anos de idade. Na altura esta sala parecia-me verdadeiramente gigantesca. Como os B. de Melo eram mais que muitos, o Pai Melo comprava um camarote, habitualmente o primeiro no alinhamento de camarotes situados à esquerda na fotografia. Lembro-me nitidamente de aqui ter visto o filme épico Barrabás, sobre o ladrão bíblico que terá sido (no fim) crucificado com Jesus Cristo. Só que a violência era mais que muita, sangue por todos os lados e o raio do filme nunca mais acabava.

Outro problema logístico era que os quartos de banho do Varietá ficavam do lado direito da sala, a seguir às portas que se podem ver aqui à direita (o bar ficava do lado esquerdo). Ora, se eu quisesse fazer ir chichi a meio do filme, tinha que me levantar do primeiro camarote à direita, sair da sala para um corredor escuro como breu pela porta do camarote,que se pode ver na imagem, dar a volta ao teatro todo por fora até aos lavabos, fazer o serviço, e voltar todo o caminho de volta. Qual era a então solução? saía do camarote, descia mais dois camarotes, fazia lá o chichi e voltava, aliviado, para ver se o Barrabás já tinha morrido.

26/10/2013

O NETO QUE VEIO DE ÁFRICA, AGOSTO DE 1972

Filed under: ABM, António Botelho de Melo, Clotilde Botelho de Melo — ABM @ 23:55

Foto ABM.

Em Agosto de 1972 visitei com a minha irmã Cló os Açores pela primeira vez. Invariavelmente, nas duas semanas que lá estive, andava vestido assim: calções de kakhi, t-shirt e descalço, para desgosto da minha avó, que se desculpava perante terceiros dizendo "sabe, é o meu neto de África".

Em Agosto de 1972 visitei com a minha irmã Cló os Açores pela primeira vez. Invariavelmente, nas duas semanas que lá estive, andava vestido assim: calções de kakhi, t-shirt e descalço, para desgosto da minha avó, que se desculpava perante terceiros dizendo “sabe, ele é um dos meus netos de África”. Os Açores na altura pareceram-me bonitos – mas, ah, quase medievais. Tínhamos zero em comum excepto traços de DNA. Aqui estamos os dois nas escadas para o quintal dos meus avós paternos, Botelhos de Melo.

24/03/2013

CARACÓIS DA BAÍA DE MAPUTO: NERITAS E NASSARIUS

Filed under: - caracóis de Maputo, António Botelho de Melo — ABM @ 18:11

Quando eu era miúdo nos anos 60, apanhava estes caracóis nas margens da Baía de Lourenço Marques, cozinhava-os com água e sal e comia-os com um alfinete.

Exemplares da Nerita Undata.

Exemplares da Nerita Undata.

Exemplares da Nerita Polita.

Exemplares da Nerita Polita.

Exemplares da Nassarius Arculariu.

Exemplares da Nassarius Arculariu.

31/08/2012

DOMINGO NA PISCINA DO DESPORTIVO EM LOURENÇO MARQUES, 1970

Foto gentilmente enviada por Rafaela Silva.

 

Em primeiro plano, alguns dos Botelhos de Melo (1º plano da esquerda Chico, ABM, Cló, atrás Mesquita com Paula em cima, pai Melo) e à esquerda o Zé Manel Abreu. Ao fundo pode-se ver o Carlos Oliveira de costas e de frente à sua esquerda o pai dele. Por baixo da prancha o Sr. Manuel da Mata.que nessa altura se tornou o primeiro treinador de natação do Clube Ferroviário. Para ver esta fotografia em tamanho maior prima na imagem com o rato do seu computador.

06/06/2012

O PRÉMIO DO CONCURSO DA RÁDIO MOCIDADE EM LOURENÇO MARQUES, 1973

Praticamente, nunca ganhei nada em coisa nenhuma. Excepto em 1973, quando participei num concurso qualquer promovido em Lourenço Marques pela então jovem e quase juvenil (mas distintamente profissional) Rádio Mocidade, que tinha a vantagem adicional de se situar ao fundo da rua de onde eu vivia. O que ganhei foi um disco de 45 rotações. Não me perguntem como, mas após uns quarenta anos e de já ter mudado de casa de país e de continente umas quinze vezes….ainda tenho o disco. É o que está em baixo.

O meu prémio do concurso da Rádio Mocidade em 1973.

O prémio.

04/03/2012

PASSAPORTE DE ABM, SETEMBRO DE 1974

Filed under: António Botelho de Melo — ABM @ 12:53

Folha da fotografia do meu passaporte, 1974. Pouco depois dos distúrbios associados ao 7 de Setembro em 1974, ocorreu ao pai Melo que talvez fosse boa ideia a família ter passaportes, para o caso de termos que cruzar a fronteira para a África do Sul. Eu, que tinha 14 anos de idade, não tinha um, nunca tinha tido. Um dia, mandou-me ir para a bicha dos passaportes, que se obtinham num escritório qualquer no prédio onde ficava o Café Continental, na baixa de Lourenço marques. Mas nessa altura parecia que metade da cidade tinha tido a mesma idéia, pois a bicha não acabava. Assim, fiquei uma noite ao relento, juntamente com uma série de pessoas, a guardar a minha vez na bicha. E foi assim que obtive este passaporte. Que usei pela primeira vez no ano seguinte, já estava eu a estudar em Coimbra, para ir a umas provas de natação no Luxemburgo, a seguir na Alemanha Federal e depois na Suíça.

13/02/2012

LELÉ, CHICO E ABM NA PRAIA DO DRAGÃO DE OURO, 1970

Os meus irmãos Francisco (Chico) atrás e à frente a Manuela (Lelé) em primeiro plano. Eu estou escondido no meio. Foto tirada na Praia do Dragão de Ouro em Lourenço Marques num domingo de manhã.

21/11/2010

A DISNEYLÂNDIA NÃO É PARA ADULTOS

Filed under: António Botelho de Melo, PESSOAS — ABM @ 12:08

OS DOUTORES EM FRONTIERLAND, DISNEYLAND PARIS, 2010. DOERAM-ME OS PÉS DURANTE TRÊS DIAS.

AGOSTO DE 1975, ESTUDANDO EM COIMBRA, PORTUGAL

EU ESTAVA A ESTUDAR NO LICEU INFANTA DONA MARIA DESDE FEVEREIRO DE 1975, QUANDO OS MEUS PAIS VISITARAM-ME EM COIMBRA EM AGOSTO DESSE ANO. TECNICAMENTE AINDA VIVIAMOS EM MOÇAMBIQUE. MAS SEIS MESES DEPOIS ISSO ACABOU QUANDO ELES DEIXARAM MOÇAMBIQUE, SOB O ASSÉDIO DA "REVOLUÇÃO PARA CIRAR O NOVO MOÇAMBIQUE". AQUI, NAS ESCADAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA, OS MEUS PAIS E A DULCE GOUVEIA, QUE NA ALTURA TAMBÉM VIVIA EM COIMBRA.

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: