THE DELAGOA BAY WORLD

04/03/2017

O LICEU SALAZAR E A EASTERN TELEGRAPH COMPANY EM LOURENÇO MARQUES

Pouca gente hoje se recorda, ou sabe, que nos terrenos onde foi construído o Liceu Salazar na Polana em Lourenço Marques, que foi inaugurado em Outubro de 1952 (e que hoje se chama Liceu Josina Machel, em memória da primeira mulher oficial do então chefe militar da Frente de Libertação de Moçambique), durante muitos anos esteve implantado um magnífico e considerável edifício que albergava os escritórios e operações da Eastern Telegraph Company, a empresa de capitais maioritariamente britânicos que operava o serviço de telégrafo (na sequência de um acordo celebrado por Andrade Corvo com a Eastern) que passou a ligar Lourenço Marques ao Mundo a partir de 1879.

lm-eastern-and-telegraph-station

A estação telegráfica da Eastern & Telegraph em Lourenço Marques, final do Século XIX, nos terrenos onde depois foi construído o Liceu Salazar (actual Escola Josina Machel).

A partir de 1880, apesar de ser caro para a altura, podia-se enviar um telegrama para Durban (e por essa via, Cabo, Pretória e Joanesburgo), Ilha de Moçambique e, via Zanzibar, Aden e outros pontos, para a Europa, via Londres.

eastern-cable-company

Outra imagem da Estação Telegráfica da Eastern & Cable na Polana. Foto de Joseph e Maurice Lazarus cerca de 1900.

Digitalizado a partir da prova original 13x18cm, PRA/PK173

Ainda a Estação, rodeada por um imenso jardim.

mapa-eastern-telegraph-lourenco-marques

Neste mapa da Cidade de Lourenço Marques de 1925, pode-se ver assinalado o espaço ocupado pela Estação Telegráfica da Eastern Telegraph Company. Mais acima, muitos conheceram o então Instituto João de Deus como a Escola Comercial Azevedo e Silva.

Não tenho dados sobre quando o edifício foi demolido, mas presumo que nos anos 30.

liceu-salazar-maquete

Uma maquete do futuro Liceu Salazar, concebido ainda nos anos 40 mas que só foi concluído no final de 1952.

liceu-salazar-postal

O Liceu Salazar, cerca de 1960. Ao fundo, o Hotel Cardoso, ainda na sua terceira fase de construção

169_001

O Liceu, nos primeiros anos da década de 60. Em baixo à esquerda, o Museu Álvaro de Castro.

13/01/2017

O ENVELOPE DE TAYOB ADAM KATCHI, E A FOTOGRAFIA DE NATÁLIA CORREIA E VERA LAGOA EM LISBOA, 1951

t-a-katchi-e-filhos-lda-lm

O envelope, carimbado com data de 28 de Agosto de 1945, perto da data em que o Império do Japão se rendeu incondicionalmente aos Aliados, dando por finda a II Guerra Mundial.

De entre a documentação que rotineiramente analiso, incluo o visionamento das empresas e negócios que houve em Moçambique antes da Independência. Há uns dias, deparei-me com o envelope exibido em cima, datado Agosto de 1945. Não fazia ideia de que se tratava a empresa “T.A.Katchi”. Mais tarde, apercebi-me de que se relacionava com Tayob Adam Katchi.

Quem foi Tayob Adam Katchi? a análise do tecido empresarial moçambique anterior à Independência é um longo estudo ainda por fazer e quase todos os académicos o ignoram, abordando-o a não ser pela rama. Mas a internet permite fazer-se alguma coisa. Apanho um artigo de Jorge Morais, n’O Diabo, um histórico jornal conservador fundado por Vera Lagoa em Fevereiro de 1976, em que deparo com a fotografia em baixo, que me deixou surpreendido.

jantar-em-lisboa-abril-1951-tayob-adam-katchi-vera-lagoa-e-natalia-correia-ver-nota

Na sua residência na Rua dos Anjos, Nº13, em Lisboa, num jantar realizado a 13 de Abril de 1951, da esquerda, o empresário de Moçambique Tayob Adam Katchi, a jovem açoreana Natália Correia, o dramaturgo e ensaíasta Armando de Aguiar e Maria Armanda Falcão (aka Vera Lagoa, nascida circunstancialmente na Ilha de Moçambique). Natália e Vera vestidas a rigor com saris.

A fotografia foi tirada em casa de Tayob Adam Katchi em Lisboa, em Abril de 1951. O texto descreve-o como um “importante homem de negócios de origem indiana, uma figura do ‘jet set’ português dos anos 50 e um ‘entertainer’ da intelectualidade lisboeta”.

Curiosa a presença de Armando de Aguiar (ou D’Aguiar) nesta fotografia e ainda mais nesta companhia. Armando de Aguiar fora nos anos 30 a 60 um dos celebrados bardos do regime de Salazar. Entre outros, publicou em 1934, no Brasil, um livro com 252 páginas, ilustrado, chamado “Oliveira Salazar – O Homem e o Ditador (sua vida e sua obra)”. Dedicada aos brasileiros e os portugueses radicados naquele país sul-americano, d’Aguiar explica ao que vem: “este livro é de uma rigorosa informação. Sendo assim, só poderia ser um livro de verdade histórica e, ao mesmo tempo, de elogio a Salazar. ao homem intimo e ao ditador, pela simples exposição da sua vida e pela narrativa da obra que vem realizando em Portugal. É a sua figura nítida e clara, que está nestas páginas. Chefe de um governo de segura e enérgica orientação, demonstrou que já é passado o tempo dos governos sem entusiasmo. Desse entusiasmo vem usando em sua administração. Daí o relevo com que Salazar se projecta no mapa europeu, fazendo convergir para Portugal a curiosidade do mundo, pois todas as nações desejam conhecer esse homem admirável que sabe querer e sabe realizar.” A obra circulou livremente no Brasil durante alguns anos, até, em 1938, ser incluida pelo Departamento de Ordem Política e Social, um organismo estatal de censura, na sua lista de obras proibidas, na sequência de uma tentativa de golpe de direita contra a ditadura de Getúlio Vargas. Aguiar era jornalista do Diário de Notícias e um colaborador próximo de António Ferro, de cujo Secretariado de Propaganda Nacional (e depois o seu sucedâneo, o SNI) ele foi delegado. Em 1932, publicara A Ditadura e os Políticos. Em 1936, integra o “batalhão” de jornalistas portugueses, enviados a Espanha para cobrir a Guerra Civil, numa estratégia de propaganda salazarista de apoio a Francisco Franco. No fim da II Guerra Mundial, publica  Portugueses no Brasil, Entre 1951-54, publica O Mundo que os Portugueses Criaram; e, em 1964, Guiné, Minha Terra.

armando-de-aguiar-1934

Capa do livro de Armando de Aguiar sobre António de Oliveira Salazar, 1934

Pelo envelope em cima, sabe-se que Tayob tinha pelo menos uma empresa de importação e exportação em Moçambique durante a II Guerra Mundial. Mas pouco consta em relação a outros negócios.

Numa interessante tese de doutoramento de Sérgio Chichava, concluída em 2007, sobre a Zambézia, Tayob é referido brevemente, a propósito de José Roldão, uma figura política e socialmente importante da Zambézia, Presidente da Associação Africana da Zambézia em 1941, e que, como jornalista, colaborou de forma significativa na imprensa moçambicana assinando sob o pseudónimo F.Saldanha, sendo, de um rol de figuras conhecidas, o único que colaborava a partir de um ponto situado fora de Lourenço Marques. Neste contexto, Roldão é mencionado como tendo trabalhado directamente para Tayob Adam, “na altura um dos homens de negócios mais importantes de Quelimane”, sendo considerado o seu primeiro e principal colaborador.

Um documento adicional sugere uma dimensão religiosa e cultural peculiar de Tayob Adam, que era muçulmano. Duas publicações da The Islamic Review, uma revista que circulou no Ocidente entre 1913 e final dos anos 60, referem Tayob Adam como seu correspondente em Lisboa, inclusivé indicando como endereço postal a sua residência em Lisboa. A revista era uma versão sofisticada e a voz pública do movimento Ahmadiyya, que pode ser lida premindo aqui. Certamente que, na altura, poucos sabiam ou entendiam algo sobre os detalhes desta particular vertente do islamismo a que Tayob Adam se associara.

the-islamic-review-tayob-adam-katchi

Excerto da edição de Dezembro de 1952 da The Islamic Review , em que Tayob Adam Katchi surge, em baixo à esquerda, como colaborador da revista em Portugal, recebendo pedidos de subscrição.

 

 

26/10/2013

ISABEL CATROGA, FINALISTA DA ESCOLA COMERCIAL DE LOURENÇO MARQUES, 1966-7

Filed under: Uncategorized — ABM @ 22:48

 

 

bbbb

bbbb

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: