THE DELAGOA BAY WORLD

09/05/2019

O PRESÍDIO DE LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DOS SÉCS. XX E XXI

Imagens retocadas.

 

O Presídio de Lourenço Marques, também conhecido como Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, início do Século XX.

 

A mesma imagem, anotada. Notas: 1) Parte Sul da Praça Mouzinho de Albuquerque, mais tarde Praça 7 de Março e actualmente Praça 25 de Junho; 2) Igreja Paroquial de Lourenço Marques, implantada no mesmo local onde fica a antiga sede do Rádio Clube de Moçambique; 3) a entrada principal do Presídio de Lourenço Marques (ou “Fortaleza” de N.S. da Conceição”); 4) fachada principal do Bank of Africa, que ficava mesmo atrás do Presídio; 5) Parte Sul do Presídio, posteriormente os aterros aqui feitos, que avançaram o terreno para Sul uns 100 metros, enterraram esta muralha e ali fez-se uma muralha “fictícia” na década de 1940 para dar o ar de “forte” que se vê hoje (obra do arquitecto Pancho Guedes); 6) margem Norte da Baía do Espírito Santo.

 

O Presídio fica mesmo à esquerda da casinha que se vê no lado esquerdo desta imagem do início do Séc. XX. Ao fundo, vê-se a Ponta Vermelha.

 

Imagem tirada duma varanda do Capitania Building, cerca do início do Séc.XX, mostrando, à direita, a “nova” ponta Sul da Praça 7 de Março, ajardinada, e, em frente e à esquerda, os novos aterros onde se fizeram as duas ruas em frente, o porto e, ao fundo, a primeira estação ferroviária de Lourenço Marques.

 

Vista aérea da Baixa de Lourenço Marques nos anos 50. Veja-se o antigo Presídio, agora recuado das águas da Baía e já na sua versão “Hollywood”. Para uma melhor contextualização, ver o mapa em baixo.

 

Mapa que copiei (e pintei) dum estudo dum académico sul-africano, sobrepondo o núcleo original do que era a Vila de Lourenço Marques, com o traçado posterior do que veio a ser a capital de Moçambique.  A parte em castanho era a parte “continental” de terra firme. A parte em verde era o anterior pântano (e praia) em redor da “ilha”, posteriormente aterrado. A “ilha” está pintada em amarelo. A parte pintada a azul mostra onde ficava a margem da Baía, a maior parte da qual, nesta zona, foi posteriormente aterrada também. Dentro da “ilha” e a Sul, pode-se ver o quadrado pintado a preto saliente e que indica a localização do Presídio.

29/04/2019

A BAIXA DE LOURENÇO MARQUES, 1960

Imagem retocada.

 

Lourenço Marques em 1960, foto em zoom tirada a partir do Prédio Funchal. À esquerda, o Prédio Montepio (onde ficavam os escritórios da TAP). À direita, a torre da Sé Catedral. O telhado de zinco ao lado da torre é o Bazar na Baixa, visto de trás. Ao fundo em cima, a Catembe. Junto à Baía do lado Norte, os guindastres do Cais Gorjão.

21/09/2018

UM DIA NA DOCA E NO PORTO DE LOURENÇO MARQUES, 1961

 

1 de 6

 

2 de 6

 

3 de 6

 

4 de 6

 

5 de 6

 

6 de 6

20/09/2018

CARREGADORES NO PORTO DE LOURENÇO MARQUES, 1961

Filed under: Carregadores no porto de LM 1961, LM Cais - Porto — ABM @ 23:05

 

Carregadores no porto de Lourenço Marques, 1961.

23/08/2018

O PORTO DE LOURENÇO MARQUES, DÉCADA DE 1960

Filed under: LM Cais - Porto — ABM @ 06:36

 

 

O porto de Lourenço Marques, década de 1960.

14/08/2018

O ANTIGO CAIS DE DESEMBARQUE DE LOURENÇO MARQUES, FINAL DOS ANOS 1890

Filed under: LM Cais - Porto — ABM @ 20:46

 

O Cais em 1896. Maré Cheia. Ver o pequeno guindastre a vapor.

 

O cais de Lourenço Marques mais ou menos na mesma altura. Maré vazia. De realçar as barcaças que eram usadas para carregar e descarregar os navios, que tinham que ficar no meio da Baía até se construirem os cais em que os mesmos se podiam encostar.

18/04/2018

DRAGANDO O CAIS DE LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉC. XX

Filed under: Draga no porto de KM 1900, LM Cais - Porto — ABM @ 20:15

Postal da Casa de A W Bayly.

O cai de Lourenço Marques em construção à direita, enquanto a draga retirava as areias ao lado.

07/04/2018

O CAIS DE PASSAGEIROS DE LOURENÇO MARQUES, 1900, FOTO DOS IRMÃOS LAZARUS

Do álbum Views of Lourenço Marques, de Joseph e Maurice Lazarus.

O cais de passageiros de Lourenço Marques, cerca de 1900.

 

A mesma imagem, mais abrangente.

26/10/2013

A ZONA FERRO-PORTUÁRIA DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1960

Filed under: LM Cais - Porto, LM Praça Mac-Mahon — ABM @ 22:36

 

 

A zona

A zona ferro-portuária de Lourenço Marques, foto aérea tirada a partir de cima da Estação Ferroviária. Mesmo em frente vê-se o pequeno edifício duplo com os geradores de electricidade do complexo portuário. À direita o Cais Gorjão.  À esquerda pode-se ver uma parte da Praça Mac-Mahon (actualmente Praça dos Trabalhadores).

13/06/2013

NAVIOS ATRACADOS NO CAIS GORJÃO EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 20

Filed under: LM Baía, LM Cais - Porto — ABM @ 17:43

Postal ABC, de J. Fernandes Moinhos, Nº213301.

 

O Cais Gorjão em Lourenço Marques, anos 20.

O Cais Gorjão em Lourenço Marques, anos 20.

03/03/2013

A DOCA SECA DO PORTO DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1910

Filed under: LM Cais - Porto, LM Doca — ABM @ 16:44

Para além do mais, foi aqui que se realizaram as primeiras competições de natação em Lourenço Marques – e em Moçambique.

 

A Doca Seca de Lourenço Marques, uma das primeiras obras de engenharia de apoio ao nascente cais que fazia a ligação entre a navegação internacional e o hinterland sul-africano.

A Doca Seca de Lourenço Marques, uma das primeiras obras de engenharia de apoio ao nascente cais que fazia a ligação entre a navegação internacional e o hinterland sul-africano.

27/06/2012

MARIA FLORA E HENRIQUE VIAJAM NO PAQUETE “MOÇAMBIQUE” DE LOURENÇO MARQUES PARA LISBOA, ANOS 1950

Fotografias (e dados) da colecção de Fernanda Simões, descendente da família Sousa e Brito, gentilmente cedidas restauradas por mim.

SAÍDA DE LOURENÇO MARQUES NO PAQUETE MOÇAMBIQUE – Viajaram em 1ª Classe na Cabine 31 – os avós maternos da Fernanda.

NA FILA DE CIMA A 4ª PESSOA  A CONTAR DA ESQUERDA – a avó materna de Fernanda, Maria Flora Henriques de Sousa e Brito Rodrigues, nascida em Lourenço Marques (Conceição) a 11/03/1911 e faleceu em Cascais a 17/06/2000

A SEGUIR, COM O JORNAL NA MÃO – o avô materno de Fernanda, Henrique Augusto da Silva Rodrigues , nascido em Lisboa(Santos-o-Velho) a 16/09/1898 e faleceu em Cascais a 21/04/1985, divorciado de D. Gualdina da Conceição Soremanho Carvalho (divórcio a 12/04/1921), guarda livros no B.N.U. na Ilha de Moçambique e chefe da Contabilidade dos Caminhos de Ferro de Moçambique, filho de Manuel José Rodrigues, nascido em Lisboa e de D. Maria Carolina da Silva, nascida em Lisboa (Santos- o -Velho), divorciado de D. Gualdina da Conceição Soremanho Carvalho (divórcio a 12/04/1921), guarda livros no B.N.U. na Ilha de Moçambique e chefe da Contabilidade dos Caminhos de Ferro de Moçambique, filho de Manuel José Rodrigues, nascido em Lisboa e de D. Maria Carolina da Silva, nascida em Lisboa (Santos- o -Velho)

o Paquete Moçambique, ainda ancorado em Lourenço Marques, antes de partir para Lisboa. Na fila de cima, a 4ª e 5ª pessoas são os avós maternos da Fernanda. Para ver esta fotografia em tamanho original, prima duas vezes na imagem com o rato do seu computador.

26/06/2012

A VISITA DO PRESIDENTE CARMONA A MOÇAMBIQUE, JULHO DE 1939

Fotografias gentilmente cedidas por Fernando Morgado, do seu pai Alberto José Augusto Morgado, que passou uma vida em Moçambique e conhecia o meu pai.

A fotografia do Marechal Carmona foi copiada e referenciada à Fundação Gulbenkian.

A  fotografia do então Ministro das Colónias foi desavergonhadamente copiada do sítio dos antigos colaboradores do BNU, que contém um excelente e revelador esboço biográfico de Francisco José Vieira Machado. A ligação a esse texto está mais abaixo.

Todas as fotos foram restauradas.

A guarda de honra junto do Cais Gorjão na segunda-feira, dia 17 de Julho de 1939, para o desembarque do Presidente e Marechal António Óscar de Fragoso Carmona, no que foi a primeira visita de um presidente da república à então colónia portuguesa. Foto de Fernando Morgado, cujo pai fazia parte da referida guarda.

O Esquadrão de Dragões desfila na Avenida da República em Lourenço Marques (actual Av. 25 de Setembro), aqui na esquina entre a Avenida da República e a Av. Dom Luiz (a actual Av. Samora Machel). Ao funo a Ponta Vermelha e à esquerda o Café Scala (que não se vê na fotografia).

Na viagem às colónias portuguesas e à África do Sul, que durou três meses mas cujo trecho em Moçambique decorreu entre 17 de Julho e 13 de Agosto de 1939, Carmona foi acompanhado pelo então Ministro das Colónias, Dr. Francisco José Vieira Machado, aqui a desembarcar, de cartola, em Lourenço Marques. Vieira Machado é uma figura importante na saga colonial e deve ser estudado.

Para um esboço biográfico do Dr. Francisco José Vieira Machado,sugiro a leitura do sítio do BNU que aborda o assunto (o Dr. Vieira Machado foi uma figura daquele banco e da banca durante décadas).

Quando Carmona desembarca em Lisboa pelo Cais das Colunas na Praça do Comércio, no dia 12 de Setembro de 1939, uma terça-feira, já a Europa se encontrava em guerra, após a invasão, pelo exército da Alemanha, da Polónia, ocorrida na madrugada do dia 1 desse mês. Carmona, normalmente considerado um fantoche do ditador Dr. António Oliveira Salazar, morreu em funções no dia 18 de Abril de 1951, tendo sido substituído pelo “moçambicanófilo” General Higino Craveiro Lopes, cuja mulher, Berta, era de Lourenço Marques, onde ele se casou no início dos anos 1920.

18/06/2012

A PRAÇA MAC-MAHON EM LOURENÇO MARQUES, 1949

Fotografia da colecção de José Godinho, tirada pelo seu pai, João Godinho, restaurada.

Para ver esta fotografia em tamanho muito maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

A Praça Mac-Mahon, 1949.

13/05/2012

O CAIS GORJÃO EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 1910

Filed under: LM Cais - Porto — ABM @ 22:42

Mais uma imagem do Cais Gorjão em Lourenço Marques, anos 1910.

O CAIS GORJÃO EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 1910

Filed under: LM Baixa, LM Cais - Porto — ABM @ 22:10

O cais Gorjão, nome do porto de Lourenço Marques, anos 1910.

30/04/2012

O CAPITANIA BUILDING E O CAIS DE PEQUENAS EMBARCAÇÕES EM LOURENÇO MARQUES, ANOS 1940

Filed under: LM Baía, LM Baixa, LM Cais - Porto, LM Capitania Buildings — ABM @ 00:46

O cais de embarque para as pequenas embarcações e ao fundo o Capitania Building em Lourenço Marques.

23/03/2012

A PRAÇA 7 DE MARÇO EM LOURENÇO MARQUES, INÍCIO DO SÉCULO XX.

Um aspecto da Praça 7 de Março (hoje 25 de Junho). Na altura era o epicentro da Cidade. Ao fundo, o Capitania Building, por trás do qual ficava a Fortaleza. Reparem na banda a tocar no coreto. Ao fundo, a Baía. Naquela altura, toda a gente que vinha de fora chegava de navio, que atracava em frente à Praça, que era a primeira coisa que viam quando entravam na cidade. Ou vinham da África do Sul no comboio, que ficava do outro lado da Rua Araújo (hoje do Bagamoyo).

 

Outra perspectiva da Praça. Supostamente, todos os sábados à tarde a banda militar sentava-se no coreto a tocar música enquanto o pessoal bebericava e conspirava. Quando foi parar a Moçambique logo após o fim da I Guerra Mundial, o pai da minha sogra fazia parte desta banda. Era um emprego importante...

 

Mais uma imagem. Tudo de molho a beber um cafézinho. Reparem no miúdo gordinho espetado na cadeira do lado esquerdo.

23/02/2012

O JARDIM VASCO DA GAMA, O TRIBUNAL E A BAIXA DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1960

Fotografia restaurada.

 

Vista do Jardim Vasco da Gama, tribunal e baixa de Lourenço Marques, anos 1960.

27/12/2011

NO PORTO DE LOURENÇO MARQUES, A CAMINHO DA ÁFRICA DO SUL, 1927

Foto IICT, restaurada.

Um comboio deslocava-se directamente para em frente ao navio em Lourenço Marques, para transportar os passageiros para a África do Sul, 1927.

09/12/2011

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO DO PORTO E CAMINHO DE FERRO DE LOURENÇO MARQUES, ANOS 1940

Filed under: LM Cais - Porto — ABM @ 01:13

Para ver este anúncio no tamanho original, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

 

Anúncio publicitário sobre Lourenço Marques e o seu porto e caminho de ferro, anos 1940.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: